sábado, 26 de junho de 2010

História das Minas de Ouro e Diamante: a Aparição da Santíssima Virgem nas Minas Setecentistas

Na segunda metade do século XVIII, fugindo de Portugal, onde o Marques de Pombal impusera uma implacável perseguição aos Jesuítas, chegaram à Capitania das Minas de Ouro e dos Campos Gerais, o arquiteto Antônio da Silva Barcarena e o misterioso Irmão Lourenço. Embrenhando-se pelos sertões de Minas, sempre em busca de isolamento e do anonimato que os afastasse da injusta persecução, os dois foragidos prometeram à Santíssima Virgem a construção de uma igreja, caso se livrassem de seus perseguidores. Inicialmente, chegaram às imediações da Vila Nova da Rainha (atual Caeté), onde divergiram se aquela localidade seria, suficientemente, isolada para o fim que desejavam. O Irmão Lourenço, então, rumou paro sul e buscou proteção entre os íngremes contrafortes da Serra do Caraça, onde se colocou a cumprir a sua promessa, erigindo ali uma capela dedicada à Nossa Senhora Mãe dos Homens, iniciando, assim, a fundação do conhecido Santuário e Colégio do Caraça. Barcarena, no entanto, permaneceu na Vila, onde passou a exercer o ofício de arquiteto, adquirindo verdadeira fortuna, até que, em meados da década de 1760, ocorreu um fato surpreendente naquelas serrarias que daria à Barcarena a confirmação de que ele havia se fixado no lugar certo: uma menina, filha de mineiros faiscadores, jurada muda de nascença, avistou por várias vezes no alto da serra a aparição da Santíssima Virgem Maria, trazendo em seus braços a imagem de seu Divino Filho morto, após ser retirado da Cruz.
Segundo a tradição, a menina, que nunca havia pronunciado uma só palavra na vida, passou a falar, perfeitamente, relatando com detalhes as divinas aparições. Chegara, assim, a oportunidade perfeita para que Barcarena cumprisse sua promessa feita à Virgem. 
Em 30 de setembro de 1767, a Cúria Eclesiástica de Mariana concedeu a Bracarena a licença para que erigisse uma capela com a invocação de Nossa Senhora da Piedade, no cimo da Serra. Rapidamente, a região transformou-se em centro de romeiros, devotos e o lugar tornou-se palco de inúmeros milagres e lendas. 
Barcarena empenhou-se na construção contra todas as dificuldades que se podem, facilmente, mensurar. Erigir uma capela em local de tão difícil acesso e transportar para uma altitude de 1800 metros os materiais necessários para a obra não foi uma tarefa simples. O término da construção da capela data de 1778. Após a morte de Barcarena, que foi sepultado no adro do templo, debaixo do altar da Virgem, vários ermitões o sucederam, continuando a zelar pelo Santuário. Em 1958, pelas aparições, por todos os milagres atribuídos à Virgem e pela massiva devoção dos mineiros, o Papa João XXIII proclamou Nossa Senhora da Piedade Padroeira do Estado de Minas Gerais.

Capela Nossa Senhora da Piedade, construída por Bracarena no topo da também Serra da Piedade, Caeté/MG.