Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Contas são Reprovadas e Simone pode ser Cassada

 Foi publicada na tarde de ontem a decisão da Justiça Eleitoral que reprovou as contas de campanha da candidata Simone Moreira, digo, Carvalho, eleita prefeita na disputa política de resultado mais apertado da história de João Monlevade. 
Segundo consta da sentença, as contas de Simone e Fabrício Lopes foram reprovadas devido a recebimento de recursos financeiros de duas fontes vedadas por lei: permissionário de serviço público e empresa comercial; ausência de declaração de receitas e despesas no montante de R$ 4.272,00 e R$ 20.479,73, respectivamente, e declaração intempestiva de doação de campanha em evento realizado pelo candidato Guilherme Nasser no Real Esporte Clube. 
A reprovação das constas, por si só, não acarreta em cassação automática de Simone. Mas, se tais irregularidades forem suficientes para configurar abuso de poder econômico, Simone pode enfrentar processo de cassação na Justiça Eleitoral, principalmente, considerando a diferença de apenas 126 votos para o segundo Colocado, Dr. Railton: por ter sido tão apertado, a mínima comprovação de qualquer meio abusivo ou vedado em lei na campanha da candidata será capaz de reverter o resultado do pleito. Da data de diplomação de Simone, agendada para o próximo dia 12, abre-se temporada de caça de 15 dias em que Ministério Público, candidatos, partidos e coligações podem ajuizar a Ação de Impugnação de Mandato Eletivo por fraude, abuso de poder político, econômico, etc, requerendo a cassação de Simone.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Prestação de Contas de Simone é "Rabo de Foguete"


A Prestação de Contas da prefeita eleita, Simone Carvalho, está um verdadeiro “rabo de foguete”. 
Relatório divulgado pela Justiça Eleitoral, recentemente, aponta uma extensa série de irregularidades na prestação de contas da candidata, que deve ser diplomada no próximo dia 12. Resta saber se, uma vez empossada, quantos meses Simone se sustentará no cargo. 
Segundo relatório técnico, as irregularidades nas contas de Simone e Fabrício Lopes vão desde gastos de campanha junto a pessoas jurídicas, sem emissão de notas fiscais, passando por doações de recursos acima da capacidade econômica dos doadores; inúmeras omissões de despesas, até a utilização de recursos de fonte vedada, como a doação de empresa e de permissionário de serviço público. 
Segundo a Lei 9050/97, a decisão que julgar as contas da candidata eleita deve ser publicada até 3 dias antes da diplomação, lembrando que uma rejeição das contas, por si só, não acarreta em cassação automática. Para tal, será preciso postular processo autônomo.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Quem Manda no Brasil?

O Brasil não é uma coincidência como muitos pensam. O Brasil é, propositalmente, montado para ser, exatamente, o que ele é hoje. E quem são essas pessoas que mandam e montam o Brasil contemporâneo? São cerca de 10.000 credores da dívida pública brasileira que, apesar de não produzem sequer um parafuso para a nação, recebem, livremente todo ano, quase que a metade do orçamento da União em juros, sem que o brasileiro tenha a menor consciência de tal situação, pois a mesma não é pautada pela grande mídia. Esses é que mandam no Brasil, comandando a mídia, o setor financeiro, os meios de produção, a política, etc. O Brasil é deles. Tudo esta montado em função deles. Trabalhamos para eles. 
É verdade, se os 10 mil credores recebem todo ano quase que a metade do orçamento público em juros e se conforme a carga tributária brasileira, a cada 10 dias trabalhados o contribuinte trabalha 4 só para pagar impostos, significa que o equivalente a 2 dias de trabalho do brasileiro ficam com os banqueiros e os outros 2 são divididos entre a previdência, a saúde, a educação, a cultura, a segurança, o esporte, etc. É por isso que o Brasil não tem recursos para nada. É porque existem 10.000 pródigos no Brasil. 
Quem são eles? Essa é a primeira grande pergunta. É preciso dar nome aos bois e conhecer essa gente até para que o país possa dirigir um basta a cada um deles. Com o que gastam tanto dinheiro? Realmente, apenas no ano de 2014 esses 10 mil receberam cerca de 900 bilhões de reais em juros do governo. Ninguém viu esse dinheiro ser investido em ciência e tecnologia, infra-estrutura ou no patrocínio da arte. Será que gastam isso tudo em Miami, Las Vegas ou no cassino de Monte Carlo? Por que temos que pagar tanto dinheiro para essa gente? Que dívida é essa? Porque devemos tanto se temos tudo em nosso país?
Enquanto isso, a Globo pauta apenas a reforma da previdência, que não representa sequer a metade do gasto da União com os juros dos 10 mil credores. O problema do Brasil são os aposentados que deram a vida inteira de trabalho para o país. Os 10 mil que consomem metade do orçamento, sem qualquer trabalho em troca são os manda-chuva. E ainda tem a Pec 241 que limita ainda mais as despesas com educação e saúde, sem, contudo, também limitar o pagamento dos 10 mil credores. Ao contrário, a expectativa é de manutenção das altas taxa se juros, que no cartão de crédito chega a 450% ao mês. E não tem erro: ou você é daqueles ricos que recebem os juros do governo ou você é daqueles pobres que trabalham 2 a cada 10 dias para bancar a vida fácil que eles levam.


quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Campanha "Doe Uma Lona para a Arcelormittal"


Agora que o período chuvoso dá sinais de iniciar-se convém o lançamento da campanha de fim de ano “Doe uma lona para a Arcelormittal”.
É que a poderosa siderúrgica indiana, por motivos de "segurança", mandou retirar o telhado do Museu Monlevade que tem em seu acervo itens preciosos remanescentes da famosa Fábrica de Ferro de Jean de Monlevade, como a desconhecida e escondida 1º Máquina a Vapor da Indústria Brasileira, o Martelo-Vapor de Monlevade, além de vários outros.
Ocorre que algumas das peças do museu são em madeira, como o engenho de uma das rodas hidráulicas (foto) utilizadas para soprar os fornos da Fábrica de Ferro original, citado no relatório elaborado pelo próprio Monlevade, em 1853, a pedido do governador de Minas, in verbis:          
   
..."Na fábrica velha existem duas rodas hidráulicas poderosas... um bicame ou tanque d’água, colocado a trinta palmos acima do fundo do canal, e no meio da casa está recebendo a aguada tôda do ribeirão, dando a fôrça motriz para as duas rodas, e o vento necessário por meio de quatro trompas, repartidos com canais de braúna por tôdas as partes".

Exposta à chuva, a madeira da Roda Hidráulica está, obviamente, apodrecendo e os bens histórico-culturais mais uma vez se perdem nas mãos da Arcelormittal.

Então, inicio a campanha “Doe uma lona para a Arcelormital” para que a siderúrgica tenha, pelo menos,  uma lona para jogar sobre o engenho da Roda Hidráulica de Monlevade, de forma a protegê-la da chuva e de, minimamente, preservar o bem cultural.      

