quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O Halloween de Aécio Neves

É regurgitante essa afixação que a Elite Brasileira tem de bajular tudo que é de fora, principalmente, dos EUA. 
 Numa dessas, importaram para cá o tal de halloween. E nesse último mês de novembro o que não faltou foi assombração pra rua afora. As bruxas realmente estiveram soltas. Houve também zumbis, vampiros e um morto-vivo, que ainda não se tocou que sua passagem para o além já se efetivara em 08 de outubro de 2014 . 
Tentar colocar Aécio Neves como líder de alguma coisa, como a Globo tem tentado, desde a derrota do tucano nas eleições deste ano é o mesmo que tentar ressuscitar um morto. 
Globo e Veja buscam embutir no imaginário nacional que as eleições passadas foram as mais sujas da história. Nisso eu concordo. Foram sujas, imundas tanto quanto a vida regressa de Aécio Neves. Ninguém mais desconstruiu Aécio Neves, do que dele mesmo. Aécio perdeu as eleições porque enquanto este no poder, em Minas, amordaçou a imprensa mineira, massacrou os professores, desviou recursos da Saúde e Educação, quebrou o estado, além de várias outras coisas, e ainda demonstrou intimidade ímpar com o tráfico internacional de cocaína, porquanto Perrella, o dono do helicóptero, sempre foi seu braço forte na política mineira. O caso do absurdo aeroporto de Cláudio também pesou. Isso, sem falar no indigesto figurino de playboy-burlesco de garotão que nunca defendeu Minas Gerais. 
Tivessem os tucanos produzido um candidato melhorzinho, talvez, pudessem assumir o poder, a partir de 1° de janeiro. Mas, agora que perdeu, é preciso respeitar o resultado das urnas. 
Vindo de quem vem, é necessária paciência para que a raiva da derrota se arrefeça. Enquanto isso, o país assiste a tristes episódios de baderneira no Congresso, numa tentativa única e exclusiva de se impedir o funcionamento da casa.
Depois do natal, a raiva passa. Até porque Aécio não tem militância para tal nem é interesse da Grande Mídia o acirramento das posições, já que, se realmente vier a ocorrer algo afinado com o já conhecido viés golpista da Elite Brasileira, por certo os defensores do Estado Democrático de Direito também saíram às ruas para sustentar o governo constitucional de Dilma e, então, o país poderá, na pior da hipóteses, mergulhar num antagonismo fratricida bastante traumático, até mesmo para a Grande Mídia, e, certamente, ninguém quer isso. 
Aécio, a máscara dos dias das bruxas cai uma vez só. Deixa de raiva e volta para a Barra da Tijuca, que tem muito mais a ver com seu perfil.