quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

O Martelo de Forja a Vapor de Monlevade: a 1ª Máquina a Vapor da Indústria Brasileira




Nas fotos, o Martelo de Forja a Vapor de Monlevade e sua respectiva caldeira. 

Não consta dos livros oficiais de história. O próprio monlevadense nunca ouviu valar sobre ela, mas é de Monlevade a primeira máquina a vapor a operar sob método industrial no Brasil . Um marco tecnológico/identitário omitido pela historiografia convencional que desafia a tese difundida nos bancos de escola de que o subdesenvolvimento do Brasil também se deve ao fato de o país, durante os séculos passados, jamais ter apresentado vocação para a Indústria.
Trata-se se um martelo de forja a vapor, de malho cambiável de até 1.200 quilos, importado da Inglaterra e chegado à Fábrica de Ferro de Monlevade, junto de outros equipamentos, em 8 de abril de 1828, através de arriscadíssima navegação pelos rios Doce e Piracicaba, conforme noticiado por Guido Thomaz Marlière na edição do periódico ouropretano "O Universal" de 19 de abril do mesmo ano .   
Em 1853, por requisição do governador de Minas, Monlevade produziu um pormenorizado relatório em que cita seu Martelo-Vapor, conforme se transcreve:  

... Na fábrica velha existem ... três malhos, um de 80 arrobas de peso (1.200 quilos) para  obras grandes, um de 15 arrobas (225 quilos) e um pequeno de 5 arrobas (25 quilos) no meio das tendas para a fabricação do ferro miúdo e obras pequenas.
 [...]

Posteriormente, na edição da Revista Industrial de Minas Gerais, de 15 de abril de 1897, também publicada em Ouro Preto, a máquina a vapor de Monlevade é, expressamente, citada, conforme se transcreve:

[...]
A Fábrica nova (Monlevade) compreende 5 fornos catalães americanos "Bloomary Process", dispostos  em duas fiadas, um martelo-pilão a vapor com uma caldeira de vapor horizontal ... O martelo-pilão é de duplo efeito; seu peso é de 1,2 tonelada e seu levantamento de 1 metro; serve para esbravejar as bolas e lupas.
[...]
A máquina a vapor de Monlevade era empregada, principalmente, na fabricação em escala dos trituradores de ferro utilizados para o processamento do quartzito aurífero nas companhias mineradoras inglesas que se instituíram às dezenas por toda a Minas Gerais, a partir de 1825.  Também forjava peças de ferro muito maiores, de mais de 900 quilos de peso, coisa impossível de se fazer até então no Brasil Império, como os imensos aguilhões que eram transportados em carretões de quatro rodas puxados por juntas de bois até as minas de ouro como Morro Velho, em Nova Lima.
Atualmente, o Martelo Vapor é sua respectiva caldeira (fotos) encontram-se expostos ao tempo no museu destelhado e fechado à visitação, mantido pela siderúrgica Arcelormittal em torno do Solar Monlevade, município de João Monlevade, Minas Gerais.
Na Índia, ainda funciona um martelo a vapor, não tão antigo quanto o de Monlevade, mas que possibilita um pequeno vislumbre da utilização e do funcionamento de tal equipamento e de como era o principal trabalho na Fábrica de Ferro Monlevade,  como demonstrado o o vídeo anexo: