segunda-feira, 20 de outubro de 2014

A Tucanda na Falácia do Passado Proibido

A Tucanda, valendo-se do sistema de mídia moldado pela Ditadura Militar e, infelizmente, ainda vigente (Organizações Globo), pretende embutir no imaginário nacional que apenas o futuro pode ser discutido nesta eleição, devendo o passado ficar de fora dos debates. 
Ora, sem conhecer o passado é impossível compreender o presente e, por conseguinte, planejar o futuro. Passado é memória. E aquele que perde sua memória, pode ser um país ou uma pessoa, perde também sua identidade. A pessoa, por exemplo, que passa a sofrer de amnésia, deixa de saber quem é, quem é sua família, a profissão, os acontecimentos passados de sua vida e, consequentemente, deixa de ser quem sempre foi, ou seja, deixa de ser ela própria. Todos somos a consequência direta de nosso passado. Se você hoje lê, é porque no passado se alfabetizou. Se hoje é universitário, é por que no passado estudou e foi aprovado num vestibular (Enem). E é assim com tudo na vida. Aliás, não há outro meio de, filosoficamente, avaliar os candidatos à Presidência da República, senão pelo que ambos fizeram ou deixaram de fazer no passado. 
Quando se vê que a Grande Mídia nacional direcionando a disputa eleitoral com o uso da disseminação de mentiras travestidas de verdades (falácias) , a sensação que se tem é que o Brasil está condenado á perdição. Mas felizmente, hoje, temos outros meios de mídia e o país não vai deixar enganar-se por mais essa manipulação global. A abstenção em discutir o passado somente interessa àqueles que têm um passado de imundices escandalosas (muitas abafadas pela própria Globo), de relativa incompetência e de entreguismo geral. 
Portanto, a analise do passado de cada candidato, principalmente, nas oportunidades em que os mesmo estiveram no poder, são fundamentais para que o eleitor possa votar de forma, realmente, consciente, porque o poder ainda tem a capacidade de revelar a verdadeira natureza do indivíduo. E ninguém nega sua natureza nem mesmo os animais. É por isso que não se deve colocar a raposa para administrar o galinheiro. 
Não deixe a Globo votar por você, antes de apertar “confirma” no domingo próximo, conheça e compare o passado dos partidos e dos candidatos concorrentes ao pleito.