Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Bastieri: Limpa Trilhos Político

Ontem, 23 de fevereiro, mal havia circulado a edição do Jornal Bom Dia, trazendo a matéria, na qual o principal expoente do PT monlevadense em Brasília, Gleber Naime, sinalizara sobre a necessidade de ruptura entre o Partido dos trabalhadores e governo, o vice-prefeito Wilson Bastieri, sob o efeito de uma espécie de automatismo que tem lhe sido peculiar nesses casos, se alvoroçou mais uma vez na defesa cega e anti-petista do prefeito Gustavo Prandini, emitindo nota pública de desagravo, com se fosse um verdadeiro limpa trilhos político.
Com todo o respeito que se deve reservar à figura da vice-chefia do Executivo, está claro para todos que Bastieri não fala em nome do PT. Por força estatutária, a voz petista somente pode ser ouvida por meio de seu Diretório ou através de sua presidência.
A réplica do vice-prefeito apenas demonstrou sua falta de sintonia para com seu partido, haja vista existir sim, dentro do PT monlevadense, um forte e crescente antagonismo em relação ao governo Prandini, motivado, justamente, pelas razões informadas pelo próprio Gleber Naime. Coisa que não teria acontecido, caso o vice-prefeito tivesse assumisse o seu papel de interlocutor de seu partido junto ao governo. Alias, a situação não teria chegado a esse ponto, se o vice-prefeito, no mínimo freqüentasse, rotineiramente, as reuniões ordinárias do partido, como faz todo petista interessado, ao contrário de somente comparecer quando é, praticamente, convocado para tal.
Causou-me enorme repulsa a capacidade demonstrada pelo vice-prefeito, em sua malfadada réplica, de dividir o Partido dos Trabalhadores, citando apenas o nome de companheiros que, por mérito, ocupam cargos no governo, ao passo que omitiu o nome de vários outros, que apesar de não estarem empregados na Prefeitura, são petistas da mais alta relevância partidária, como Dr. Laércio, Dr. Rosangela, Neto, Belmar, Dulcinéia, Norberto, Gilliard, Elizeu e vários outros filiados e militantes.Será que o único papel que o vice-prefeito enxerga para o PT é o de ocupar cargos no governo? Empreguismo? Bastieri, líder é quem agrega e governo é quem participa das tomadas de decisão.
Por fim, gostaria de citar e comentar o último parágrafo da desafortunada e inoportuna réplica do vice-prefeito:

“O prefeito Gustavo Prandini vem cumprindo TODOS os compromissos firmados com o Partido dos Trabalhadores desde o período pré-eleitoral e reafirmo: O PT É GOVERNO EM JOÃO MONLEVADE”.

Pois bem, como replicou o vice-prefeito, durante o período pré-eleitoral, compromissos foram firmados entre o PT e o então candidato Gustavo Prandini. Inclusive, como se sabe, foi confeccionado e assinado um documento, concretizando a aliança partidária. Documento este que nunca foi exibido dentro do Partido dos Trabalhadores . Ora, Bastieri, exiba este documento para apreciação do Diretório. Aí, sim poderemos dizer se o PT os considera cumpridos ou não.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Pastor na Câmara. Desta Vez, Martin Luther King


Cidadã cita frase do pastor protestante e ativista norte-americano dos direitos civis, Martin Luther King, em manifestação na reunião ordinária da Câmara desta quarta feira, 23 de fevereiro.

PT Governo?

Política é via de mão dupla. Significa dizer que um sistema político só pode funcionar, satisfatoriamente, mediante a dialética e a interação, que devem existir entre seus atores, sejam eles partidos, governo, a base de sustentação dentro e fora Câmara e etc. E no regime democrático, a dialética política funcionará, invariavelmente, como a graxa que lubrificará as engrenagens da máquina administrativa e a cola que manterá a coesão entre os atores políticos, que dentro da interatividade política, poderão ser chamados de governo. Assim, só se pode dizer que determinado ator político é governo, a partir do momento em que ele se insere nesta dialética, nesta via de mão dupla, interagindo ativamente, nas tomadas de decisões político-administrativas. Ou seja, ser governo não é apenas ter cargos numa administração e sim ser, no mínimo, ouvido no momento de se tomar as decisões relevantes da gestão pública. Dizer que o Partido dos Trabalhadores é governo porque possui cargos na administração é uma falácia sem tamanho. Enquanto não apresentarem a ata da reunião em que conste que o PT foi ouvido ou participou de deliberação de tomada de decisão político-administrativa da gestão Prandini, não há que se falar que o partido é governo. Governar é tomar ou participar das decisões.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Trânsito

