Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

terça-feira, 31 de maio de 2011

Leitor Comenta - Prandini: Líder se Comprova no Adverso

Doutor Fernando mais uma vez acertou em sua análise. Não existe justificativa plausível para o prefeito sair de férias em plena negociação salarial. Ainda mais daquele que nos anos anteriores foi nosso assessor.
Ele tem todo direito ao descanso mas não pode se dar ao desfrute de manter este argumento ridículo que as férias foram marcadas muitos antes. Ora, a data-base sempre foi em maio e ele melhor que qualquer outro prefeito, sabe disto pois foi nosso assessor nas negociações antes dele ser eleito prefeito.
Essa viagem é um ato de covardia, arrogância e desrespeito por todos nós servidores que acreditamos no discurso dele e o apoiamos no passado recente.
Ele deveria aproveitar e remarcar a viagem para o dia 05 de outubro de 2012 pois nós servidores, diferentemente dele, temos boa memória e ano que vem ele vai receber a nossa resposta pelo descaso e desrespeito.

Prandini: Líder se Comprova no Adverso

Líderes verdadeiros são aqueles que conseguem, em meio a situações turbulentas ou adversas, determinar, precisamente, o que deve ser feito e mobilizar seus seguidores no caminho da execução dessas transformações. E, obviamente, o primeiro passo para que isso aconteça é se fazer presente. Certamente, a todos que trabalham deve ser reservado o direito às férias. No entanto, para aqueles investidos em cargos de liderança, como o de prefeito, por exemplo, tirar féria é muito mais uma questão conjuntural do que apenas pessoal. Para um prefeito, a negociação da data base dos servidores deveria ser talvez o acontecimento mais relevante do ano fiscal, pois é através do trabalho do funcionalismo que as transformações e as políticas públicas almejadas pelo Executivo se manifestam no mundo real. Viajar para a Europa, ausentando-se por 19 dias, num momento adverso, embora justo, de negociação do reajuste salarial do funcionalismo publico municipal, demonstra não apenas que Prandini não é líder, mas que também optou por abrir mão de suas prerrogativas, quando seus seguidores e subordinados diretos mais necessitavam dele. Para quem foi eleito para “mudar o que tem de mudar”, inclusive com voto do funcionalismo e apoio do Sintramon, é a mais explícita mostra de traição eleitoral.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Matriz São José do Operário Pintada de Amarelo

Nada se respeita nesta cidade. Nem mesmo os bens protegidos por lei. Acabo de ler no Blog do Taco que o exterior da Igreja São José do Operário está sendo pintado de amarelo. Ora, a igreja é tombada para fins de preservação pelo item VIII do art. 170 da lei Orgânica do Município, o que significa que o monumento arquitetônico não pode ser suprimido ou destruído e que suas características originais, como a cor, por exemplo, não podem ser alteradas, sem o devido procedimento administrativo. A pergunta que fica é a seguinte: o Conselho de Patrimônio Histórico autorizou a descaracterização da igreja? E olha que isso dá cadeia! Imagina se não desse. Lei 9.605/98:

Art. 63. Alterar o aspecto ou estrutura de edificação ou local especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial, em razão de seu valor paisagístico, ecológico, turístico, artístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização da autoridade competente ou em desacordo com a concedida:

Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.

Prandini: Asfalto pra Mamãe

Atualmente, sob a ótica ambiental, a recomendação técnica que se tem é de que apenas vias principais de trânsito rápido e intenso, como avenidas e vias expressas, sejam asfaltadas. É que o asfalto impermeabiliza o solo, impedindo a absorção natural da água da chuva, o que colabora muito para a ocorrência de inundações nos centros urbanos. Além disso, o asfalto também é responsável por um fenômeno micro-climático conhecido como Albedo, através do qual os raios solares são absorvidos pelo espectro escuro do pavimento asfáltico e, posteriormente, são irradiados na forma de calor para o espaço urbano, contribuindo para o aquecimento do ambiente das cidades. O ambientalmente correto para ruas secundárias é o calçamento em paralelepípedos ou bloquetes. No entanto, Prandini, o prefeito do partido que se diz defensor das causas ambientais, anunciou, recentemente, que vai asfaltar a Rua Paracatu, justificando que a via onde mora sua mãe é um dos principais acessos da Linha Azul. É brincadeira! A Rua Paracatu, por conta de sua localização e de sua acidentada topografia, deve ser uma das menos movimentadas do Município e o cara ainda tem coragem de falar na inócua Linha Azul. É muita cara de pau! Deveriater hombridade, pelo menos, uma vez e dizer a verdade: "que vai asfaltar pra mamãe”.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

A Renda do Ministro e a do Primeiro-Ministro

O Ministério Público Federal instaurou procedimento investigativo para apurar se houve enriquecimento ilícito na vertiginosa evolução patrimonial (20 vezes) do ministro da Casa Civil da presidente Dilma, Antônio Palocci, nestes últimos 4 anos. É que a legislação específica considera como ato de improbidade administrativa o simples fato de o agente público exibir um patrimônio incompatível com sua renda. Se a moda pega em João Monlevade, vai ter primeiro-ministro que também terá que explicar uma substancial evolução de seu patrimônio, nestes últimos 2 anos e meio de governo prandinista.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Falta D`água

Entre os 853 municípios mineiros, João Monlevade ocupa a invejada 28ª posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do estado. Tal colocação não seria possível se o Município já não tivesse superado questões básicas, diretamente, relacionadas à qualidade de vida de sua população, como a universalidade do abastecimento de água potável, por exemplo. Será? Não é o que vem ocorrendo, atualmente. Vários bairros da cidade, até mesmo os centrais, têm sofrido, rotineiramente, com a falta d água. Ontem, na reunião ordinária da Câmara, alguns vereadores demonstraram preocupação com a recorrente falta d água que atinge vários pontos do Município e levantaram um dado pertinente: o DAE possui em seu caixa quase 3 milhões de reais. Ora, se o DAE possui tanto recurso, por que não os aplica no sistema, de modo a normalizar o abastecimento, perguntaram-se os edis. A resposta é simples: porque Prandini não vê os 3 milhões do DAE como recursos a serem empregados no abastecimento de água da cidade. Na verdade, depois de levar a Prefeitura à quebradeira geral, o governo prandinista tem visto o caixa do DAE como uma espécie de banco, de onde pretende retirar recursos para alguma obra prevista em seu mirabolante plano de governo ou para as poucas que estão em andamento, como é o caso do projeto de lei que tramita no Legislativo, autorizado o prefeito a se socorrer ao caixa do DAE para terminar a obra da ETE do Cruzeiro Celeste. É por isso que existe dinheiro, mas falta água.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Plantão Monlewood: Direto de Veneza