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Doído e Esclarecedor

Doído e, ao mesmo tempo, esclarecedor é ler em página do jornal A Notícia texto do marqueteiro de campanha de Railton que confessa não ser daqueles que apontam o dedo para o inelegível Carlos Moreira a chamá-lo de corrupto.
Ante de mais nada, essa conversa de “apontar o dedo” é muito circulante entre aqueles que cultuam a impunidade no Brasil. Não existe dedo apontado, existe a necessidade de punir os corruptos e afastá-los da Administração Pública. Será que corrupto é só aquele que, literalmente, mete a mão no dinheiro público? Claro que não. É também corrupto aquele que distribui dezenas de terrenos públicos, por meio de permissões,  para apenas seus correligionários e cabos-eleitorais, num claro artifício de troca de favores eleitoreiros para se manter no poder.  Será que alguém que não fosse do grupo político de Moreira recebeu alguma permissão de uso de terno público para instalar negócio?Claro que não. Isso, obviamente, só não pode ser corrupção para quem se beneficiou do esquema. E ainda tem muito mais. Tem a Farra do Lixo, a licitação da Enscon, os 22 milhões jogados fora no pretenso hospital Santa Madalena, etc. Tudo se arrastando na morosidade da justiça local.   

Realmente, o terror de qualquer marqueteiro político é a pecha de corrupto que pode incidir sobre seus clientes, mesmo que indiretos. 

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Erro

Diante de um pleito em enorme disparidade do equilíbrio de forças, em que, como sempre, ficou patente a utilização abusiva de emissora de rádio, o uso da máquina e a condução da candidatura sufragada por quem se encontra com os direitos políticos cassados, Railton e Laércio não fizeram feio na disputa eleitoral de resultado mais apertado da história do Município. Foram apenas 126 votos entre a 1ª e a 2ª colocação. Significa dizer que se apenas 63 votos tivessem se transferido de Simone para Railton, haveria empate e o segundo se consagraria eleito, pois é ele o decano, conforme regra de desempate.
Tivéssemos errado um pouquinho menos, o corrupto Carlos Moreira não se manteria à frente da Prefeitura, a burlar a Lei da Ficha Limpa com uma candidatura laranja.
Erros são questões que devem ser discutidas apenas internamente, para que se aprenda com os mesmos, afim de não reniti-los novamente. E, invariavelmente, no caso específico, todos se originaram de uma incapacidade de se enxergar a política como ciência. O pior deles foi o de trazer para a campanha marqueteiro que, historicamente, sempre foi antagonista do grupo. Não se faz campanha com adversário. Agora, seguindo o perfil “editorial” pós-eleitoral da rádio Cultura, o jornal do marqueteiro mostra suas garras numa tentativa de arrebentar com a imagem Railton, por sua audácia de enfrentar a corja e alcançar o empate técnico de votos com a candidata do Moreira. Acreditar que o marqueteiro aposentou é mais uma vez desconsiderar o caráter científico da política e seguir cometendo o mesmo erro. O jornal segue a ser utilizado como instrumento publicitário para políticos, conforme os interesses do marqueteiro.  
         



segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Muito Obrigado!

Gosto muito de campanhas políticas municipais. A gente conhece um monte de pessoas e tem a oportunidade de percorrer toda a cidade.  A campanha também é muito reveladora. Nela é possível  enxergar quem, verdadeiramente, te apoia e quem vai no sentido oposto, muitas das vezes, utilizando-se do mais absoluto fingimento.   
Desde a divulgação do resultado apertado de ontem, com uma diferença de apenas cento e poucos votos, tenho ouvido retida vezes a frase “cada povo tem o governante que merece”. Isso é verdade em democracias evoluídas. Em João Monlevade, onde predominam os abusos de meio de comunicação (rádio Cultura) e de poder político, o povo não sabe o que faz.  
A boa nova é que Gentil Bicalho entrou na Câmara. Assim, os setores mais progressistas do Município podem esperar alguma representatividade no Legislativo.
Não posso deixar de cumprimentar Railton e Laércio pela belíssima campanha, com muita garra, focada no contato direto com o eleitor, na honestidade e na vontade de mudança.

Também não posso deixar de agradecer aos amigos que depositaram o voto em minha candidatura. Agora, não posso mais dizer que conto meus amigos com os dedos de uma mão somente. Muito Obrigado!       

sábado, 1 de outubro de 2016

Seu Voto...

Para você que me acompanha aqui no Monlewood, há 7 anos, peço seu voto para vereador a fim de que possamos levar para a Câmara a experiência bem sucedida aqui, na exposição da verdade e no controle social da administração pública. E para prefeito, peço seu voto para Railton e Laércio, 12, não só para que o município volte aos trilhos do desenvolvimento, com identidade, cultura, educação, saúde, lazer e respeito, mas para que possamos salvar o Hospital Margarida, que já acumula uma dívida de 18 milhões de reais.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Verdade Ataca Candidata/Candidato

Política é uma ciência humana. E, como toda ciência humana, é a filosofia que empresta o caráter científico à política. Logo, a política, como ciência, apenas comporta proposições filosóficas.
Dizer que uma certidão de casamento ataca ou denigre a imagem de candidato não é uma proposição filosófica. Logo, não é política. Da certidão não consta qualquer termo que possa ofender ou denegrir a imagem de candidato. Se constasse, seria  o tabelião a responder por perdas e danos, pois as informações ali contidas são todas lavradas por ele. Da certidão consta apenas  a verdade jurídica.  E transparência é, primordialmente, sinônimo de verdade. Democracia se constrói é com o voto, a participação popular e o debate político, quando feito, filosoficamente. Pois como já dito, se a proposição não for filosófica não existira campo fértil para política como ciência.  Neste caso, quem denegri o candidato/candidata é a verdade e nada mais. Da certidão não consta nenhum termo ofensivo. Quem tem intolerância com a verdade jamais fará política, cientificamente. Monlevade já conhece o resultado do modo não científico de se fazer política no Município: um Hospital Santa Madalena que já fez o povo perder uma ótima Rodoviária, mais de 22 milhões de reais, o PA, o Hospital Margarida à beira da falência e vários atos de improbidade que resultaram em lesão aos cofres públicos.  
Dizer também que pouco importa se o ex-prefeito é casado com a candidata é mais uma vez desprezar a verdade e desconsiderar o caráter científico da política. Numa eleição em que a candidata da situação é lançada à disputa com o único “atributo” de ser esposa de Carlos Moreira, que não pode se candidatar por se encontrar inelegível, a informação de que Moreira, atualmente, se encontra casado com outra é das mais relevantes para quem preza pela verdade e para apenas estes.  Se a candidata não utilizasse de seu programa de rádio e de vídeos nas redes sociais para dizer que “meu marido fez e vai me ajudar a fazer” ou do sobrenome do ex-prefeito inelegível  em seu material impresso de campanha, realmente não teria problema algum.  Mas,  se ela o faz, como de fato acontece, então a situação é, politicamente, grave, pois tudo não passa de uma grande mentira. Pra quem não sabe: mentira é o oposto de verdade.  Mas, existem aqueles que não se importam em conviver com a mentira e também não valorizam o nome. O nome, então, pouco importa para eles. Esses não fazem política. Fazem politicagem demagoga em benefício de um projeto pessoal de poder que, de tão doentio e absurdo, rasga a lei da ficha limpa diante de todos. Também, esperar o que de quem idolatra corrupto?     

