Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Ex-Aluno do Caraça Comenta Origem do Incêndio de 1968


Sob o ponto de vista da formação político-filosófica, o Colégio do Caraça é uma das mais importantes instituições do Brasil e de Minas. Para Minas Gerais, ele é considerado matriz essencial da chamada mineiridade. Nenhum outro centro de formação brasileiro ostenta uma lista de 120 ex-alunos que foram, todos, deputados por Minas e por vários outros estados, deputados dos governos centrais, senadores, governadores e vice-governadores de diferentes regiões do país, presidentes e vice-presidentes da República, como faz o Caraça. Isso sem falar de outros tantos ex-alunos que foram figuras de extrema importância para Minas e o Brasil e não fazem parte desta lista por se dedicarem a áreas fora da política.
O Caraça era, sobretudo, Escola de Filosofia e berço do chamado Humanismo Mineiro. Para se ter ideia do que isso representa, basta saber que nos anos que antecederam a assinatura da Lei Áurea, em 1888, o Caraça foi pródigo na produção de deputados, todos abolicionistas convictos. O Caraça também teve papel fundamental na difusão das idéias modernistas que levaram o país ao forte movimento de urbanização vivenciado, a partir da década de 1930, além de outros.
Na madrugada de 28 de maio de 1968, ano mais conturbado da Ditadura Militar, um grande incêndio atingiu a Biblioteca do Caraça, uma das mais importantes da América Latina, na época. Um fogareiro elétrico esquecido ligado na encadernação, cômodo que era usado para o restauro dos livros, ficou como causa da tragédia que encerrou as atividades do Colégio e que só não foi pior, porque, dos cerca de 85 alunos que dormiam no alojamento acima da Biblioteca, todos se salvaram.
Agora, quase 50 anos depois, o ex-aluno Antônio de Assis Martins Quintão, matricula 2194, presente no momento da tragédia, afirma no vídeo anexo que o incêndio não poderia ter começado na encadernação.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Moreira no Margarida


É preciso que a comunidade acompanhe de muito perto o que vem ocorrendo no Hospital Margarida. Esse desmonte apressado e nebuloso da diretoria do Margarida após a derrota tucana no governo de Minas pode aprofundar ainda mais a crise já instalada.
Recentemente, ventilou-se a possibilidade de Carlos Moreira assumir a gerência do Hospital. Não passou de episódio engendrado pelo próprio Moreira para tentar atrair os holofotes da mídia para si, em mais uma de suas manobras autopromocionais de quem se encontra com o nome muito desgastado. Rejeição grande Moreira também tem dos médicos, a quem o ex-prefeito definiu de “máfia de branco”.  Moreira não tem a menor possibilidade de assumir o comando do Hospital porque ele se encontra com os direitos políticos suspensos e, portanto, não pode gerir recursos públicos. Além do mais, nas dezenas de ações por improbidade administrativa que coleciona, Moreira já foi condenado a estar impedido de contratar com a administração pública, direta ou indiretamente.    
Ainda mais, em passado recente, Moreira já demonstrou sua incapacidade para gerir a Saúde Pública Monlevadense, porquanto é o pai do pretenso Hospital Santa Madalena, improvisado e inacabado no prédio da Antiga Rodoviária, ao dispêndio de 22 milhões de reais de recursos públicos. Fosse o Brasil um país sério Moreira estava na cadeia!
Essa história de que ocupantes de cargos comissionados do governo tucano derrotado, procedentes da GRS de Itabira, serão remanejados para o Margarida é, igualmente, preocupante, pois demonstra que o Hospital se manterá como cabide de emprego e palanque tucano, coisa que tem feito Louis Ensch se debater em seu túmulo, no Cemitério Histórico de Monlevade.       

É preciso agora que toda a comunidade abrace o Hospital de Louis Ensch. É preciso que as entidades organizadas tenham sua voz dentro de tão importante Casa.   

