Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

segunda-feira, 3 de julho de 2017

O Peso de Belmar Diniz

Perdemos as últimas eleições municipais para nós mesmos. Foram vários os erros cometidos internamente pelo grupo que levaram à derrota nas urnas por uma diferença tão pequena de votos.
Mas, talvez, o erro mais gritante e inaceitável ocorrido na última eleição tenha relação com a estrutura da Campanha Majoritária, ou seja, dos candidatos a prefeito e a vice, montada no Bairro Cruzeiro Celeste, que, nos últimos 20 dias da disputa eleitoral foi, intensa e descaradamente, utilizada para pedir votos para o vereador Belmar Diniz. Assim, Belmar Diniz foi eleto, mas faltaram os 126 votos para eleger Railton e Laércio. Aliás, pode-se dizer que Belmar Diniz foi eleito com o voto alheio, que pertencia a Railton e Laércio.
Gostaria de compreender o pensamento lógico que fundamenta o sacrifício de uma Campanha Majoritária, representada pelo desejo de mudança, para se reeleger um vereador que no último mandato votou a favor de todos os projetos do governo Torres, como o Rotativo, a terceirização do DAE, a autorização para a Enscon recusar o pagamento da passagem em dinheiro e tantos outros. 
Trata-se de um exemplo claro de como a desonestidade é sempre malévola e prejudicial ao todo, pois a esperteza que favoreceu a eleição de Belmar fulminou, por diferença de apenas 126 votos, uma oportunidade de mudança e de esperança para João Monlevade. 
A cassação de Simone projeta a possibilidade concreta de realização de novas eleições para prefeito e vice no fim do ano. Mas, se o grupo seguir cometendo os mesmos erros, é muito provável que o grupo de Moreira vença novamente.