Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Provedor Sinaliza para Substituição de Corpo Clínico do Hospital Margarida



Já escrevi que o médico que trabalha no Margarida não pode mais ficar alheio às questões políticas locais, eis que o hospital não é mais administrado pela saudosa e extinta Belgo-Mineira. Há algum tempo, o HM é subvencionado pelo Município, tendo, portanto, o governo municipal grande influência diante das decisões tomadas no âmbito do hospital. 
Recentemente, o atual provedor do HM, José Roberto Fernandes, anunciou uma auditoria no Hospital, a se realizar por meio de parceria com a Fundação São Francisco Xavier (FSFX).
Ocorre que, a partir de 2014, a FSFX passou a administrar o Hospital Carlos Chagas de Itabira, que já contou com 150 leitos. Atualmente, na gestão da FSFX, o hospital passou a contar com o número de apenas 50 leitos e, praticamente, todos os médicos do corpo clínico do Carlos Chagas foram substituídos por profissionais vinculados à própria FSFX.
É que se percebe por parte atual gestão do Margarida uma inconformidade muito grande em empenhar a subvenção que é, mensalmente, repassada pelo Município para o pagamento de honorários médicos. Eles têm outras prioridades, como a contratação de empreiteira para instalar granito no piso do hospital ou a contratação de particular para realizar o Bingo beneficente, suspenso pela Justiça. Aliás, quem precisa de médico quando se tem o ex-vereador Werneck a receitar medicamentos para a população?!!
Outra leitura também verosímil que se pode fazer diante da possível substituição do corpo clinico do HM é que a atual gestão da casa de saúde não quer saber de médicos atrevidos que lançam candidaturas para ao cargo de prefeito e vice, a disputar e quase vencer o grupo de Carlos Moreira nas urnas, como foi o caso da última eleição municipal, a mais concorrida da história política de João Monlevade. .