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Os Próximos 50 Anos

       
É claro que Monlevade precisa planejar o seu futuro, principalmente, com relação ao processo de verticalização que tem vivenciado nos últimos anos e suas vocações regionais. Mas, para quem anda se perguntando “como serão os próximos 50 anos de João Monlevade”, Guilherme Nasser tem a resposta.
Isso mesmo: depois de inúmeras reuniões, cerimônias e audiências, tudo ao dispêndio do erário, no projeto Monlevade Em Foco: os Próximos 50 Anos, espera-se que agora o ex-presidente da Câmara encerre seu mandato, apresentando ao povo de João Monlevade, no mínimo, um relatório conclusivo de tais atividades em que conste as ações a serem tomadas pelo Município no próximo meio século.
E se este relatório não existe, é porque tudo não passou de oportunidade para se desviar as atenções da opinião pública para o presente político de baixíssimos resultados, apresentados pelo governo dos Torres, além de ocasião para muita pompa e autopromoção.         

Presidência


O ex-líder do governo Teófilo Torres, Djalma Bastos, foi eleito para presidir a Câmara de Vereadores no próximo biênio com total apoio dos Torres. O fato de Djalma se encontrar com seus bens indisponíveis, numa ação civil pública movida pelo Ministério Público, a partir de representação do grupo Transparência., no caso do Mensalinho da Prandinet, em nada dificultou o apoio do prefeito ao sucessor de Guilherme Nasser, que, agora, vai para a banheira depois que Teófilo anunciou que é candidato a 2016. Mas, esperar o que? O chefe do Executivo também está com o patrimônio bloqueado pela Justiça.      

sábado, 6 de dezembro de 2014

Como defenderia o Brasil, se nunca defendeu Minas?

Esse baderneiro nunca defendeu Minas Gerais. Vejam o que Aécio fez com Minas, ainda na era e ao lado de FHC e que a mídia não divulga. 
Minas, como o nome revela, nasce da mineração do ouro. O ouro criou Minas, em todos os sentidos. Hoje, vivemos o ciclo do ferro, no qual também se encontra muito ouro. O Quadrilátero Ferrífero e Aurífero se confundem, em Minas. FHC e Aécio, seu líder na Câmara dos Deputados, não só privatizaram a Vale, que detém o monopólio de fato na exploração mineral mineira, daquela forma vergonhosa e vil, como também, ao privatizá-la, mantiveram o marco regulatório estatal - que era próprio de um modelo estatal, mas totalmente inadequado ao atual privatizado. E hoje Minas tem os menores royalties da mineração do planeta - enquanto os royalties do petróleo são de 10% sobre o faturamento das petroleiras, os da mineração são de apenas 3% sobre o lucro das mineradoras- e o mineiro não pode mais minerar, apenas as grande empresas mineram. Na produção do ouro não existe nenhuma transparência e ele vai todo para o exterior, bancar as economias externas. 
O ouro criou Minas! E o minério, o que está fazendo? Nas megas Minas de Ferro do Cauê, Gongo Soco, Brucutu e das de Mariana e Ouro Preto, cada tonelada de minério de ferro contém cerca de 5 gramas de ouro. O mineiro hoje não pode mais minerar. Se o mineiro vai ao aluvião e de forma artesanal, como ha 300 anos, e depois de um dia inteiro de trabalho, apurar dois gramas de ouro, o que lhe renderia uma renda de cerca de honestos R$150,00, ele é preso. Essa é a pesada herança que Minas carrega do entreguismo de FHC e do "mineiro" Aécio Neves. Nuca defendeu Minas...como é que ia defender o Brasil?