Educação

Em sendo eleito vereador, minha atuação na Câmara também será no sentido de:

-combater a atual política de desmonte da educação pública;

-valorizar o professor e cobrar pelo pagamento do 1/3 extraclasse;

- implantar um sistema de ensino integral que, gradativamente, contemple toda a rede pública de ensino, com formação ética, cívica, cultural e filosófica nas escolas;

- fomentar as parcerias entre o Município, a UFOP e a UEMG de modo que o estudante participe da extensão universitária em projetos voltados para a criação de ferramentas que possam ser utilizadas no desenvolvimento de diversos setores municipais, como meio ambiente, turismo, comércio, cultura, saúde, educação, administração, etc;

- buscar parcerias entre a UFOP e o Município na utilização do Laboratório de Ciência e Tecnologia do Campus-Monlevade para o desenvolvimento de ferramentas que possam ser empregadas na solução de problemas da comunidade.
 PARA VEREADOR, VOTE FERNANDO GARCIA , 13.033!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Cartório certifica que Moreira é casado: só, que não é com Simone!

O Cartório de Paz e Notas de Cônego João Pio, distrito de São Domingos do Prata/MG, emitiu na data de hoje, 20/09/2016, certidão em que o ex-prefeito-inelegível, Carlos Ezequiel Moreira, ostenta o estado civil de casado. Só que não é com a candidata Simone Carvalho, como amplamente divulgado. Segundo o documento (imagem), Moreira encontra-se casado, atualmente, com Adriania das Graças Cota Moreira, ex-diretora da Fundação Municipal Crê-ser.  
Então, aquela história de que "o meu marido fez e vai me ajudar a fazer" é tudo mentira! Nem casados eles são! Mais uma vez, o povo é vítima do engodo e da demagogia. 
Compartilhe esta postagem para que cada vez mais eleitores possam se defender de mais uma enganação moreirista, a fim de se fazer cumpri a Lei da Ficha Limpa, impedindo que o inelegível seja, indiretamente, reconduzido ao poder, para seguir praticando, justamente, os mesmos atos que resultaram em sua inelegibilidade.    




quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Simone é Secretária Licenciada de Teófilo Torres

Consta do caderno de propostas de campanha da candidata Simone a promessa populista de voltar com a taxa mínima de água.
Na campanha eleitoral de 2012, Teófilo Torres também prometeu a volta da taxa mínima. Mas o que se viu foi o contrário. Não apenas descumpriram o compromisso de campanha como realizaram 3 aumentos na taxa de água nos últimos 12 meses.
A candidata Simone é secretária de governo licenciada da administração Teófilo Torres, que é o cargo coordenador de toda a articulação política do prefeito, inclusive, com os vereadores da Câmara, onde um projeto de tal natureza necessita de aprovação para entrar em vigor. Ora, por que a candidata Simone, enquanto secretária do atual prefeito, jamais fez cumprir a promessa de volta da taxa mínima de água?
Como secretária de Teófilo, a candidata Simone reserva para si grande responsabilidade no fracasso da atual administração que chega ao fim, amargando índice de impopularidade tão alto que inviabilizou até a tentativa de reeleição do atual prefeito.        

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Transparência Monlevade Tem Nome: Fernando Garcia, 13.033

O grupo Transparência Monlevade, que ao londo dos últimos 4 anos promoveu incessante controle social sob a administração publica local, assumindo na prática o papel renunciado pela Câmara de Vereadores, tem nome, Fernando Garcia, 13.033:

"Este reúne competência,coragem e lealdade. Já mostrou com o seu trabalho a força em defesa da moralidade política que Monlevade merece . O Grupo Transparência reconhece e recomenda o seu nome", Virgínia Lima, administradora e membro-fundadora do Transparência Monlevade. 

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Votar em Simone é Rasgar a Lei da Ficha Limpa

A Lei da Ficha Limpa, aprovada em 2010, a partir de projeto de lei de iniciativa popular subscrito para mais de 1,6 milhão de brasileiros, é, sem dúvida, a legislação mais festejada dos últimos tempos no Brasil, pois bane do meio político o corrupto e o ladrão.
O ex-prefeito e radialista Carlos Moreira é um que se encontra inelegível, incurso na Lei da Ficha Limpa. E, uma vez impedido de se candidatar e até de votar, Moreira lança sua atual consorte conjugal para concorrer à vaga de prefeito para, através dela, seguir praticando os mesmos atos que o levaram à inelegibilidade.
Isso é burlar a lei da ficha limpa. O eleitor que vota em Simone, literalmente, rasga a Lei da Ficha Limpa.  O corrupto deve ser mantido longe da administração pública, direta ou indiretamente.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Sou Candidato Porque...


Sou candidato a uma vaga na Câmara de Vereadores, entre outros motivos,  por quê:

-primeiro,  não acredito no engodo que a grande mídia faz circular no sentido de que a política é um terreno pantanoso demais para que o cidadão de bem se envolva.  A situação política que vivemos é péssima, realmente.  No entanto, se o cidadão de bem vira as costas para a política, os malfeitores ficam livres para agir, como tem ocorrido;

- segundo, já ajudei eleger prefeito que firmou o compromisso de nos representar e, uma vez investido no cargo, o poder subiu-lhe a cabeça, causando uma onda destrutiva que se tivesse durado mais seis meses nada teria restado de João Monlevade;

-terceiro,  não sou representado na Câmara.  O vereador  que deveria nos representar na Câmara votou na terceirização do DAE e, depois, reclamou dos últimos 3 reajustes da conta d’água que superaram os 35% nos últimos 12 meses;  votou no Rotativo e, agora em período eleitoral, promete perdão da multa para quem já foi vítima do apetite arrecadatório do governo e ainda votou favorável à autorização da ENSCON em proibir a cobrança da passagem em dinheiro dentro do coletivo.

Apresento minha candidatura para representar e ser representado na Câmara.     

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Curso de Medicina: Outros 22 Milhões para Transformar a Antiga Rodoviária em Hospital Universitário

Para eleger Teófilo, Moreira prometeu mundos e fundo. Anunciou que pelo fato de Teófilo ser filho do ex-deputado Mauri Torres uma enxurrada de recursos seriam, a fundo perdido, destinadas ao Município, o que não aconteceu. Prometeu também a isenção da taxa d’água e... nada. Ao contrário, o que se viu nos últimos 12 meses foram 3 aumentos da taxa d'água.
Agora, uma vez inelegível e na tentativa de eleger prefeita sua atual mulher, burlando a Lei da Ficha Limpa, Moreira anuncia a implantação de curso de medicina no Município.
Todos sabem que a primeira condicionante para a instalação de qualquer curso de medicina, seja onde for, é o funcionamento concomitante de um Hospital Universitário. O curso de medicina da UFMG, por exemplo, tem como hospital universitário o Hospital das Clínicas de Belo Horizonte.
Em João Monlevade, o hospital natural que atenderia a um eventual curso de medicina, prestando-se a hospital universitário, é o Hospital Margarida. Ocorre que o Hospital Margarida chega ao final do governo Teófilo/Moreira mergulhado na pior crise administrativo-financeira desde sua inauguração. Sem aval do Conselho de Saúde ou da população, o governo Teófilo/Moreira transferiu o Pronto Atendimento do prédio do antigo e interditado Terminal Rodoviário para as dependências do Hospital Margarida e não repassa para a o único hospital da cidade os recursos que deveriam ser destinados à integralidade do custeio do PA.
Assim, o Hospital tem apresentado déficit financeiro mensal de 500 mil reais, já amargando uma dívida crescente em torno de 11 milhões de reais, que, se não for revertida, certamente, levará o Margarida à falência.
Ora, se colocaram o Hospital Margarida no rumo da falência, como podem prometer curso de medicina? Como é que vão instalar curso de medicina na cidade com o Hospital Margarida falido? Ou será que, agora, em período eleitoral, também vão prometer outros 22 milhões de reais no prédio da antiga Rodoviária para transformá-lo num hospital universitário?  

