Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

E se Fecharem as Minas!!!


Não há Mineiridade que possa se calar diante da manchete chantagista estampada sob uma foto aérea da Mina de Brucutu na capa da edição do jornal A Notícia da última sexta-feira, intitulada “E se fecharem as minas?”.
Mais uma vez o órgão de imprensa faz circular a mensagem de que devemos dar graças ao Criador por contarmos com a benevolência do grande capital para explorar nossas riquezas e que, por isso, essas empresas não devem ser “incomodadas”. Pois foi por considerar que a cobrança pela responsabilidade sócio-ambiental da Samarco era um “incômodo” que não houve fiscalização adequada na Barragem do Fundão! Hoje Minas é vítima da maior catástrofe ambiental do continente Americano.
Aliás, é assim que o jornal também trata a siderurgia em João Monlevade e o resultado tem sido a imensa destruição do patrimônio histórico que se verificou na Praça Ayres Quaresma, o fechamento do Museu do Solar Monlevade, a deterioração de prédios históricos, como Cassino Monlevade, e uma Usina, completamente, fechada ao Município. Outra catástrofe!
O Capitalismo Mundial não vive sem o ferro de Minas Gerais. As Minas de Ferro somente serão fechadas após o ultimo vagão descarregar sua carga metálica no porto de Tubarão. 
E ademais, a atual crise do preço do minério de ferro tem sua origem, justamente, no atual e nefasto modelo de mineração que é um oligopólio das grandes mineradoras, muitas delas estrangeiras. Foram as maiores produtoras de ferro do mundo, a Vale e as australianas Rio Tinto e BHP, que se uniram para aumentar em demasia a oferta de ferro no mundo, jogando o preço da commoditie no chão, para, literalmente, quebrar as médias mineradoras, principalmente, as chinesas. Apenas em relação ao 1º semestre deste ano, a Vale teve um aumento de 6,2% na produção de minério de ferro, considerando o mesmo período de 2014. Com o assustador aumento dos últimos anos, também se verificou um grande acréscimo na produção do rejeito. E o resultado todos conheceram em Mariana. 
Com o atual modelo de mineração, nunca se produziu tanto minério de ferro e tanto rejeito, a preço tão baixo. Isso, sem falar nos royalties da mineração vigentes, que são os mais baratos do mundo. É esse o interesse de Minas?!!