quinta-feira, 15 de março de 2018

Nepotismo no Margarida: ou Mandato de Vereador ou Emprego do Filho



Pela situação dos nervos do vereador Toninho Eletricista, ao utilizar a tribuna da Câmara ontem e, novamente, fazer referencia à minha pessoa, pude concluir que a hipótese de seu filho perder o emprego que tem no Hospital Margarida é,intensamente, perturbadora para  o parlamentar  à avessas.
Antes porém,   é preciso chamar à atenção de como o fisiologismo entres os poderes, não só traz prejuízo ao Município como também faz neutralizar e invalidar as instituições democráticas. Ora, para se ver instalada o mínimo de uma Democracia se fazem necessárias a harmonia e, sobretudo, a independência entre os três órgãos de poder do Estado: Executivo, Legislativo e Judiciário. Frisa-se, é preciso que haja independência entre os poderes para que um fiscalize o outro. Uma das funções do Legislativo é, por exemplo, fiscalizar o Executivo, principalmente no que diz respeito à execução do orçamento público.
A corrupção não se dá apenas por meio de malas de dinheiro, ela também pode advir de relações promíscuas e fisiológicas entre os poderes, que são igualmente prejudiciais ao Município, ao passo que fazem neutralizar as instituições democráticas. Quando um vereador “ajeita” o emprego do filho no Hospital Margarida, que é subvencionado pelo Município,  já existe um prejuízo para a administração pública que  tem relação com a meritocracia, porque o cargo é ocupado não por quem apresenta maior capacidade técnica para tal, mas pelo filho do vereador, por apenas esta razão. Mas o prejuízo maior para a Democracia é que, em tais condições, o vereador, ao invés de defender o povo, passa a defender a todo custo o emprego do filho no Hospital Margarida, fechando os ouvidos para todas as irregularidades e abusos que existem no HM, as quais ele, como vereador, deveria fiscalizar combater. Torna-se um vereador à avessas, inimigo do povo, que provoca prejuízos institucionais para o Município. Recebe subvenção dos cofres públicos para defender o emprego do filho, jamais o bem comum.  
Em relação à fala de Toninho Eletricista na tribuna da Câmara, defendendo o emprego do filho no HM, sob a justificativa, segundo disse o próprio vereador, de que paga aluguel de R$ 480,00, etc,  nitidamente,  abusando da  imunidade parlamentar, inclusive, proferindo ameaça, posso dizer que representação contra o mesmo e contra a ASVP será aviada ao Ministério Público pela prática de nepotismo, representação formal pelo crime de ameaça será encaminhada ao delgado de polícia,  com cópia do vídeo da fala do vereador e demais medidas judiciais também serão tomadas contra o vereador. Não tenho ido às reuniões da Câmara, justamente, porque expedientes  como o protagonizado por Toninho Eletricista me embrulham o estomago.  Se o vereador quiser me encarar, como desejou, deve comparecer às reuniões do Conselho Municipal de Saúde, que têm sido realizadas no prédio da câmara. Não desviaremos nosso foco sobre o CNPJ da ASVP para fazer firula com o martírio reverso de vereador fisiologista, que é o que pretende Carlos Moreira através do Toninho Eletricista. Aliás, é incrível o poder que fisiologismo tem sobre os políticos, no sentido de fazê-lo mudar de lado e de ideologia tá rapidamente, já que Toninho foi eleito pela coligação de Railton e Laécio e, mal o filho foi empregado no HM, já defende Moreira e sua turma. Agora Toninho vai ter que escolher, ou o mandato de vereador ou o emprego do filho no Margarida.