segunda-feira, 22 de maio de 2017

Teatro no Processo do Bingo do Hospital Margarida

A empreiteira de engenharia civil denominada Leonardo Pacheco ME, com sede em Viçosa, reduto eleitoral de Rodrigo de Castro, e contratada pelo atual provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes, ao custo de R$ 40.000,00, para realizar o, até então, beneficente Bingo do HM, sob a justificativa de que a realização de tal evento demanda o emprego de complexos conceitos de engenharia, não compareceu a audiência de conciliação designada para o ultimo dia 10 no Fórum local. 
Depois de suspenso o Bingo pela Justiça, a empreiteira, que, segundo o provedor era muito gabaritada e possuía capacidade econômica para a realização do evento, responde a processo para devolver o valor correspondente às cartelas adquiridas pela população, orçado em 1 milhão de reais.
Até agora, nada do dinheiro, apesar de uma determinação judicial para fazê-lo. Estranho também é o fato de o provedor não ter requerido, judicialmente, o bloqueio de bens e/ou de ativos financeiros sob a titularidade da empreiteira para garantir a devolução dos valores das cartelas. De modo que, até o momento, a pretensão judicial aviada por José Roberto Fernandes à Justiça com vistas à devolução do dinheiro do Bingo não passou de uma peça de teatro, pois não foi acompanhada de requerimento de medidas duras, mas necessárias à garantia da devolução dos valores.