Travessia de Prandini no Rio Santa Bárbara. Foto Acom PM/JM

Informações diretas da Europa dão conta que a comitiva de familiares que acompanha o prefeito Gustavo Prandini em sua viagem à Europa teria passado por uma saia justa - pra dizer o mínimo. Ao chegar a Veneza, a exemplo da já folclórica travessia que protagonizou no Rio Santa Bárbara no ano passado, Prandini não teria se contido diante de todo aquele ambiente aquático e, maravilhado, teria pulado da Ponte dos Suspiros, jogando-se nas águas turvas do Mar Adriático, arriscando-se, em natação frenética, pelos canais da cidade italiana. Por sorte, não foi atropelado por uma gôndola desavisada que navegava em alta velocidade pelo local. (*)

(*)A matéria deste post é fruto da imaginação de alguém (?).

..."Digam ao Povo que Fico"...


Clique na imagem para dimensioná-la à leitura.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Engodo do Ano: Prandini no PT

Circula pela cidade um boato de que a ala petista da capital mineira, dominada pelo ex-prefeito e Ministro do Desenvolvimento do Governo Dilma, Fernando Pimentel, teria interesse na filiação de Gustavo Prandini no Partido dos Trabalhadores, a fimse apóiá-lo em sua tentativa de reeleição na corrida eleitoral do próximo ano. Trata-se de mais um engodo do gabinete prandinista. Não existe nada neste sentido que venha do PT de Belo Horizonte. Na verdade, essa é mais uma estratégia política confusa e enganosa elaborada pelo Pacto Umbilical, motivada pela crescente rejeição política vivenciada pelo governo Prandini dentro do PT monlevadense. Prandini acredita que, filiando-se ao PT, pode, como num passe de mágica, neutralizar sua rejeição dentro do partido e reconquistar a militância para se reeleger prefeito. Não entende o prefeito de João Monlevade que a enorme rejeição que tem sofrido dentro do PT é fruto da completa falta de afinidade política que tem, sistematicamente, demonstrado para com o partido e filiar-se petista, certamente, não vai alterar a natureza trágica de seu governo, pois isso emerge do âmago pessoal. Além do mais, o instituto jurídico da Fidelidade Partidária, que também se aplica aos prefeitos, não permite, a não ser sob pena de cassação, a migração partidária pretendida por Prandini.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Ainda o Desfalque da Prandinet no Orçamento da Educação

Em comentário feito na postagem Orçamento Mínimo da Educação Desfalcado de Um Milhão e Meio da Prandinet é Inconstitucional, o blogueiro Marcelinho, dos blogs Bocão no Púlpito e AMOBIKE, levantou uma questão que coloca, definitivamente, em check o uso de verba da Educação para a implantação da Prandinet:

Caro Amigo Fernando, gostaria de uma explicação quanto à verba da Educação direcionada para a internet gratuita voltada para a Educação, mas, que tem como maior usuário o setor administrativo da prefeitura. Em resumo, dinheiro da Educação usado na Administração. É correto?
Abraços.


Ora, se além de permitir a conexão com sites de relacionamentos, jogos, compras e conteúdo adulto, a Prandinet também provê os setores administrativos da Prefeitura, como o acesso à internet, está, irremediavelmente, descaracterizado o suposto cunho educativo do projeto Internet de Graça do governo Prandini e, em assim sendo, o valor de 1,5 milhão de reais dispendido com sua implementação, não poderia ter saído do orçamento da Educação Pública Municipal.

Trânsito

Está claro que imensa dificuldade que se enfrenta, hoje, no trânsito monlevadense decorre de décadas de falta planejamento viário, da ausência de políticas de ordenamento urbano voltadas para o setor (ciclovias, estacionamentos públicos, descentralização comercial e etc), a vigência de um sistema de transporte coletivo, historicamente, caro e pouco eficiente que não encoraja o cidadão a deixar seu carro em casa e uma espantosa apatia da atual administração, que parece não ter outra solução para o caótico tráfego de veículos no centro da cidade que não seja a inócua Linha Azul. Mas, existe ainda um outro elemento, talvez o mais relevante de todos, que tem contribuído em demasia para o agravamento do problema: a falta de educação, de respeito, de compreensão e de consciência de motoristas e de pedestres em relação ao que deveria ser o trânsito monlevadense. Pra se ter uma idéia, nem mesmo o sinal vermelho dos semáforos se tem respeitado, em João Monlevade. Trânsito é uma questão de coletividade, de cidadania, de respeito às regras, de se abrir mão da comodidade individual para haver a prevalência do interesse coletivo, que em se tratando de tráfego de veiculos e de pedestres, será sempre a mobilidade.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Extrema Direita Monlevadense: o Prandinismo Fascistóide

O quadro ideológico-partidário monlevadense sempre apresentou três elementos políticos bem definidos: a Esquerda (PT e PC do B e aliados), a Direita (PSDB e aliados) e o Centro (PMDB).A grosso modo, podemos definir a Esquerda como progressista, a Direita como conservadora e o Centro como pragmatista. No entanto, apesar de, formalmente, aliado à partidos de esquerda, a administração prandinista não apresenta características que podem ser consideradas de um governo esquerdista. Aliás, não é progressista, nem conservador e muito menos pragmatista. Prandini, na verdade, inaugurou no cenário político local um gênero ideológico-partidário até então desconhecido dos monlevadenses: a Extrema Direita ou o Prandinismo Facistóide, como pode ser chamado mais especificamente. Na administração do prefeito Gustavo Prandini, podemos enxergar, claramente, pelo menos, três características que definem um governo de Extrema Direita, propriamente, dito: o Autoritarismo, o Corporativismo e a Ideologia Oficial. O primeiro, o Autoritarismo, se revela na usual prática prandinista de não consultar sua base, os partidos aliados e seu assessores nas tomadas de decisão, como foi o caso do episódio da doação do Ginásio Li Guerra, por exemplo. O segundo, o Corporativismo, pode ser visto na medida em que na Prefeitura existe um seleto grupo, formado por primos, irmãos, concunhado, sogra, amigos da esposa, outros parentes mais e bajuladores de primeira grandeza, aos quais tudo é permitido, inclusive o favorecimento no uso da coisa pública, como foi o caso da recente terraplanagem no lote do irmão médico. E por último, a Ideologia Oficial, que se faz repleta de outdoors, revistas e jornais fantasiosos, diretamente, inspirados na máxima: "uma mentira repetida mil vezes torna-se uma verdade"(frase de Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda Nazi-Fascista de Adolf Hitler).