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O Halloween de Aécio Neves

É regurgitante essa afixação que a Elite Brasileira tem de bajular tudo que é de fora, principalmente, dos EUA. 
 Numa dessas, importaram para cá o tal de halloween. E nesse último mês de novembro o que não faltou foi assombração pra rua afora. As bruxas realmente estiveram soltas. Houve também zumbis, vampiros e um morto-vivo, que ainda não se tocou que sua passagem para o além já se efetivara em 08 de outubro de 2014 . 
Tentar colocar Aécio Neves como líder de alguma coisa, como a Globo tem tentado, desde a derrota do tucano nas eleições deste ano é o mesmo que tentar ressuscitar um morto. 
Globo e Veja buscam embutir no imaginário nacional que as eleições passadas foram as mais sujas da história. Nisso eu concordo. Foram sujas, imundas tanto quanto a vida regressa de Aécio Neves. Ninguém mais desconstruiu Aécio Neves, do que dele mesmo. Aécio perdeu as eleições porque enquanto este no poder, em Minas, amordaçou a imprensa mineira, massacrou os professores, desviou recursos da Saúde e Educação, quebrou o estado, além de várias outras coisas, e ainda demonstrou intimidade ímpar com o tráfico internacional de cocaína, porquanto Perrella, o dono do helicóptero, sempre foi seu braço forte na política mineira. O caso do absurdo aeroporto de Cláudio também pesou. Isso, sem falar no indigesto figurino de playboy-burlesco de garotão que nunca defendeu Minas Gerais. 
Tivessem os tucanos produzido um candidato melhorzinho, talvez, pudessem assumir o poder, a partir de 1° de janeiro. Mas, agora que perdeu, é preciso respeitar o resultado das urnas. 
Vindo de quem vem, é necessária paciência para que a raiva da derrota se arrefeça. Enquanto isso, o país assiste a tristes episódios de baderneira no Congresso, numa tentativa única e exclusiva de se impedir o funcionamento da casa.
Depois do natal, a raiva passa. Até porque Aécio não tem militância para tal nem é interesse da Grande Mídia o acirramento das posições, já que, se realmente vier a ocorrer algo afinado com o já conhecido viés golpista da Elite Brasileira, por certo os defensores do Estado Democrático de Direito também saíram às ruas para sustentar o governo constitucional de Dilma e, então, o país poderá, na pior da hipóteses, mergulhar num antagonismo fratricida bastante traumático, até mesmo para a Grande Mídia, e, certamente, ninguém quer isso. 
Aécio, a máscara dos dias das bruxas cai uma vez só. Deixa de raiva e volta para a Barra da Tijuca, que tem muito mais a ver com seu perfil.

Em Caso de Chuva, Evite a Trincheira do Moreira

    
Iniciado o período chuvoso, é preciso que o motorista monlevadense fique atento ao grande risco gerado pela Trincheira do Moreira (foto).
Aquela trincheira cavada pelo governo Carlos Moreira, nas imediações do Posto Castelinho, é a única intervenção realizada em espaço urbano, destinada a verter grande volume d’água,  que, ao mesmo tempo, é aberta para o tráfego de veículos que se tem notícia. Significa dizer que a trincheira do Moreira é uma pista de rolamento que, de tempos em tempos, sem aviso, se transforma numa profunda calha de escoamento de grande volume de água da chuva.    
O problema é que não existe sistema de alerta para comunicar o motorista de que a trincheira não deve ser utilizada naquele momento em que ela estiver vertendo água, o que por óbvio, gera risco de morte por afogamento dentro da trincheira.

Então, em caso de chuva forte, evite a utilização da trincheira do Moreira! 

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

2014: Ano Morto para a Justiça de João Monlevade


Iniciamos o último mês de dezembro com uma absurda certeza: o ano de 2014 foi, praticamente, morto para a Justiça em João Monlevade. Neste ano, muito mais do que nos anteriores, o Fórum Milton Campos não andou.
Falta juiz, estrutura e o ambiente forense local parece se encontrar, totalmente, na contramão da celeridade constitucional que deveria instruir a prestação do serviço público-jurisdicional. Um simples alvará judicial para liberação de valores bancários não sai com menos de um ano. Intimação de despacho judicial para o advogado não acontece com menos de 3 meses. Ação de Meação de Bens em decorrência do Divórcio não tem sentença antes de 5 longos anos de tramitação. E por aí, vai...
Ultimamente, o funcionalismo da Justiça tem se encontrado em estado contínuo de pré-greve (foto) , a cobrar da Justiça Mineira a valorização de seus servidores.
A qualidade da prestação do serviço público-jurisdicional é Direito do cidadão e elemento indispensável para o aprimoramento do processo civilizatório do Município. Sem Justiça,  a Roda Civilizatória retrocede.