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Blog Monlewood sofre tentativa de invasão a partir do Rio de Janeiro


Conforme demonstra o print anexo, ontem, às 13:03 hs, o Blog Monlewood sofreu uma tentativa de invasão por parte do IP 177.176.148.227, efetivada a partir da cidade do Rio de Janeiro. O que posso dizer é que forasteiro nenhum virá vender bonde aqui, em João Monlevade/MG. 
Trés coisas são absolutamente reveladoras: o poder, o álcool e a mulher contrariada. A máscara já caiu há muito tempo. Já sabemos de tudo.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Cidadão paga com engarrafamento para governo mostrar serviço que não fez em 4 anos



Na tentativa demonstrar algum serviço, em pleno período eleitoral,  o governo Torres/Moreira interditou a Praça 7 de Setembro, a mais central e movimentada do Município.
Ao custo de quase R$ 80.000,00, tapumes foram instalados na Praça que teve o trânsito impedido e será reformada. Na sexta-feira passada , já eram perceptíveis as conseqüências negativas para o trânsito de veículos no local.   Com o fechamento do acesso da Praça à Av. Wilson Alvarenga, uma grande contenção de veículos se formou na Av. Getúlio Vargas, atrapalhado a vida de quem voltava para casa depois de uma semana de trabalho (foto abaixo).
Resumo da ópera:  o cidadão, agora, é submetido a longas contensões no trânsito do Centro para que o governo Torres/Moreira possa mostrar serviço que não realizou nos últimos 4 anos. Mais eleitoreiro, impossível.


Outro ponto importante a se observar é que não se trata de obra realizada, diretamente, pela Prefeitura, mas de mais uma reforma concedida à execução de empreiteira.  E sobre o tema, o Monlewood já publicou:
As empreiteiras que, umbilicalmente, orbitam a administração Torres demonstram uma ânsia especial para a contratação, justamente, de obras de reforma, pois assim faturam mais dinheiro em maior velocidade. 
É que, diferentemente, de se empreender uma obra de construção civil integral, em que muito do tempo da execução do projeto é empenhado para a implantação da base, e o levantamento da alvenaria que, relativamente, têm menor valor agregado, na reforma ... o valor dos materiais empregados é muito maior. Assim, com as reformas, as empreiteiras faturam mais em menor tempo. 
O próprio hospital Santa Madalena, aptado no prédio do antigo terminal rodoviário,  foi uma dessas reformas, com o agravante de que pouco importava o que se reformava ali, já que ainda hoje aquele trambolho de concreto não se encontra, estruturalmente, apto ao funcionamento, conforme as normas da Vigilância Sanitária e, ao contrário, foi interditado.

Vereador vota no Rotativo e promete perdão de multa para se reeleger

O cúmulo da demagogia e da incoerência política é vereador fingido votar a favor da implantação do Rotativo e, agora, em período eleitoral, prometer perdão para quem já foi multado pelo sistema. 
O Rotativo foi aprovado, recentemente, na Câmara por unanimidade de votos, com abstenção do vereador Thiago Titó. Se não aprendeu votar com o povo em 4 ou 8 anos...Fora!   


quarta-feira, 24 de agosto de 2016

SAÚDE

SAÚDE
Em sendo eleito vereador, minha atuação na Câmara também será no sentido de:
- levantar e divulgar todos os dados relativos à má sucedida obra de adaptação do prédio do antigo terminal rodoviário num pretenso hospital de 100 leitos, que jamais funcionou, ao custo de muito mais de 22 milhões de reais em recursos públicos, buscando ainda a responsabilização dos envolvidos e o ressarcimento do valor desviado aos cofres públicos;
- equacionar o atual déficit financeiro mensal de R$ 500 mil do Hospital Margarida, fazendo com que o Município assuma a integralidade do custeio do Pronto Atendimento, recentemente, transferido para lá, para garantir o atendimento à população;
- interromper a atual política de demissões de funcionários técnicos no Hospital Margarida para serem substituídos por cabos eleitorais de Moreira;
- resgatar o orçamento público do domínio da empreiteiras a fim que os recursos públicos possam ser empregados no setor da saúde para a realização de exames e a distribuição de medicamentos para pacientes crônicos e de uso contínuo;
- fomentar a medicina preventiva no Município, através do programa Médicos da Família.
PARA VEREADOR, VOTE FERNANDO GARCIA , 13.033!

Em sendo eleito...

Em sendo eleito, minha atuação parlamentar na Câmara de Vereadores será no sentido de:
- dar independência ao Legislativo;
- assumir a função fiscalizadora do Legislativo sobre o Executivo;
- parlamentar a verdade na Câmara, ou seja, utilizar a Tribuna para transmitir a verdade real sobre os fatos;
- representar o interesse público na Câmara.


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Patrimônio dos Candidatos: Simone e Moreira


A edição da última sexta-feira do jornal A Notícia trouxe matéria em que comparou o patrimônio declarado pelos candidatos à eleição majoritária e indicou Simone Carvalho como a mais pobre de todos, detentora do menor deles, num total de R$ 11.900,00. Mais uma vez, o impresso desinforma a população, politicamente.
Ora, se Simone só é candidata porque é a atual mulher de Moreira, que se encontra inelegível, correto fosse somar o patrimônio de ambos e divulgá-lo como dela apenas.
Vai saber, por exemplo, onde foram parar os muito mais de 22 milhões de reais investidos na adaptação do terminal rodoviário num hospital de 100 leitos que nunca funcionou e se encontra interditado!
Em vídeo postado, recentemente, pela candidata no Facebook, Moreira jura que  não tem fazenda, não tem posto de gasolina e não tem hotel, como o povo anda dizendo.  