quinta-feira, 19 de maio de 2011

O Islã, Rotas de Comércio, Roma, Netuno, Castelos, As Cruzadas, A Igreja e Lutero

O islã é a mais recente das três religiões monoteístas. Surge em 570 dc, com o nascimento de Maomé. Ao contrário de que ensina a história ocidental, é o islã o grande responsável pela queda do império romano. Expansionista e, diretamente, voltado para o comércio, o Islã monopoliza a Rota da Seda, impedindo o comércio entre Roma e o Oriente (China e Índia), levando, como conseqüência, a economia romana aos frangalhos. A partir daí, sem uma base comercial forte, o Império Romano perde sua viabilidade econômica, esfacelando-se, e a Europa se vê na pobreza da Idade Média e na necessidade de se desfazer de um sistema religioso politeísta e, então, obsoleto, composto por um panteão de deuses (Apolo, Netuno, Marte e etc ) para criar uma religião monoteísta capaz de se contrapor, ideologicamente, ao Islã, ao mesmo tempo em que implanta uma rede de castelos destinados a impedir o expansionismo islâmico sobre terras européias. É assim que surge a Igreja Católica Apostólica Romana (católico = castelo). Então, têm início as cruzadas, as brutais guerras de cristãos contra islâmicos com o objetivo de se retomar as rotas de comércio e os entrepostos comerciais entre a Europa e o Oriente, como Jerusalem, por exemplo. Depois de vários anos de derrotas sucessivas e diante da tenacidade islâmica, os cristãos resolvem alcançar o Oriente por via marítima e têm início as grandes navegações. A Europa volta a fazer comércio com o Oriente, restabelece sua base econômica, nesse meio tempo a América é descoberta, inaugurando novas possibilidades comerciais para os europeus e o chamado Velho Mundo se vê, novamente, em meio a prosperidade e como os tempos são outros, não havendo mais a necessidade de um paradigma ético-religioso voltado para a pobreza, como foi necessário na Idade Média, Martinho Lutero reforma a Igreja.

Prandini Longe

Talvez não seja mesmo uma má idéia o prefeito Gustavo Prandini tirar uma férias e se ausentar por 19 dias do Município. Depois de toda a infrutífera dança de cadeiras de seu secretariado, da marcante paralisia administrativa de seu governo, da quebradeira que levou à Prefeitura, da aniquilação de sua base, da interminável crise política em que se meteu, das intermináveis mentiras, engodos, trapalhadas e da tentativa desesperada de apelar aos deuses, envolvendo-se na guerra santa monlevadense, certamente, não parece restar outra alternativa à Prandini, senão a opção de ir para bem longe de João Monlevade, para ver se, na sua ausência, as coisa possam melhorar. E estou falando sério. Quem sabe com Bastieri assumindo, haja mais diálogo e transparência, por exemplo, no caso do reajuste salarial dos servidores? Quem sabe?

A Coisa Está, Literalmente, Prandinesca!

Apesar de toda ineficiência, crises, trapalhadas e polêmicas geradas pelo governo Prandini, o monlevadense não se deixa abater e montra que consegue extrair humor e ser irreverente nas situações mais adversas. Imaginem só que, ontem, ao passar pela Getúlio Vargas, encontrei-me com um amigo que, inclusive, foi apoiador do atual prefeito nas últimas eleições municipais. Como de costume, o cumprimentei e perguntei como estavam as coisas, se estava tudo bem e etc. E ele, sem pestanejar, rápido como uma bala, respondeu: “a coisa tá prandinesca!” Calei-me para refletir sobre aquela resposta inesperada e antes que eu pudesse abrir a boca, ele foi logo emendando: “o Galo perdeu, a Don-Maria terminou comigo e o patrão me demitiu. Tá russo! Tá brabo! Tá prandinesco!” Depois de rir um bocado e de recomendar um banho de água benta, pude perceber como toda essa difícil experiência imposta à cidade pela administração de Gustavo Prandini tem se sedimentado, tão vigorosamente, no imaginário da população, a ponto do senso comum criar um vocábulo enraizado no nome do prefeito, passando a usá-lo para definir uma situação de dificuldade ou de adversidade. É a chamada sabedoria popular que vai criando os neologismos lingüísticos, conforme a vivência coletiva .


PS. Um outro que nos observava ainda perguntou se prandinesco e draculesco significavam a mesma coisa.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

José Henriques Comenta: Moreira e o Hospital da Santa Madalena

Blog UglyDarkSide:

Ter 2 hospitais em Monlevade não é responsável. Primeiro, a questão dos repasses financeiros. O Margarida obrigatoriamente tem que manter 70% do atendimento ao SUS. E o Santa Madalena, 100%. E, se seguir o mesmo modelo da falta de credenciamento por parte da Vigilância Sanitária e Ministério da Saúde, terá que bancar 100% dos custos, como fez e faz com o PA e diversos postos de saúde.
Existe uma demanda importante, que nunca é estudada corretamente, por melhorias nas áreas de serviços de Oncologia. Hoje, se trata de oncologia ou no Vale do Aço ou em BH. Se me cabe ter uma visão de longo prazo, transformaria o Santa Madalena numa unidade oncológica. O problema é: Com a quantidade de dinheiro que se gastou no puxadinho do antigo terminal rodoviário, aquilo ainda irá afundar e muito a sanidade dos gestores financeiros da prefeitura.
O Santa Madalena não nasceu Hospital. Quiseram transformar em Hospital algo que como rodoviária atendia de maneira irregular, mas atendia. Fizeram “engenhocas” e “traquitanas”, drenagens e mais drenagens, que torraram dinheiro que não será recuperado com o uso do imóvel. Não souberam ou não quiseram realmente entender que um hospital não é apenas uma vontade política, mas um estudo técnico e profissional que deve ser feita de maneira desapaixonada. Fizeram a obra, no meu ver, sem medir os impactos de médio e longo prazo, nem as consequências daquilo para o município e região.
Os argumentos que mais me afligem é a capacidade de, baseado numa paixão (uma idéia), esquecer totalmente o que é racional e bem pensado e colocar em prática a visão de um administrador, que pensa: no pior cenário econômico, como vou manter o hospital? Se eu não conseguir plantonistas, como vou atender a população? Como vou buscar sustentar um laboratório, se preciso pagar a iniciativa privada uma parte porque não consigo atender a demanda dos postos de saúde?
Basta ver a realidade dos hospitais que só atendem ao SUS pelo Brasil, para constatar que o modelo é caro. Se não fossem os hospitais filantrópicos, milhares já teriam morrido. Mas tem gente que ainda não racionaliza os custos de uma casa de saúde a médio e longo prazo. Curto prazo, tem gente que realmente pensa (alguns até em questões de minutos), mas longo prazo, ish! Tem poucos que se propõe a este desafio!
E, Fernando, vamos subindo a montanha!