Em audiência pública realizada, recentemente, na Câmara de Vereadores, o chefe do SETTRAN, José Eustáquio Campos, afirmou que a principal causa da situação caótica verificada no trânsito monevadense, além de outros fatores, é a falta de educação dos condutores. O fato é que o motorista monlevadense tem deixado de lado o conceito de que o trânsito deve ser, essencialmente, coletivo, passando a enxergar nada mais que o próprio umbigo, ao pegar o volante. O que se tem visto nas ruas e avenidas do Município, é que, na maioria das vezes, a comodidade individual tem superado e muito a necessidade coletiva de trafegar, resultando sempre no embaraço viário. São condutores que estacionam em local proibido, afunilando a rua, porque lhes parece incomodo caminhar um quarteirão. São motoristas que estacionam mal, ocupado o espaço de duas vagas, porque estão com pressa. É o cidadão que pára o carro no meio da rua, sem a menor cerimônia, para bater papo com o compadre. A novíssima moda é avançar o sinal vermelho do semáforo. A justificativa deve ser a pressa, como sempre. Inacreditavelmente, para muitos parece mais razoável arrisca-se numa provável situação de acidente do que esperar alguns minutos pelo sinal verde. Sem dúvida, falta educação e consciência no trânsito. Vamos levar o trânsito para a Escola?

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Entressafra da Cana Afeta a Produção de Rapadura

Produto em falta nas prateleiras dos mercados da cidade.

Nas rodinhas políticas de João Monlevade, muito se comenta sobre o arrefecimento do Blog Rapadura do Jornalista Márcio Passos. Sob o ponto de vista político, tem muita gente apreensiva com a falta da garapa. Espero que este período de entressafra se encerre logo.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Pastor Carlinhos: o Presidente da Câmara que Prandini pediu a Deus

Tenho tentado não escrever sobre o Pastor. Mas, confesso que não tem sido fácil. O fato é que o vereador Pastor Carlinhos tem se saído o presidente da Câmara que Prandini pediu a Deus. O nobre edil tem atraído para si toda sorte de polêmica que, até então, era reservada apenas à ampla capacidade do governo Pradini no mesmo sentido. Assim, para alívio do prefeito, os holofotes que, antes, apontavam para a Prefeitura, agora, estão voltados para o Legislativo monlevadense. Ontem, em sessão ordinária, o vereador Robertinho do DVO questionou o Pastor Carlinhos sobre a remoção do Crucifixo que guarnecia o Plenário da Câmara. Na ocasião, o Pastor justificou, dizendo que fez o que a Constituição da República determinava. O presidente da Câmara vai me desculpar, mas a Constituição não entra neste mérito específico. O que faz a Constituição é estabelecer o Estado Laico, assim como também institui o regime Democrático. O que não significa que o Estado deve se colocar numa posição antagônica frente a religião e sim, dentro dos ditames plurais da democracia, deve aceitar e tolerar qualquer religião que se apresente. É a chamada liberdade de culto e de crença. De tal modo que, a laicidade do Estado não pode se expressar na eliminação de símbolos religiosos, mas sim na tolerância dos mesmos. Além do mais, a linha de raciocínio defendida pelo edil pastor pode também ser usada para sustentar a tese de que o Estado laico não admitiria um vereador ou qualquer outro membro de Poder, que fosse um religioso, tal qual um pastor, um padre, um sacerdote e etc. Não tenho idade suficiente para dar conselhos ao presidente da Câmara, mas, Pastor Carlinhos...devagar com o andor que o santo é de barro.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Vaidade de Máquinas Danifica Piso da Praça do Povo


Todos se lembram daquelas cinco máquinas, duas pás carregadeiras e três retro-escavadeiras, adquiridas pela Prefeitura e que serão pagas pelo próximo prefeito. Difícil se esquecer delas, pois o governo prandini as colocou em exposição durante um dia inteiro na Praça do Povo. Pois é, passado hoje pela praça, percebi que a administração realizava no local uma obra de reparo e reconstituição de seu piso, que se encontrava muito danificado, justamente, onde aquelas pesadas máquinas haviam sido colocadas para exibição. Então pensei: será que o piso foi danificado pelo excesso de peso das máquinas de Prandini(5,8 toneladas para as retro-escavadeiras e 13,8 toneladas para as pás carregadeiras)? Foi o que me confirmou um dos trabalhadores da obra: “o piso aqui não agüenta peso”. É o preço que o povo paga pela inconseqüência da exibição vazia e desesperada.