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

MOREIRA É DESMENTIDO POR VOTO DE RELATOR NOVAMENTE

Também no vídeo que circula na internet, o ex-prefeito inelegível Carlos Moreira justifica sua condenação no caso das Farras das Permissões de Uso, alegando que teria agido dentro da lei, emitindo os respectivos decretos e concedendo os imóveis públicos apenas para pessoas sem condições de moradia.
Não foi o que fundamentou o relator da apelação interposta por Moreira naquele processo, o Eminente Desembargador Dárcio Lopardi Mendes que em seu voto assinalou conforme se transcreve:

APELAÇÃO CÍVEL N° 1.0362.04.049870-5/001
- COMARCA DE JOÃO MONLEVADE 
- APELANTE(S): MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE
MINAS GERAIS
- APELADO(A)(S): CARLOS EZEQUIEL MOREIRA
-RELATOR: EXMO. SR. DES. DÁRCIO LOPARDI MENDES

[...]
Observa-se que é inegável que a conduta do Prefeito Municipal, Carlos Ezequiel Moreira, ora apelado, afrontou os princípios constitucionais regentes da atividade pública e não encontra amparo no ordenamento jurídico pátrio.
[...]
Na hipótese vertente, a conduta Prefeito Municipal, ora apelado, sobressai-se pela afronta ao princípio da legalidade e da moralidade, pois como demonstrado de forma exaustiva através dos documentos acostados aos autos, o mesmo concedeu permissões de uso de terrenos públicos para fins de moradia, mediante "termos concessivos específicos" (fls. 38/169 e 185/193) e não mediante decretos, numerados em ordem cronológica e publicados na imprensa oficial, conforme prevê o artigo 155 da Lei Orgânica do Município de João Monlevade, in verbis:
[...]
No caso, não há que se falar que não houve conduta dolosa do apelado, isso porque, as permissões de moradia foram concedidas sem qualquer critério objetivo que justificasse as escolhas dos beneficiários.
Conforme ressaltado pelo ilustre Promotor de Justiça, "não existiu qualquer procedimento prévio que permitisse a avaliação da real situação econômica do beneficiário, de sorte que as permissões eram concedidas com base em critérios escusos e subjetivos.
[...]


VOTO DE DESEMBARGADOR DESMENTE MOREIRA

Circula na internet vídeo de Carlos Moreira em que o ex-prefeito inelegível justifica que foi condenado no processo da UFOP por falha de sua defesa que teria “perdido prazo”.
Não foi o que fundamentou o relator da apelação interposta por Moreira naquele processo, o Eminente Desembargador Júlio César Lorens, que em seu voto assinalou:
Número da Apelação Criminal 1.0362.09.099843-0/00
Relator: Des.(a) Júlio César Lorens
Relator do Acordão: Des.(a) Júlio César Lorens
Data do Julgamento: 24/09/2013
Data da Publicação: 30/09/2013
[...]
Ademais, estou convencido de que a condenação não ocorreu por uma suposta falha na defesa, mas, sim, pelo convincente acervo probatório constante dos autos.
[...]
Em outras palavras, a condenação de Moreira naquele processo se deu mediante convincente acervo probatório, ou seja, por meio de prova documental robusta e não por falha de sua defesa como quer fazer crer neste momento eleitoral.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Moreira, Simone e a Verdade sobre a Implantação da Ufop e Uemg

Candidato da Chapa Paraguaia, ao estilo Rádio Cultura, já está buscando desinformar o eleitor sobre a verdade da implantação dos campus da Ufop e da Uemg em João Monlevade. Ele afirma que as duas universidades públicas foram instaladas no governo do ficha-suja, inelegível Carlos Moreira, como se tal medida tivesse partido do ex-prefeito ímprobo. Afirma também que a atual consorte conjugal de Moreira, a candidata a prefeita Simone, supostamente, teria participado de todo o processo, numa tentativa de fazer o eleitor crer que a mesma tem alguma experiência administrativa e espírito público. 
Ocorre que a única relação que Moreira tem com as universidades é o casuísmo: era ele o prefeito e como tal não fez mais do que a obrigação de recebê-las. 
A iniciativa de se instalar a Ufop e a Uemg em Monlevade, na verdade, não foi de Moreira. A vinda das universidades fez parte de um acordo firmado entre o governo federal, o governo do estado e a empresa Vale como condicionante para a instalação da Mina de Brucutu, em São Gonçalo. Perceba que os cursos inicialmente oferecidos pelas universidades eram todos voltados para a atividade mineradora: Engenharia de Minas, Engenharia Ambiental, Engenharia de Produção e Sistemas de Informação. Monlevade foi escolhida, por ser a cidade mais próxima de Brucutu, com condições estruturais para abrigar as duas universidades.
O que Moreira fez, posteriormente, foi desviar recursos da Prefeitura para custear a formatura de um sobrinho na UFOP, o que lhe rendeu um processo criminal por desvio de renda pública, em que o ex-prefeito foi condenado a 2 anos de reclusão, substituída por prestação de serviços à comunidade, e inabilitação para o exercício de cargo eletivo por 5 anos. Foi mais uma ação que tornou Moreira inelegível, obrigando-o a lançar sua mulher candidata, numa tentativa de burlar a Lei da Ficha-Limpa.

Quebra-Molas



A única política pública da administração Teófilo/Moreira voltada para o trânsito de João Monlevade é a instalação de quebra-molas. Ensino da legislação de trânsito nas escolas nem pensar: se o povo passar a estudar as normas de trânsito nas escolas (como acontece nos países desenvolvidos) também pode querer aprender sobre os direitos básicos gerais, o que pode ser muito perigoso para o status quo.
E para atender alguns pedidos pontuais de eleitores em vésperas de eleições, o Settran sai instalando quebra-molas cidade afora, todos fora dos padrões técnicos exigidos pelo Contran. O nome correto daquilo é quebra-carro. 
Será que nunca viram uma lombada eletrônica? Monlevade não suporta mais tanto atraso.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Avião que se preza tem "trem de pouso"



Os nortistas creditam aos Irmãos Wrights o primeiro vôo de avião, supostamente,realizado em 1903. Ocorre que a geringonça dos Wrights não era autônoma e dependia de uma catapulta fixa para alçar vôo. 
O primeiro vôo autônomo, motorizado e controlado foi de Santos Dumont, em 1906, com o 14-Bis, equipado com rodas para decolagem e aterrissagem, que por se tratar de invento concedido por um mineiro não poderia ser chamado de outra coisa senão “Trem de Pouso”.
Logo após, em 1907, Dumont concebeu La Deimoselle (foto), um revolucionário aparelho com motor dianteiro, asas, cauda, niveladores e leme traseiros e, obviamente, "Trem de Pouso", cuja configuração é utilizada até hoje pela grande maioria dos aviões. 
Avião que se preza tem "Trem de Pouso". Porque não adianta nada voar e, depois, esborrachar a cara no chão.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Concurso Público

O concurso publico, recentemente, anunciado pela atual administração pode até ocorrer. Mas, é difícil acreditar que boa parte das 277 vagas seja, de fato, chamada a efetivar os quadros da Prefeitura.
Primeiro, porque o governo Torres tem, sistematicamente, terceirizado a prestação dos serviços públicos em João Monlevade, a contratar empreiteiras que possuem seus próprios funcionários. Difícil acreditar que as empreiteiras serão deixadas de lado para que funcionários concursados voltem a prestar os serviços públicos, diretamente.