Moreira e o Hospital da Santa Madalena

Considerando o quadro político-administrativo catastrófico em que se encontra a atual administração, não vi maiores surpresas na entrevista concedida pelo ex-prefeito Carlos Moreira à edição de sexta feira passada do Jornal A Notícia. Para a oposição, Prandini é um prato cheio. No entanto, chama a atenção a insistência de Moreira em implantar um segundo hospital na cidade. O que Moreira chama de Hospital Santa Madalena e Prandini disse que seria um Centro de Especialidades Médicas constitui, na verdade, o maior caso de desperdício e de irresponsabilidade com o dinheiro público da história de João Monlevade. Ninguém sabe ao certo quanto já foi gasto naquele monstrengo que desafia toda a regulamentação da Anvisa (Resolução Anvisa nº 50/2002) aplicada à construção de casas de saúde. De acordo com estudos da respeitada Fundação Getúlio Vargas, o custo médio de implantação de um amplo (cem metros quadrados por leito) e bem equipado hospital de cem leitos é R$ 17.495.000,00. Estima-se que no prédio adaptado da antiga rodoviária já foram gastos mais de R$ 20.000.000, 00 e, absurdamente, ainda falta muito (quase tudo) para que aquele frankenstein de concreto se transforme num verdadeiro hospital. Isso, sem se considerar o custo de operação. Hoje a Prefeitura gasta nada menos que R$ 800.000,00 para manter aquele trambolho funcionando apenas com o PA e alguns escritórios da Secretaria de Saúde. Ainda há a questão do repasse municipal, sem o qual Hospital Margarida não consegue manter em funcionamento seu Pronto Socorro. Futuramente, a Prefeitura também terá que contribuir com o custeio do novo CTI do Margarida. Falar em segundo hospital para a cidade, enquanto reina a ineficiência no setor e pairam incertezas e dificuldades para se manter apenas um, demonstra que o projeto político que Moreira tem para Monlevade já se encontra esgotado ou, no mínimo, não possui consonância com a realidade do Município. O ex-prefeito Carlos Moreira deveria entender que a enxurrada de processos que responde na Justiça é conseqüência, em sua grandíssima maioria, do uso indevido de recursos públicos. Seguir insistindo em inconseqüências administrativas é continuar a pavimentar o caminho para a suspensão dos direitos políticos e para a inelegibilidade. Passo a bola técnica ao amigo blogueiro José Henriques, do UglyDarkSide.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Orçamento Mínimo da Educação Desfalcado de Um Milhão e Meio da Prandinet é Inconstitucional

Prandini, ao contrário de seu antecessor (lembra daquele maniqueísmo, Célio Lima?), desde que teve a oportunidade de elaborar a Lei Orçamentária do Município, vem destinando para a Educação Municipal a aplicação constitucional mínima de 25% da receita prevista, anualmente. E é esta, a meu ver, a mais explícita e concreta comprovação de que o atual prefeito foi o protagonista do maior e mais vergonhoso projeto de engodo e de estelionato eleitoral da história de João Monlevade, pois ninguém que se pretenda, verdadeiramente, “mudar o que tem de mudar”, alcançará seu objetivo, investindo apenas o mínimo legal no Setor Público da Educação. O mínimo da Constituição é muito pouco. Não é por menos que é considerado, literalmente, como o mínimo! Países desenvolvidos não investem menos de 8% do PIB em Educação. Com o mínimo constitucional de 25% da receita dos estados e dos municípios e de 18% da receita da União somados, o Brasil não tem alcançado 4,5 % do PIB em investimento na Educação. E é claro que o Município tem de fazer sua parte. Se Prandini, realmente, pretendesse mudar alguma coisa nesta cidade, como dizia seu eslogan de campanha, teria dado, obrigatoriamente, continuidade ao processo de sucessivos aumentos no percentual do orçamento da Educação do Município, praticados pelos seus antecessores, visando sempre o aprimoramento da qualidade educacional e a verdadeira reformulação necessária ao setor. Nada mudará, sem que haja uma ampla revolução na Educação pública. E para isso é necessário, pelo menos, o dobro de recursos que se tem, hoje. Mas, como se não bastasse investir apenas o mínimo, Prandini agora traveste e maquia um projeto para que pareça ser de cunho educacional, atacando o já mínimo orçamento da Educação para oferecer internet de graça aos internautas da cidade, quando, na verdade, de educativo não tem nada, pois permite o acesso a sites de compra, de jogatina, de redes de relacionamento, de conteúdo adulto e etc. Ora, se não possui natureza educacional, a Prandinet não poderia, legalmente, ser implementada com recursos do setor. E se isso está ocorrendo diante da prática do piso constitucional, ainda existe o agravante de que o governo Prandini está desfalcando o mínimo orçamentário com o valor de 1,5 milhão de reais dispendido com a Prandinet. Em outras palávras, Prandini está investindo na Educação um valor aquém do previsto no art. 212 da Constituição. Como diria o Rapadura, com a palavra, o Ministério Público.

Líder do Governo Recomenda Estratégia contra Lábia de Prandini

Na última reunião ordinária da Câmara, após ouvir uma serie de reivindicações do presidente do Diretório Acadêmico da Uemg, que, no uso da tribuna popular, lamentou o impasse surgido diante da promessa de Gustavo Prandini em doar o Ginásio Li Guerra para a implantação de laboratórios na Universidade, o líder do governo na Câmara, o vereador Vanderlei Miranda, pediu a atenção dos estudantes para o novo convênio que será realizado entre a Uemg e a Prefeitura e sugeriu a inclusão de uma cláusula que obrigue o prefeito a cumprir os compromissos assumidos com a instituição de ensino superior. Dá pra acreditar? O próprio líder do prefeito, recomendando uma estratégia jurídica para que estudantes não sejam vítimas da lábia vazia de Prandini? Atestado de mentiroso maior que esse eu desconheço.