Obras de recomposição do piso da Praça do Povo

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Luto

Perdemos mais um amigo nesta maldita rodovia da morte. Rapaz moço, de apenas 34 anos, empreendedor, formado em administração, Marcos André Cota, o Marcão, como era conhecido, carinhosamente, pelos amigos, perdeu a vida, ontem, numa daquelas curvas fratricidas da BR 381. Poucos dias antes, ele havia estado em meu escritório, me dizendo o quanto era bom ser pai. A visão daquele jovem obstinado e batalhador num caixão foi uma das mais incompreensíveis e angustiantes experiências que já vivenciei. 381, até quando?

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ronaldo se Aposenta

No país, em que o futebol é colocado para as massas com o mesmo fim das Arenas de Gladiadores romanas e onde muitos jogadores de bola recebem, por mês, o salário que um professor não receberá, ao longo de toda sua vida, o fenômeno Ronaldo anuncia sua aposentadoria, para a desgosto geral da nação Corintiana. E a nação brasileira, como fica diante de tudo isso? Como sempre ficou: acreditando que a vitória da seleção ou do time de coração é muito mais importante do que temas que refletem, diretamente, na qualidade de vida de seus cidadãos, como educação, cidadania, política, informação e etc.

PS: Adoro futebol. Sou atleticano roxo. Mas, tudo tem limite.

Comentário do Pastor Carlinhos

A postagem anterior, sobre o resultado da enquete “Você é a favor da construção de uma nova sede para a Câmara de Vereadores?” rendeu o seguinte comentário do chefe do Legislativo municipal, Pastor Carlinhos: “Será que todos que votaram conhecem bem a CÂMARA construída?” Ora, se o presidente da Câmara acredita que existe um desconhecimento geral a cerca da situação, supostamente, desfavorável do prédio que abriga o Parlamento monlevadense, talvez seria o momento de, cabalmente, se colocar para a opinião pública as razões que possam justificar a construção de um novo prédio no valor de 02 milhões de reais. É o momento exato para uma audiência pública. Seria muito esclarecedor.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Resultado da Enquete

Resultado da enquete: “Você é a favor da construção de uma nova sede para a Câmara de Vereadores?”


Não – 118 (79,7%)
Sim – 20 (20,3%)

Total de votos – 148
Realizada nos últimos 10 dias.

Sei que a vontade popular não pode ser avaliada por meio de uma simples enquete de Blog. No entanto, através dela, pode-se sentir a opinião de um crescente grupo, composto por pessoas politizadas e formadores de opinião, que usam, frequentemente, a internet para se informar. Com 79,7% dos votos, ou seja, 98 de vantagem, o “não” prevaleceu, demonstrando que ampla maioria dos internautas é desfavorável à construção de uma nova sede para a Câmara de Vereadores de João Monlevade. É preciso haver mais harmonia entre a vontade dos representados e dos representantes eleitos.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Necrópsia do Cemitério do Baú

Ontem, na reunião ordinária da Câmara, um dos temas mais dramáticos e desumanos deste município, foi, finalmente, levantado por alguns vereadores: o estado de precariedade absoluta em que se encontra a sala de necropsia do cemitério do Baú, que alguns insistem em chamar de IML. O fato é que a tal sala tem sido usada há vários anos como local de realização de autopsias, sem a menor condição para tanto. Trata-se de uma verdadeira sala dos terrores que mais parece um açougue humano, sem higiene, sem a assepsia adequada e sem a menor condição de trabalho para funcionários e legistas. É o apogeu da indignidade, em todos os sentidos. Pois bem, é uma situação vergonhosa que se arrasta há anos, sem o devido empenho das autoridades competentes. E quando digo autoridades competentes, estou me referindo às autoridades estaduais, já que a função de IML deve ser, diretamente, vinculada á Secretaria Estadual de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais, ou seja, é da competência do Estado. Neste sentido, eu pergunto: onde estão as autoridades estaduais? Onde está o Deputado Mauri Torres, que, em 20 anos de atividade parlamentar, nunca mostrou, publicamente, empenho ou, pelo menos, interesse, na solução desta barbárie? 20 anos não foram suficientes?