Segundo, porque é ano eleitoral e a sensação que se tem é a de que também querem se aproveitar da situação de crescente desemprego para atrair número, proporcionalmente, grande de concorrentes/eleitores, que por motivos óbvios, acabarão induzidos a votar na candidata do governo, na esperança de, um dia, assumirem uma das 277 vagas anunciadas.            

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Oficializada Chapa Railton/Laércio

Ontem foi oficializada a chapa Dr. Railton (PDT) e Dr. Laércio(PT) para concorrer, respectivamente, aos cargos de prefeito e vice na corrida eleitoral que se inicia no próximo dia 7 de agosto.
Se por um lado, em campo adversário, a reação à composição da chapa foi de incontida irritação, por outro, a dobradinha Railton/Laércio foi capaz de reunificar a esquerda monlevadense em torno de um projeto comum para o Município.

A irritação adversária também demonstra o grande potencial da chapa e tem a mesma origem da precipitação com que possíveis aliados, até então, conduziram o processo de escolha de seus candidatos majoritários. A ansiedade tem grande capacidade em fechar portas na política.        

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Railton e Laércio de Vice

Até o momento, a composição mais viável para colocar João Monlevade de volta nos trilhos do desenvolvimento é a de Railton Franklin (PDT), prefeito e Laércio Ribeiro (PT), vice. Além de ambos puírem experiência política, o primeiro já tendo exercido a vereança e o segundo o mandato de prefeito, são médicos atuantes no Hospital Margarida, que demandará atenção especial do próximo governo para não se transformar no H. Santa Madalena.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Rotativo: Modalidade de Derrama que Desvia a Função Social do Bem Público


Temos o direito de utilizar o espaço público. Se o espaço público não tem sido ocupado, com se vê pelas fotos, o Rotativo não tem alcançado sua finalidade diante do interesse público. A finalidade do Rotativo é gerar rotatividade na utilização do espaço público e não lacunas ociosas que não são ocupadas nem mesmo pelos próprios moradores das ruas. O espaço público deve cumprir sua função social e não permanecer no ócio. Em outras palavras, o Rotativo, na forma em que se encontra implantado, está desviando o bem público de uso comum de sua função social, o que é inconstitucional. 
Como se encontra instituído pelo governo Torres, o Rotativo se apresenta apenas como uma nova modalidade de Derrama, vergada pelo intenso apetite da concessionária pelo lucro e pela voracidade da atual administração em arrecadar com multas, etc.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Associação Médica Pronuncia que Declarações de Provedor "Ofendem a Classe Médica como um Todo"

Em carta aberta, subscrita agora há pouco, a Associação Médica de João Monlevade, por meio de seu presidente, Dr. Manuel Furtado, repercutiu o absurdo episódio em que se envolveu, recentemente, o atual provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes. Segundo o documento, as declarações de José Roberto “ofendem a classe médica como um todo” e o atual provedor “demonstra não conhecer, ou no mínimo, não respeitar a imensa história da instituição e trajetória dos seus profissionais”.
Reproduzo abaixo a íntegra do documento:


A Associação Médica de João Monlevade e o Corpo Clínico do Hospital Margarida lamentam profundamente o episódio ocorrido na semana passada, quando o Provedor do Hospital Margarida, Sr. José Roberto Fernandes, partiu para uma agressão gratuita ao Dr. Getúlio Garcia, após se irritar com críticas feitas em um Blog escrito pelo filho do médico. Extrapolando uma situação que em nada dizia respeito ao Dr. Getúlio, que em momento algum fez qualquer tipo de comentário público sobre a instituição ou a própria pessoa do provedor, sequer o conhece.
Trata-se de um profissional renomado na cidade, com 38 anos de serviços prestados ao Hospital Margarida, extremamente discreto, que sempre deu assistência adequada e de forma prestativa aos pacientes internados, sejam estes do SUS ou particulares. E que, além disso, sempre atendeu na rede pública, tanto em Postos de Saúde da Prefeitura, quanto através do próprio CISMEPI. E que nunca se envolveu em “picuinhas” como esta.
Convém lembrar que, de acordo com quaisquer dos regimentos, tanto do Corpo Clínico quanto o do Hospital, quanto de acordo com o próprio CRM, com todo esse tempo de serviço e contribuição, qualquer médico do Hospital Margarida poderia pleitear realmente atender somente seus pacientes e nem configurar mais em nenhuma escala de plantão ou até mesmo de sobreaviso. O que não é o caso do Dr. Getúlio, que nunca solicitou tal direito, já adquirido há anos, e se mantém numa escala de sobreaviso, por sinal, não remunerada.
São declarações que ofendem a classe médica como um todo e que em nada contribuem para o bom relacionamento entre os médicos e o Hospital Margarida, tão necessário principalmente em momentos de crise como o que estamos vivendo. Principalmente vindo do principal lastro de representação da entidade e da própria Associação São Vicente de Paulo, que acabou de assumir este cargo tão importante e que demonstra não conhecer, ou no mínimo, não respeitar a imensa história da instituição e trajetória dos seus profissionais. Trata-se de uma declaração inflamada por questões de cunho pessoal, que ofendem profissionalmente um médico respeitado que nada tinha a ver com a história.
Solicitamos que o Conselho da entidade reveja se é mesmo este tipo de postura que esperam dos seus representantes e que o Sr. José Roberto consiga mais equilíbrio diante de críticas, sem partir para agressões gratuitas e de certa forma irresponsáveis àqueles que contribuem enormemente para o funcionamento do Hospital Margarida.
Sendo assim, declaramos mais uma vez que, apesar de nos sentimos muito desapontados com este triste e reprovável episódio, tranquilizamos a população que, episódios como este não interferem no atendimento e que o vínculo dos médicos com o Hospital é muito mais estreito. E que, apesar de diversas administrações passarem pela entidade, nós continuamos sempre disponíveis para dar o melhor atendimento à população.
João Monlevade, 1º de julho de 2016.
Dr. Manuel Furtado Neto
CRM 36860

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Provedor é Sócio em 47 Empresas

O atual provedor do Hospital Margarida é mesmo um prodígio! Difícil compreender como ele encontra tempo para se dedicar à providoria da Casa de Saúde já que, segundo o cadastro de sócios das empresas brasileiras (clique aqui), José Roberto Fernandes figura como sócio de nada menos que 47 empresas comerciais ou prestadoras de serviço, dos mais variados ramos e atividades, como criação de boi para corte, transporte rodoviário de carga, cultivo de milho, seleção e agenciamento de mão de obra, comércio de laticínios, comércio em geral, atividade de atendimento hospitalar, fabricação de estruturas pré-moldadas, aluguel de máquinas e equipamentos para construção, etc, etc, etc.





terça-feira, 28 de junho de 2016

Podemos ou não Estacionar nas Ruas Adjacentes?