Prandini de Malas Prontas para a Europa

Em meio às turbulentas negociações da data base dos servidores públicos com o Sintramon, Prandini surpreende e anuncia que está de malas prontas para passar 15 dias na Europa. O chefe do Executivo viaja dia 19 para o Velho Mundo, quando assumirá o comando do Município o vice, Wilson Bastieri. De duas, uma: ou o prefeito pensa que, como num passe de mágica, sua ausência pode arrefecer os ânimos dos servidores ou está armando uma manobra pra cima de algum partido.

Engodo do Dia

“A Prefeitura Também apóia os servidores e a manifestação é legítima. Isto demonstra que PT e PV estão unidos em defesa dos trabalhadores.”


Frase do assessor de governo e comunicação Emerson Duarte, extraída da edição de hoje do jornal A Notícia, em comentário a respeito da nota de apoio aos servidores públicos distribuída pelo Partido dos Trabalhadores

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Prandini Trai o PT Novamente

Muito se cogita nas rodas políticas monlevadenses a respeito da posição petista em relação a governo Gustavo Prandini. Alguns dizem que o PT está rachado, outros que a ruptura com o governo é eminente e etc. No entanto, a verdade é que, politicamente, Prandini já rompeu com o PT há muito tempo e poucos parecem perceber isso. Eu, particularmente, acredito no PT porque, em oportunidades passadas, nos governos Leonardo e Laércio, o partido demonstrou a capacidade de promover uma administração aberta, democrática, transparente, participativa, planejada e eficiente. É o que eu chamo de Escola Político-Administrativa Petista Monlevadense. Quando vi se formar a aliança PT/PV, em 2008, acreditei que estava diante do melhor de dois mundos. Ou seja, teríamos à frente da Escola Petista, um jovem com sede de mudança, sem as amarras da velha política tradicional e progressista. Mas, infelizmente, não foi o que ocorreu. Uma vez eleito, Prandini se isolou em seu gabinete e deu início a seu império de trapalhadas, virando as costas para tudo e para todos que, acreditando em suas promessas, o elegeram prefeito. E o Partido dos Trabalhadores não fugiu à regra. Também foi traído de várias formas, implícitas e explícitas. Implícita foi quando Prandini não permitiu que, conjuntamente ao PV, o partido implementasse o projeto político que tem para o Município: a chamada Escola Petista. Explícitas foram quando Prandini, sem consultar a base petista, demitiu vários companheiros do PT, não apresentou apoio a candidatos petistas nas eleições para deputado estadual ou federal, fechou a sub-prefeitura do Cruzeiro Celeste e, principalmente, quando, recentemente, apresentou a proposta ultrajante de apenas conceder aumento para o funcionalismo público, mediante a adoção de um estatuto da classe e, consequentemente, a extinção de vários direitos trabalhistas dos servidores municipais. Para aqueles que aguardavam a comprovação final de que o prefeito Gustavo Prandini não possui a menor afinidade política com o Partido dos Trabalhadores, o momento é agora. Um partido que nasceu da luta pelos direitos dos trabalhadores não pode continuar de joelhos diante desse prefeito esquizofrênico e mentiroso.

domingo, 15 de maio de 2011

Descaso Com o Patrimônio Histórico de Catas Altas



Compondo uma das paisagens mais pitorescas e representativas de Minas Gerais, A Capela Santa Quitéria de Catas Altas, tombada por lei municipal, encontra-se em péssimo estado de conservação. Construída na segunda metade do sec. XVIII por uma irmandade religiosa de escravos alforriados, a capela setecentista, foi palco local do maravilhoso sincretismo que ajudou a fundir elementos da cultura africana com a portuguesa, originando temas que moldaram o jeito de ser do Mineiro, como o Congado e Folia de Reis, que serviram de pano de fundo para toda uma originalidade que mais tarde viria se manifestar na culinária, na musicalidade, na mestiçagem, na liberdade das alforrias e em tantos outros elementos tão típicos das Minas de Ouro. Localizada no complexo geológico do Espinhaço, ao lado do fraldão leste da majestosa Serra do Caraça, a importante construção histórica tem sofrido com o descaso das autoridades constituídas: existem avarias nos esteios do pé-direito, no telhado, no reboco das paredes e o aspecto da pintura é de um prédio em abandono (foto abaixo). Vergonha para a Prefeitura de Catas Altas e tristesa para nós, mineiros.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Nota de Opoio do PT aos Servidores

NOTA DE APOIO AOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS MUNICIPAIS



O Partido dos Trabalhadores nasceu da luta em defesa dos direitos dos trabalhadores em todos os segmentos da sociedade brasileira.
Através das suas lutas e conquistas, no decorrer dos 31 anos de existência, é que torna notório o apoio aos funcionários públicos municipais, SINTRAMON.
O Partido dos Trabalhadores de João Monlevade por meio de seu Diretório Municipal manifesta e reafirma o apoio à continuidade de manter viva a solidariedade e a prática das ações que inspiram a sua criação, ideologia e fundamentos pela valorização dos trabalhadores de João Monlevade.

João Monlevade, 13 de maio de 2011.

Diretório Municipal do PT


13 de Maio de 1888: Abolida a Escravidão no Brasil



Missa celebrada no Rio de Janeiro, em 17 de maio de 1888, em Ação de Graças pela Abolição da Escravatura. Destaque para a presença ilustre da Princesa Isabel, no alto do circulo de pessoas, à esquerda(clique para ampliar).