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Vereador Pastor

Assim como para com os demais candidatos com que trabalhei, foi pra mim uma grande honra promover o registro da candidatura do Pastor Carlinhos, em 2008. Foi também com enorme satisfação que recebi a notícia de sua eleição para a Câmara. Tive orgulho do vereador pastor, ao vê-lo assumir uma postura autônoma e independente na Casa. Fiquei ainda mais feliz, quando vi o nobre edil assumir a presidência do Legislativo municipal. Mas, recentemente, confesso que senti tamanha indignação diante da declaração do Pastor Carlinhos de que a BR-381, a rodovia da morte, não deveria ser duplicada e sim, totalmente refeita. Todos sabemos do drama e das dificuldades que têm envolvido o projeto de duplicação da estrada. Nem mesmo ações emergenciais têm sido efetivadas, apesar do engajamento cada vez maior de vários setores da sociedade regional na humanização da rodovia que mais mata no país. A impressão que ficou foi a de que o Pastor tentou colocar para a 381 o mesmo argumento inconclusivo que tem usado para justificar a construção de uma nova sede para a Câmara. Numa situação em que já existe uma consonância de vozes, clamando, justificadamente, pela duplicação, levantar-se contra é demonstrar a inexistência da necessária harmonia entre a vontade dos representados e do representante eleito.

Câmara Abusada

A Câmara de Vereadores presidida por Pastor Carlinhos tem assustado o povo monlevadense. Antes mesmo do início do ano legislativo, assuntos polêmicos, implicando em aumento de gastos, como a construção de uma nova sede, no valor de 02 milhões de reais, e a instituição de verba de gabinete foram levantados pelo novo presidente da casa. Agora, na primeira reunião ordinária do ano, já se fala em aumento de salário para os vereadores. Será que esta Câmara só pensa em dinheiro? Acho que nem todos, alguns não. Assim, não há como se melhorar a imagem do Legislativo, como se dizem pretender alguns.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Frase do dia

"O poder sobe à cabeça do eleito e acaba falando mais alto que a razão apresentada à hora de conquistar o voto".

Extraída do Blog Em Dia Com o Dias, na postagem O Governante Fora e no Poder.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Prandini: Perder uma Década em quatro Anos

Parece promessa de campanha de inversa, mas a verdade é essa: a falta de visão estratégica, de entrosamento e de planejamento do governo Prandini, em relação às oportunidades e potencialidades para negócios e investimentos em João Monlevade, ao final, terão atrasado o Município em uma década. Que Monlevade tem crescido bastante, não é novidade para ninguém. Além da notícia histórica da duplicação da capacidade produtiva da Usina, outros investimentos realizados por concessionária de veículos, distribuidora de bebidas e um inédito Shopping, entre outros, atestam o bom momento vivido pela economia monlevadense. Talvez, o maior indicador do expressivo avanço do PIB municipal seja a notável expansão do setor da construção civil. No entanto, Monlevade poderia crescer muito mais, caso a Prefeitura assumisse o seu papel na formulação de políticas públicas voltadas para a constituição de um ambiente atrativo a negócios e a investimentos. E, neste, sentido, infelizmente, não se tem visto atuação relevante por parte do governo Prandini. O momento é de investimentos em infra-estrutura, de planejamento urbano, de definição de marcos regulatórios, de planejamento tributário, de qualificação de mão de obra e etc. Em outras palavras, é o momento exato para a composição de um ambiente favorável ao investimento privado. Mas, ao contrário, o que se tem visto é o esgotamento da capacidade investimento em infra-estrutura da Prefeitura, ocasionado por uma fortíssima dívida pública; insegurança tributária, acarretada por todo o imbróglio que revestiu a aprovação do novo Código Tributário Municipal; incerteza administrativa no saneamento das permissões de terrenos públicos, além da visível inoperância da atual administração em relação ao momento único, pelo qual o Município tem passado. O cavalo está passando arriado, à reveria do governo. E, se tudo continuar como está, não perderemos apenas quatro preciosos anos de oportunidades, mas sim uma década inteira de potencial crescimento econômico.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Prandini: Muita Propaganda e Pouco Trabalho