Recentemente, circulou a informação de que o Prefeito tinha votado atrás na questão do Rotativo nas ruas adjacentes do Centro.  No entanto, as placas  do Rotativo instaladas nas ruas adjacentes continuam lá e a Prefeitura não informa, absolutamente, nada.  Então? Podemos ou não estacionar nas ruas adjacentes? E preço está salgado! No talão era 50 centavos, funcionava e não esvaziava as avenidas.
Teófilo está pior do que fisco português na Minas Setecentista,  aproveitando que faz aniversário amanhã a Revolta de Felipe dos Santos, ocorrida em Vila Rica, em 1710, contra a instalação das Casas de Fundição que cobrariam o famigerado Quinto.  Naquela época o mineiro era obrigado a pagar o correspondente a 20% do ouro apurado para a Coroa. Hoje, a lógica se inverteu. A empreiteira fica com 80% do faturamento do Rotativo enquanto o Município fica com apenas 20%.
Aguardamos Carlos Moreira utilizar a Rádio Cultura, que é uma concessão pública que presta o serviço público de radiodifusão, para informar a população sobre o Rotativo. 

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Resposta à Manchete de Hoje do Jornal A Notícia




Em resposta à manchete de capa da edição de hoje do jornal A Notícia estampada com os seguintes dizeres “Provedor acusa médico de negar atendimento aos SUS: para José Roberto Fernandes, Dr. Getúlio Garcia usa hospital para procedimentos particulares, mas não aceita atender, SUS, porque o SUS paga pouco. Médico nega e diz que provedor vai ter que provar o que falou”, publico a relação dos procedimentos do SUS realizados pelo médico Getúlio Garcia nos anos de 2014, 2015, até maio de 2016. Segundo a documentação emitida pelo Margarida, o médico Getúlio Garcia, que também atende pelo SUS na Policlínica e no Cismep,  somente no Hospital, realizou  93 procedimentos pelo SUS, em 2014; 138 procedimentos pelo SUS, em 2015; e 43 procedimentos pelo SUS, até maio de 2016.
Portanto, o atual pendulante provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes, além de mentiroso, não tem coragem para encarar, diretamente, quem combate o palanque politiqueiro, irresponsavelmente, armado pelo mesmo no Hospital de Louis Ensch, ao custo de enormes prejuízos para a população, em idolatria do corrupto Carlos Moreira, que, não por acaso, é o verdadeiro responsável pelo atual desmonte da Saúde Pública monlevadense,  ao tentar de forma fracassada adaptar ao custo atualizado de 30 milhões de reais em recursos públicos um inviável e inacabado hospital de 100 leitos no prédio da antiga Rodoviária. Fosse o Brasil um país sério, Moreira estaria preso junto de seus laranjas.     

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Omissão Eleitoreira de Provedor Projeta Dívida de 15 Milhões para o Hospital Margarida

Provedor é aquele que utiliza dos instrumentos disponíveis para prover determinada instituição dos recursos materiais e imateriais necessários a seu bom funcionamento. Não é o que tem feito o atual provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes. 
Desde que José Roberto Fernandes assumiu a função de provedor do Margarida, o hospital já acumula uma dívida no valor de 12 milhões de reais e um déficit financeiro mensal da ordem de meio milhão de reais. É que na gestão de José Roberto Fernandes, o governo Teófilo Torres transferiu o Pronto Atendimento (PA), do custoso prédio da antiga Rodoviária, onde Carlos Moreira tentou improvisar um inviável hospital de 100 leitos, ao custo atualizado de 30 milhões de reais, para as dependências do Hospital Margarida. 
Ocorre que o Município despendia, mensalmente, cerca de 1 milhão de reais com o PA instalado no prédio do antigo terminal rodoviário e após a transferência do PA para o Margarida, o governo Torres passou a repassar apenas 565 mil reais para o hospital, considerando ainda que dentro deste valor também ser levado em conta o repasse de cerca de 250 mil reais que o Município já realizava, mensalmente, para o custeio da urgência e da emergência do Margarida, nos termo do convênio específico. Assim, a subtrair dos 565 mil reais, atualmente, repassados pelo Município, o valor de 250 mil devidos ao hospital pelo custeio da urgência e emergência, tem-se que o governo Torres paga ao Margarida apenas 315 mil reais pelo custeio de um PA que, instalado na Rodoviária, gerava uma despesa da ordem de 1 milhão de reais. Moral da estória: considerando o custeio do antigo PA, o governo Torres está em falta com 685 mil reais todo mês no Margarida. Esta é a origem do déficit financeiro mensal do Hospital Margarida, em torno de 500 mil reais. Um pouco menor que a diferença entre o custeio do antigo PA e o atual repasse do Município, já que a operação do PA no Margarida é, obviamente, mais barata do que no prédio do antigo terminal rodoviário, o que mais uma vez reforça a inviabilidade do que foi a impensada tentativa de se improvisar um hospital de 100 leitos naquele lugar. 
Na função de provedor do Margarida que incorporou o PA ao hospital, o que se esperava de José Roberto Fernandes é que o mesmo agisse e trabalhasse como tal, a cobrar do governo Torres o repasse integral do custeio do antigo PA, até mesmo pela via judicial, se necessário. Mas, o que se vê é um provedor tímido e omisso na defesa dos interesses financeiros do Hospital Margarida, junto ao Município. É um provedor figurativo que, diante das relações que tem com o corrupto e inelegível Carlos Moreira, assume apenas a função de transformar o Hospital de Louis Ensch em palanque eleitoreiro para a candidata da situação que, não por coincidência, é a atual consorte conjugal do próprio Carlos Moreira. 
E, enquanto, José Roberto Fernandes, eleitoreiramente, se omite em sua função de provedor, a dívida do Margarida só cresce, com a estimativa de chegar ao fim do ano com um valor superior a 15 milhões de reais.

Provedor do Hospital Margarida Tenta Censurar Blog e Tem Pedido Negado pela Justiça

O proprietário das Óticas Americanas, José Roberto Fernandes, e atual provedor do Hospital Margarida, que em sua gestão já acumula dívida de 12 milhões de reais, ingressou com ação judicial na tentativa de censurar matéria divulgada no Blog Monlewood e teve liminar negada pela Juíza da Comarca, Marina Rodrigues Brant, abandonando a causa, posteriormente.
Publiquei no Monlewood:
Deparo-me com out-door fixado na Av. Wilson Alvarenga, região central de João Monlevade, com uma enorme foto do ímprobo e inelegível Carlos Moreira. Deve ser um anúncio de pagamento por recompensa, pensei. PROCURADO, POR LESAR MONLEVADE EM DEZENAS DE MILHÕES DE REAIS!
Mas, não. Tratava-se de anúncio publicitário de uma ótica local. Quem em sã consciência associaria sua marca à imagem do ex-prefeito mais processado da história de João Monlevade, com bens bloqueados pela Justiça, sucessivas condenações por ato de improbidade administrativa e incurso na Lei da Ficha Limpa?
Vivemos o final dos tempos em que os valores éticos estão todos invertidos, em que malfeitores são idolatrados como deuses.
Evite marcas que se associam a corruptos!
No processo, além do pagamento de dano moral no valor de R$ 28.462,00, José Roberto Fernandes, exigiu que o texto transcrito acima fosse retirado da internet, o que foi negado pela Justiça.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Missão dos Próximos Vereadores e Prefeito de João Monlevade


