Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Moreira, Simone e a Verdade sobre a Implantação da Ufop e Uemg

Candidato da Chapa Paraguaia, ao estilo Rádio Cultura, já está buscando desinformar o eleitor sobre a verdade da implantação dos campus da Ufop e da Uemg em João Monlevade. Ele afirma que as duas universidades públicas foram instaladas no governo do ficha-suja, inelegível Carlos Moreira, como se tal medida tivesse partido do ex-prefeito ímprobo. Afirma também que a atual consorte conjugal de Moreira, a candidata a prefeita Simone, supostamente, teria participado de todo o processo, numa tentativa de fazer o eleitor crer que a mesma tem alguma experiência administrativa e espírito público. 
Ocorre que a única relação que Moreira tem com as universidades é o casuísmo: era ele o prefeito e como tal não fez mais do que a obrigação de recebê-las. 
A iniciativa de se instalar a Ufop e a Uemg em Monlevade, na verdade, não foi de Moreira. A vinda das universidades fez parte de um acordo firmado entre o governo federal, o governo do estado e a empresa Vale como condicionante para a instalação da Mina de Brucutu, em São Gonçalo. Perceba que os cursos inicialmente oferecidos pelas universidades eram todos voltados para a atividade mineradora: Engenharia de Minas, Engenharia Ambiental, Engenharia de Produção e Sistemas de Informação. Monlevade foi escolhida, por ser a cidade mais próxima de Brucutu, com condições estruturais para abrigar as duas universidades.
O que Moreira fez, posteriormente, foi desviar recursos da Prefeitura para custear a formatura de um sobrinho na UFOP, o que lhe rendeu um processo criminal por desvio de renda pública, em que o ex-prefeito foi condenado a 2 anos de reclusão, substituída por prestação de serviços à comunidade, e inabilitação para o exercício de cargo eletivo por 5 anos. Foi mais uma ação que tornou Moreira inelegível, obrigando-o a lançar sua mulher candidata, numa tentativa de burlar a Lei da Ficha-Limpa.