Festa do Vinho, Catas Altas


Acontece neste fim de semana, talvez o melhor evento da região, a Festa do Vinho de Catas Altas. Catas Altas integra o circuito da Estrada Real e é uma das cidades históricas de Minas, que vivenciaram em profusão o ciclo do ouro, a partir do séc. XVIII. Terra do excêntrico e riquíssimo Barão de Catas Altas ,de quem Jean de Monlevade desposou a sobrinha, Clara Sofia de Sousa Coutinho, o município conta com representativo patrimônio histórico-arquitetônico, no qual se destacam a Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, a Capela Santa Quitéria, o Aqueduto Quebra-Ossos, entre outros, além da belíssima paisagem da Serra do Caraça. E é claro... muita gente bonita, música, artesanato, a tradicional culinária mineira, o romantismo das noites frias de outono e o bom e velho vinho de jabuticaba, que sempre encontra seu lugar no final da madrugada... bem no final.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Leitor Comenta: Recurso da Educação para Jogatina, Compras e Conteúdo Adulto na Prandinet II

Fernando,você tocou um assunto que vai ser o calcanhar de aquiles desse projeto, o gerenciamento do trafego é uma parte muito complexa de fazer, é fácil bloquear os blogs, mas sites de conteúdo adulto de jogos (poquer online) e outros temas como pedofilia, ações de discriminação são muito difícil de se bloquear pois não seguem um padrão, você bloqueia um site hoje e outros 10 estão no ar amanha. Um projeto com recurso da educação não pode permitir tais acesso. Para controlar isso tem jeito mas é necessário pessoal e sistemas preparados para tal tarefa.
Interessante também é que como um projeto educacional fornece acesso a orkut, twitter e facebook entre outras redes sociais. Como um projeto da educação pode dá acesso a serviços que nem os próprios desenvolvedores tem controle total e qual será o ganho educacional ao acessar tais serviços?
Tirando o problema da falta de acesso que com o tempo e os devidos testes será resolvido, o acesso a conteúdos indevidos é que será o grande problema desse projeto, veremos ainda muitas postagens falando sobre esse tema.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Recurso da Educação para Jogatina, Compras e Conteúdo Adulto na Prandinet

Parei o carro, hoje, ao lado da Secretaria de Trabalho Social e, finalmente, consegui acessar a Prandinet, pois daqui, de onde trabalho, no número 911 da Av. Wilson Alvarenga, centro de Carneirinhos, foram numerosas e infrutíferas as tentativas de conexão com o projeto Internet de Graça. Más, a preocupação maior em relação à Prandinet me parece estar na origem dos recursos para a implantação do projeto e não na sua efetividade. Apesar da falta de transparência comum ao governo Prandini, já parece um consenso de que tais recursos são oriundos do orçamento da Educação Municipal. A grande questão, agora, é saber se Prandini estaria autorizado, legalmente, a empenhar 1,5 milhões de reais do Setor da Educação do Município na implementação da Prandinet, que, pela experiência que tive hoje, parece estar longe dos moldes de um projeto, verdadeiramente, educacional e, portanto, desvinculado do orçamento da Educação. Todos sabemos que a internet pode ou não ser usada para a educação. Para que a Prandinet se enquadre como um projeto, essencialmente, educacional, é necessário que, traves dela, se tenha acesso apenas a conteúdo cognitivo, voltado para o aprendizado e a formação do internauta. No entanto, a internet de graça do governo Prandini, como pude constatar, hoje, permite a conexão com sites de jogatina, de compra dos mais variados produtos, de relacionamento, de conteúdo adulto e de tudo mais que se pode encontrar na Web, com pouquíssimas exceções. E convenhamos, tais conteúdos não podem ser considerados como parte integrante de um projeto educacional. O que está acontecendo é que o gabinete prandinista está maquiando um projeto que poderia ser educativo, mas da forma em que foi concebido não o é, para se valer da verba da Educação, o que é inaceitável. Em outra palavras, está comprometendo o já insuficiente orçamento da Educação, o que, certamente, implicará em piores condições educacionais no Município, para implementar um projeto que não é essencialmente educativo, contrariando preceitos constitucionais. Claro que o internauta espera que a Prandinet permita acesso a todo o conteúdo da internet convencional, pois assim foi prometido na campanha. Mas, não venha usar uma verba que deveria ser destinada aos salários dos professores, à abertura de vagas nas escolas, à qualidade da educação e etc, para cumprir uma promessa de campanha de natureza não educacional. Isso a Constituição não permite.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Pacto Umbilical Tem Nova Vítima

Pra quem ainda não sabe, Pacto Umbilical é aquele modelo que vigora na Prefeitura, através do qual o assessor de comunicação e de governo Emerson Duarte toma, exclusivamente, as decisões políticas e administrativas e Prandini, automaticamente, assina em baixo. A mais nova vítima do Pacto Umbilical é o Secretário de Esportes do governo prandinista, Gentil Bicalho, que nem sequer foi ouvido pelo prefeito na decisão governista de adaptação do Ginásio Esportivo Li Guerra em um laboratório. De acordo com funcionário da Secretaria de Esportes, o terreno em que foi construído o Ginásio foi doado pela família de Gentil Bicalho ao Município, para que ali fosse construída, especificamente, uma estrutura com fins desportivos. Gentil, que também é filiado ao partido do prefeito (PV), agora busca na Câmara o apoio para a conservação da finalidade desportiva do ginásio Li Guerra. É mais um exemplo que explica a razão de Prandini ter perdido tantos aliados, desde que foi eleito prefeito.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Vergonha!!! 30 Anos do Processo de Desapropriação do Aeroporto de Confins

Em, julho de 1978, o Estado de Minas Gerais desapropriou para fins de implantação do Aeroporto Metropolitano de Belo Horizonte (Aeroporto de Confins) uma série de terrenos rurais localizados no municípios de Lagoa Santa e de Pedro Leopoldo. Em 1980, teve início a ação judicial em que se contestou o valor aviltante depositado pelo estado em relação aos bens desapropriados. No ano passado, depois de numerosos recursos e manobras protelatórias, a dita ação completou 30 longos anos de tramitação e, apesar, de condenado em segunda Instância, o Estado de Minas ainda não havia se dignado em pagar aos antigos proprietários, muitos deles já falecidos nessa últimas três décadas, a indenização justa pelos imóveis. Como tenho interesse familiar na causa, em dezembro de 2010, como parte das comemorações pelo Jubileu de Pérola do processo em questão, formulei e aviei uma representação contra o Estado Brasileiro à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA), por violação do Pacto de San Jose da Costa Rica, que prevê o direito à solução em prazo razoável(média de 5 anos) dos processos judiciais. Em março deste ano, recebi a esperada comunicação da CIDH que o estudo preliminar sobre o caso havia se iniciado. Trinta dias após, recebi o comunicado de que o Itamaraty havia tomado ciência do caso. Em 14 de abril, surpreendentemente, depois de 30 anos de processo e 32 da desapropriação, o judiciário resolveu expedir o precatório para o pagamento da justa indenização. Como dizia um dos antigos proprietários: no Brasil, se agente não der um empurrãozinho, as coisas não andam. Vergonha!!!