A República Democrática Moderna só pode ser construída por meio da eficiência do funcionamento das instituições do Estado Moderno. 
João Monlevade é um dos mais modernos municípios do estado de Minas Gerais, contando, portanto com todas as instituições próprias da República Democrática Moderna.
Monlevade tem rádios, jornais, mídia eletrônica, Ministério Público atuante, Sindicatos fortes, inúmeras associações, situação e oposição, entidades de fomento econômico como CDL e Acimon, universidades, escolas, órgãos de fiscalização, etc.
No entanto, em João Monlevade, muitas destas instituições, ao invés de estarem montadas para servir ao interesse público, ao bem comum e, portanto, à República Democrática, são tomadas de assalto por determinados grupos políticos e, convenientemente, configuradas para servir a privilégios de poucos e a projetos pessoais e dinásticos de poder.
O Hospital Margarida é uma destas instituições modernas de João Monlevade. Afinal, conforme determina a Constituição, a prestação do serviço de saúde é uma das atribuições da República Democrática Moderna. Ocorre que, como está configurado, atualmente, a se prestar a palanque político e a cabide de emprego de determinado grupo político, o HM apresenta enorme dificuldade em assumir sua função republicana, que é a de prestar serviços públicos de saúde ao munícipe. 
A Rádio Cultura é outra instituição moderna indispensável à República Democrática Monlevadense, já que a circulação das informações relevantes e conceito de imprensa livre são indispensáveis à concretização de uma Democracia, de fato. Todavia, como a rádio é de propriedade do pai do prefeito e, ao contrário de informar, é utilizada por Carlos Moreira conforme seus interesses pessoais ou conjugais de poder, ela deixa de participar da construção do processo democrático local, para tomar o sentido avesso, colaborando -isso sim - para interrompê-lo, pois nenhum processo democrático verdadeiro pode ser norteado pela alienação e pela manipulação da informação. 
A concessão do Transporte público de passageiros também é uma instituição moderna de João Monlevade, vez que a constituição consagra ao munícipe o direito de ir e vir. Contudo, como, atualmente, o serviço de transporte público se encontra, exclusivamente, montado para garantir lucros exorbitantes para a Enscon, o uso eleitoreiro do sistema e o privilégio de poucos, ao avesso de garantir o direito de ir e vir do cidadão, a preços módicos, o que se vê é uma concessão que exaure e sufoca as energias da cidade.
E na situação em que se encontram as instituições citadas acima, encontram-se várias outras em João Monlevade. De modo que os candidatos a próximos vereadores e a próximo prefeito de João Monlevade que não compreendem tal estado de coisas e que não demonstram disposição para entregar as instituições democráticas monlevadenses de volta para seu povo, não serão dignos de voto na eleição municipal que se avizinha. Serão apenas mais do mesmo e isso Monlevade não merece.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Apartheid no Hospital Margarida


O Apartheid foi o regime de segregação racial entre negros e brancos que vigorou na África do Sul, do pós-guerra a meados da década dos noventa.
Desde o dia 13, a atual administração do Hospital Margarida, que já acumula uma dívida recorde de mais de 12 milhões de reais, decidiu por segregar o atendimento dos pacientes que se dirigem ao único hospital do Município.
Ao contrário do Apartheid sul-africano, a segregação instalada no Hospital de Louis Ensch não é orientada pela cor da pele ou pela etnia do paciente.  O Apartheid da gestão do provedor José Roberto Fernandes - aquele mesmo que lançou o  ficha suja, Carlos Moreira, a condição de garoto-propaganda no outdoor -  tem natureza sócio-econômica: o paciente que tem poder aquisitivo para pagar plano de saúde deve se apresentar na “ala dos convênios”; o paciente do SUS deve se dirigir à ala do SUS. 

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Atração Turística Desconhecida e Escondida em Monlevade




O município de João Monlevade tem uma grande atração turística que é o Martelo-Vapor de 1200 quilos (fotos), certamente, a primeira Máquina a Vapor de Minas Gerais e a primeira utilizada em método industrial no Brasil, importada da Inglaterra pelo engenheiro francês Jean de Monlevade e chegada à sua Fábrica de Ferro, em 1828, através da navegação pelos rios Doce e Piracicaba, com a ajuda decisiva dos índios Botocudos. 
O Martelo-Vapor de Monlevade também insere o Município, diretamente, no circuito da Estrada Real, pois também era utilizado para forjar as cabeças dos trituradores empregados no processamento do minério aurífero nas companhias inglesas, que representaram um terceiro estágio da mineração do ouro em Minas Gerais. 
O Martelo-Vapor de Monlevade ainda concede ao Município os títulos de “Berço da Indústria Brasileira”, “Berço da 1ª Máquina a Vapor de Minas” e “Berço da 1ª Máquina a Vapor da Indústria Brasileira”.
Atualmente, a Máquina a Vapor de Monlevade é completamente desconhecida dos munícipes e é mantida no Museu da Arcelormittal, fechado à visitação, cujo telhado desapareceu.

Rotativo



Teófilo Torres entregou todo o espaço do centro comercial da cidade a empresa que vai cobrar 2 reais a hora pela vaga de estacionamento porque não precisa ir ao centro para trabalhar. Aliás, o que se comenta é que seu comparecimento à Prefeitura é intermitente. 
Há demanda por rotatividade na Avenida Getúlio Vargas. Nas demais, não. O prefeito não contrabalançou o apetite arrecadatório da empreiteira que prestará o serviço em relação ao direito do cidadão de se deslocar para o centro de carro, numa cidade em que o transporte público é caro e de péssima qualidade, o que desencoraja o cidadão a deixar de utilizar seu automóvel.
O que também se comenta é que Teófilo apenas implanta o atual Rotativo porque não será candidato. A implantação do Rotativo em ano de crise e nos moldes propostos tem sido encarada como medida bastante impopular. 
Outro problema é a falta de comunicação do Prefeitura em relação ao Rotativo. A grande maioria dos afetados com a medida ainda não sabe como e a partir de quando começará a funcionar.


sexta-feira, 20 de maio de 2016

Mulher de Moreira


Nas últimas eleições municipais, o então desconhecido Teófilo Torres foi eleito prefeito com o diferencial, como se dizia, de que era filho do onipotente, como também se dizia, Mauri. Ao fim do mandato, o resultado é um índice enorme de reprovação popular a seu governo e um prefeito reticente a disputar a reeleição.
Agora, a substituir a candidatura de Teófilo, o grupo de Mauri lança o nome da atual assessora de governo do Município, Simone Carvalho, que tem como único diferencial o fato de ser a atual mulher de Carlos Moreira, que não pode ser candidato, pois se encontra com os direitos políticos cassados pela Justiça. 
Não será possível alcançar resultados diferentes dos atuais, agindo sempre igual. Muito menos quando a suposta qualidade da candidata é a de ser consorte conjugal do ex-prefeito mais corrupto da história do Município, que além dos atos lesivos que cometeu contra o erário, ainda levou o sistema público de saúde à bancarrota e ao caos que se encontram, atualmente, ao tentar adaptar um hospital de 100 leitos, ao custo de muito mais de 22 milhões de reais, no prédio da antiga Rodoviária.