sexta-feira, 27 de abril de 2018

O Dia em que a Saúde de Monlevade Parou em vão para Impedir uma Eleição Democrática



Hoje foi o dia em que o setor da saúde em João Monlevade parou para nada.
Convocados pelo provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes, funcionários uniformizados do HM, gerentes dos postos de saúde e comissionados em geral do governo Simone/Carlos Moreira estiveram presentes na reunião extraordinária do Conselho Municipal de Saúde designada para hoje, às 14:00 hs, na tentativa de pressionarem pelo impedimento do desdobramento do processo de eleição da diretoria daquele conselho. Tantos eram os funcionários que se pode afirmar que, por falta da presença do pessoal ao trabalho, o setor da saúde pública do Município, literalmente, parou para impedir a realização da eleição no CMS.
Mas, parou em vão. Diante da manobra manejada pelo provedor José Roberto Fernandes, o CMS deliberou por suspender a reunião e encerrar os trabalhos em menos de 5 minutos. Frustrados, ficaram o provedor e seus adeptos com aquela inconfundível cara de tacho, como demonstram as fotos. E agora, quem vai pagar pelo ponto dos funcionários que faltaram à tarde de serviço?