quarta-feira, 15 de julho de 2015

Bolha Imobiliária murcha e quem não se adequar pode perder ainda mais dinheiro

Certamente, Monlevade viveu o maior boom imobiliário de sua história nesses últimos 10 anos. Prédios novos pipocaram por todos os pontos da cidade e centenas de unidades foram disponibilizadas para o mercado. E na lógica da irrevogável lei econômica da oferta e da demanda, diante do aumento da oferta, os preços deveriam cair. Deveriam...
Mas, em João Monlevade, outra variável também pesa sobre o mercado imobiliário. O nome dela é a cobiça. O construtor gasta 170 mil reais para produzir um apartamento de 3 quartos, mas quer vede-lo por 400 mil. O sujeito quer construir um prédio apenas e já ficar multi milionário de uma vez! Quitinete alugada por 500 reais é um escárnio!Tudo isso é contra a realidade do mercado e tem o nome de bolha, que poderia estourar sabe-se lá quando e como.
Só que agora, diante da retração econômica que já afeta até a China, essa bolha tem que murchar. É preciso que o mercado compreenda a nova realidade econômica e deixe a cobiça coletiva de lado, baixando os preços. Os agentes imobiliários têm que compreender que é muito melhor, por exemplo, alugar por 400 ou 500 reais um apartamento pelo qual se pedia 900 reais, do que mantê-lo vago. E quem demorar a perceber isso, vai perder ainda mais dinheiro.