Diferença do Antiético e do Imoral

Infelizmente, moral e ética podem ser coisas muito diferentes. Enquanto a moral é objetiva, a ética pertence ao subjetivismo coletivo e pode ser encarada como um elemento cultural de um povo. Segundo a definição do Mestre Budista Dalai Lama,“ imoral é tudo que se faz prejudicando outro alguém”. Já a Ética, esta varia de cultura para cultura. É relativa. No Paquistão, por exemplo, é ético se condenar a adúltera ao apedrejamento público. Ou seja, o povo paquistanês aceita aquilo como justo ou razoável e, portanto, como ético. Para nós, brasileiros, tal medida seria encarada como absurda e, por conseguinte, como antiética. No entanto, em países como Japão e EUA, a máxima do “político que rouba, mas faz” é encarada como inaceitável e, consequentemente, como antiética. Já no Brasil não é assim: o povo ainda aceita e vota em políticos que “roubam, mas fazem”. Em outras palavras, “roubar e fazer” é ético para a política brasileira. Na Alemanha uma rodovia que matasse cerca de 350 pessoas por ano, como a nossa BR-381, seria, automaticamente, considerada como uma situação inaceitável e antiética. Aqui em terras tupiniquins faz parte da normalidade e do cotidiano, sem gerar maiores conseqüências. Morrer na BR é ético, por mais absurdo que possa parecer. Países que alcançaram altos níveis de desenvolvimento humano, somente, o fizeram, depois que aproximaram o antiético do imoral. Significa dizer que aquilo que é considerado imoral também deve ser visto como antiético.

Prandini Violenta a Liberdade de Expressão e Censura Blogs


Como já faz parte do folclore político local, é muito difícil para o prefeito Gustavo Prandini (foto) se envolver em algo, sem gerar bastante polêmica. A bola vez parece ser o projeto Internet de Graça, batizado pela irreverência do monlevadense como Prandinet. Há alguns dias, o Blog Pitáculo vem noticiando que blogs considerados de oposição estão sendo censurados pelo governo prandinista e não podem ser acessados pela Prandinet, que custou um milhão e meio de reais do orçamento da Educação Municipal. Seriam eles os Blogs Rapadura, O Popular, Pitáculo e o Monlewood. É mais um ato vergonhoso do prefeito autoritalóide, que promete dar pano pra manga e gerar ainda mais polêmica. Depois os jornais da cidade trazem na capa manchetes do tipo: “Prandini Violenta a Liberdade de Expressão” e o prefeito vai dizer que está sendo perseguido pela imprensa marrom.

domingo, 8 de maio de 2011

Às Mães

Eu, que tenho acompanhado de perto o desdobrar de uma maternidade gemelar, que completou quatro meses há poucos dias, me arisco dizer que ser mãe é, essencialmente, se entregar a uma série de milagres maravilhosos, que se inicia no momento da concepção, passa pelos noves meses de gestação, pela boa hora do parto, pelo amparo, pelo quase inexplicável fenômeno da amamentação, em que seu próprio sangue se transforma no leite que nutre, numa espécie de repetição da sagrada parábola em que água se se transformou em vinho, seguindo pelo vida a fora, sem ter fim. Às mães os meus parabéns.

sábado, 7 de maio de 2011

Email de Leitor: Gongo Soco

Boa noite!

Fernando sou morador de Caeté, estudo História e trabalho na Vale onde fica a fazenda de Gongo Soco, ao ver as ruínas da casa grande dos portões etc, Me bateu uma angústia em querer saber como era aquele lugar, se havia senzala etc.. Encontrei seu blog por acaso e quando vi uma marcação Fazenda de Gongo Soco, imediatamente cliquei e pude ler a sua matéria, quando me surpreendo por uma fotografia de 1913 suponho eu que seja a casa grande, fiquei admirado e em extase na mesma hora coloquei a foto atual ao lado da que está postada em seu blog. Agora eu me pergunto porque não preservaram essa riqueza, quantas coisas devem estar soterradas naquele lugar que está repleto de história. Estou lhe enviando em anexo as fotos que tirei das ruínas, caso você tenha outras fotos e não se importar de compartilhar comigo lhe agradeço,

Como diz minha professora " A História nos gera angústia".

Carta das Vilas Tricentenárias de Minas Gerais: 300 Anos de Ouro Preto, Mariana e Sabará

As três primeiras Vilas de Minas Gerais – Villa do Carmo/Cidade de Mariana, Villa Rica/Cidade de Ouro Preto e Villa Real de Nossa Senhora da Conceição do Sabará/Cidade de Sabará – unem-se para a comemoração do ano do tricentenário de sua fundação, pelo Governador Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, em 1711.
Governador Capitão-General da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, residindo oficialmente no Palácio da Encardideira, em Ouro Preto, Albuquerque empenhou-se na pacificação dos arraiais mineradores, sob o império da Coroa portuguesa. Para tanto, no ano da graça de 1711, foram criadas a Villa do Ribeirão do Carmo, no dia 8 de abril, a Villa Rica de Nossa Senhora do Pilar, no dia 8 de julho, e a Villa Real de Nossa Senhora da Conceição de Sabará, no dia 17 de julho.
O ato de criação da Vila, título hoje correspondente ao de Cidade, constituía-se da outorga da carta do Governador e eleição e posse da Câmara Municipal, com seus Vereadores Juízes escolhidos entre os “homens bons”, erigindo-se, em seguida, na praça maior, o símbolo da autoridade municipal, o pelourinho, ainda conservado apenas em Mariana.
As comemorações dos 300 anos têm início solene, na abertura do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana de 2010, no Centro de Artes e Convenções do Parque Metalúrgico, da Universidade Federal de Ouro Preto, em 8 de julho de 2010.
As três primeiras Municipalidades de Minas Gerais, por suas Câmaras de Vereadores e Prefeituras, comprometem-se a celebrar, a partir de hoje, com a mais ampla participação das comunidades e em fraterna cooperação, o glorioso ano jubilar, a ser encerrado nos respectivos aniversários, em 2011.
As três matrizes da cidadania mineira convidam a todos para as comemorações, que visam a união dos Municípios tricentenários, a preservação da arte, da história e do folclore que neles demarcam notável patrimônio, e a valorização da vida social, cultural e política de seus Munícipes, a fim de renovar-lhes o compromisso original com a causa da justiça, da liberdade e do progresso, princípios que forjaram a identidade do povo de Minas no processo da construção do Brasil.

Ouro Preto, 8 de julho de 2010.

