terça-feira, 26 de abril de 2016

Por Falta de Telhado Peças Históricas se Perdem no Museu Monlevade




Não é por menos que o Museu Monlevade do Ferro e do Aço encontra-se fechado à visitação. Como demonstram as fotos anexas, todo o telhado que cobria e protegia as peças originais da Fábrica de Ferro de Monlevade veio à baixo há muito tempo e ainda não foi reconstruído pela Arcelormittal.
Entre as peças que se encontram expostas à chuva e às intempéries, destacam-se o Martelo/Pilão e sua fornalha - a primeira máquina a vapor da indústria brasileira - e vários outros equipamentos chegados à sua fábrica através da Expedição Monlevade pelo Rio Doce, em 1828, além de outros, com especial preocupação para os de madeira, como uma das rodas hidráulicas utilizadas para soprar os fornos da Fábrica Monlevade. Tais rodas são citadas por João Monlevade em seu relatório de 1853:


..."Na fábrica velha existem duas rodas hidráulicas poderosas... um bicame ou tanque d’água, colocado a trinta palmos acima do fundo do canal, e no meio da casa está recebendo a aguada tôda do ribeirão, dando a fôrça motriz para as duas rodas, e o vento necessário por meio de quatro trompas, repartidos com canais de braúna por tôdas as partes".

A madeira não suporta a ação da chuva, etc, e, sem o telhado, em pouco tempo a Roda D’água, o carro de boi e outros objetos do Museu Monlevade se perderão para sempre.
Até o tempo em que o Grupo Arbed foi proprietário da Usina Monlevade, o Museu funcionou, aparentemente, bem na conservação de seu precioso acervo. Hoje, com a era Mittal, o Museu é mantido fechado para que o monlevadense não seja testemunha da absurda perda de mais de patrimônio histórico e identitário. O indiano Mittal não investe um centavo sequer em Monlevade se não for para o lucro. Ora, se não tem interesse no patrimônio histórico monlevadense, deveria entregá-lo a seu povo.