Raimundo Horta
Prefeito de Mariana

Edson Agostinho Castro
Presidente da Câmara Municipal de Mariana

Angelo Oswaldo de Araújo Santos
Prefeito de Ouro Preto

Júlio Ernesto de Grammont Machado de Araújo
Presidente da Câmara Municipal de Ouro Preto

William Lúcio Goddard Borges
Prefeito de Sabará

José Antônio de Lima
Presidente da Câmara Municipal de Sabará

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Socorro Asfáltico

Depois de todo engodo, trapalhadas, polêmicas, crise política, paralisia administrativa e, principalmente, depois do engessamento da máquina pública resultante da quebradeira que ele mesmo levou ao caixa da Prefeitura, Prandini esteve, recentemente, na capital mineira com o pires nas mãos, a procura de dinheiro para asfalto, numa última tentativa de levantar o moral de sua popularidade. Como a inaceitável propostas de faturar sobre a dilapidação dos terrenos públicos vai dando felizes sinais de arrefecimento, por conta do envolvimento do prefeito na chamada guerra santa, Prandini teve que tomar emprestado 5 milhões de reais do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, que serão pagos pelo próximo prefeito, ou seja, contraiu mais dívida. Agora é esperar pra ver que sorte de tropeços alguns quilômetros de asfalto podem produzir nas mãos de quem nasceu para a polêmica. Peço aqui ajuda à Bola de Cristal do Drops.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Campanha Do Desarmamento

Como sempre, o Brasil comete o equívoco de abrir mão do planejamento e da execução racional de políticas públicas duradouras para agir à toque de caixa, no imediatismo do calor dos acontecimentos e, portanto, sob o perigoso efeito das passionalidades. A bola da vez é a nova campanha do desarmamento que foi antecipada pelo governo federal, em conseqüência do terrível massacre da Escola de Realengo, no Rio de Janeiro. Isso me faz recordar, entre outras, a cinematográfica incursão da polícia carioca, no início do ano, ao Complexo de Favelas do Alemão, onde se estimava haver cerca de 300 fuzis nas mãos da bandidagem. O morro foi ocupado com estardalhaço da mídia e fuzil que é bom, nada. Outro dia ouvi um especialista afirmar que a cada 1% de armas recolhidas, se diminui em 3 % o índice de homicídios. Muito bom! Mas, o país deve encarar o problema de forma planejada, integrada e a longo prazo, controlando fronteiras, portos, aeroportos, rodovias, fabricantes e, principalmente, instituindo instrumentos de controle de armas que atinjam a bandidagem. Porque este que vem por aí só afeta ao cidadão de bem.

Sinval: "Má Administração é Culpa do PT" (Assista ao Vídeo)

video

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Justiça Condena Zezinho Despachante a Reintegrar Parte de Terreno de Médico

A secretaria da Segunda Vara Cível da Comarca de João Monlevade acaba de certificar o trânsito em julgado (ou seja, não cabe mais recurso) da sentença prolatada pelo Juiz Evandro Cangussu que condenou Zezinho Despachante a reintegrar o médico Getúlio Garcia na posse de parte do lote que possui na Rua Calafate, no Bairro Lucília. Em meados de setembro de 2007, a pretexto de criar algumas galinhas, Zezinho Despachante instalou de forma unilateral uma cerca de arame entre o terreno de sua residência e o lote de terras de propriedade do médico Getúlio Garcia. No entanto, a dita cerca acabou por avançar pelo terreno do médico, subtraindo 42 metros quadrados de sua área original. Inconformado coma a situação, Garcia procurou o nobre vereador para resolver a questão. Mas, foi recebido com palavras grosseiras e abrutalhadas. Então, este blogueiro, em agosto de 2008, ingressou com uma ação de reintegração de posse com pedido liminar contra o edil local, que foi, prontamente, acatada pela Justiça, determinando a imediata retirada da cerca. Em setembro de 2010, já em sede de sentença, Zezinho Despachante foi condenado a reintegrar o terreno do médico, sob pena de multa diária. Da decisão não cabe recurso.

terça-feira, 3 de maio de 2011

“N” Vezes sem Juros

Existe uma prática, largamente, difundida no comércio monlevadese, que chega à beira do abuso e do absurdo. Comerciantes locais insistem em cobrar o mesmo preço pela compra feita a vista e pela feita a prazo, garantindo com a cara mais lavada que, no caso da segunda, não há juros. Alias, sempre que os preços à vista e a prazo se igualam, os juros estão presentes nas duas modalidades de compra. Não existe venda a prazo sem juros. Logo, o preço do produto à vista deve ser sempre menor do que o valor cobrado a prazo. E a grande maioria dos comerciantes locais parecem não entender isso, ou, pelo menos, fazem de desentendidos. A equiparação de preços significa que o consumidor está comprando duas coisas ao mesmo tempo, seja à vista ou a prazo: o bem de consumo que se pretende obter e os juros creditícios que o fornecedor está embutindo de forma velada e desonesta na venda. Não existe venda a prazo sem juros. Eles sempre estarão embutidos nas parcelas a serem pagas. Assim, não há que se falar que a compra é feita em “n” vezes sem juros. Quando houver igualdade entre os preços à vista e a prazo, havendo interesse pela primeira modalidade, exija desconto. No caso de se dividir o pagamento em até três vezes, reclame um desconto mínimo de 5%. Entre três e cinco vezes, exija desconto entre 6 e 10%. E assim por diante. Se a opção for pela segunda, confira se os juros não são abusivos. Você pode usar como paramento os juros do credito pessoal (2,6% ao mês: Caixa Econômica Federal).

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Vaiado de Novo

Texto do Blog Popular afirma que o prefeito Gustavo Prandini foi, novamente, vaiado em público no Estádio Luis Ensch. Desta vez, foi durante a finalização do show do Padre Fábio de Melo, que, ao agradecer a presença das autoridades locais, evocou a pessoa do chefe do Executivo monlevadense, provocando vaia geral. O presidente da Fundação Casa de Cultura, Marcos Martino, logo se alvoroçou em defender seu patrãozinho, desmentindo o ocorrido, em réplica publicada no Blog Cenários. Ontem, em solenidade realizada no Sindicato dos Metalúrgicos em comemoração ao Dia do Trabalhador, o prefeito Gustavo Prandini sofreu nova vaia. Ou seja, foi vaiado dentro de um próprio reduto político-eleitoral. Como já escrevi antes, a realidade fora do gabinete é dura.