Diante da vergonhosa avaliação junto à opinião publica monlevadense e do flagrante engessamento administrativo motivado por uma crescente crise em sua base política e por uma dívida financeira que, agora, se revela, oficialmente, no altíssimo valor de 7,3 milhões de reais, não resta muita alternativa ao governo Prandini, senão a tentar parecer muito melhor do que, realmente, é. De tal forma que o governo começa 2011 se engajando numa forte e cara campanha publicitária, com direito a camisas, outdoors, informativos, jornais, Facebook e até mesmo uma revista, intitulada “Monlevade Cresce”,que surpreende muito mais pela qualidade gráfica, do que pelo conteúdo em si. Confesso que, ao receber um exemplar da tal revista, pensei, ingenuamente: isso deve informar sobre a implementação das promessas de campanha contidas em outra revistinha muito conhecida.

Assim, com muita expectativa, fui folheando o material e, para minha grande decepção, percebi que nele não havia, por exemplo, a notícia da construção do Hospital Universitário e sim a da aquisição de uma aparelho de raio-x que não funciona por falta de alvará. Não havia a esperada notícia da Construção de Centro Olímpico, mas a da construção de casas populares, que foram invadidas por muitos que não lhes faziam jus. Não vi a notícia da criação do prometido Fundo de Desenvolvimento Econômico, más vi o anúncio de milhões em investimento privado no setor da construção civil, que cresce completamente à revelia da administração municipal, agravando ainda mais a já difícil situação urbana da cidade. Não vi nada que confirmasse a promessa de “Reorganizar toda a administração reavaliado gastos”, mas sim a alusão a uma “Gestão moderna que melhora os resultados”, a qual, incoerentemente, gerou um rombo de 7,3 milhões nas finanças da Prefeitura. Não vi internet de graça, verduras e legumes na cesta básica, PA no Cruzeiro Celeste, plantio de árvore para cada criança nascida, desenvolvimento turístico e etc. Em suma, não vi nada do que foi prometido, da forma em que foi prometido. Muito pelo contrário, vi muita foto do Prefeito e seu nome estampado na última página, o que configura, em tese, promoção pessoal com gasto público.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Onde Está a Verdade, Prandini?

Em meio a toda sorte de crise já produzida pelo gabinete do prefeito, incluindo as trapalhadas memoráveis e as polêmicas habituais, o que mais me assusta é ver o quanto o governo Prandini é afastado da verdade. Ao começar pelo Plano de Governo, que parece não ter passado de um caderno de promessas vazias, grande parte da informação emitida pela atual administração está carregada de inverdades e de forte manipulação da realidade, numa tentativa ingênua de se transmitir à opinião pública uma situação que simplesmente não existe. E, ao final, subestimar a inteligência do povo terá sido o maior erro de todos. É, sem dúvida, o governo menos transparente da história do Município. Há poucos dias, a atual administração publicou uma nota no Jornal A Notícia, esclarecendo que a médica Silva Bastos Heringer não havia sido demitida pela Prefeitura e que tudo não passara de um mal entendido. No entanto, em matéria sobre o fato, na página seguinte do bi-semanário, a demissão foi confirmada por um tio da médica, desmentindo a nota do governo. Agora, a bola da vez é a situação do aparelho de raio-X do PA. O paciente que procura o PA municipal, necessitando de uma radiografia é frustrado pela informação de que o raio-X estaria quebrado. Na verdade, aparelho está em plena condição de funcionamento. O que falta é o alvará de operação. Errar, todos erram. Mas, quando o erro é cometido, afastado da verdade, sua conseqüência torna-se irreparável.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Mauri Torres Toma Posse, Jura e não Cumpre

Ontem, o deputado Mauri Torres, reeleito para o sexto mandato consecutivo, tomou posse de sua cadeira na Assembléia Legislativa de Minas. Assim como os demais 76 deputados estaduais empossados, Mauri Torres prestou seu juramento: "Prometo defender e cumprir as Constituições e as leis da República e do Estado, bem como desempenhar, leal e honradamente, o mandato que me foi confiado pelo povo mineiro". Entretanto, lamentavelmente, o juramento prestado pelo nobre deputado parece não ter passado de palavras lançadas ao vento: Mauri vem descumprindo a Constituição do Estado de Minas Gerais há muito tempo. Ocorre que o artigo 57 e incisos da constituição mineira, que Mauri jurou defender e cumprir, proíbe, entre outras vedações, que o deputado seja proprietário de rádio ou de televisão. Com isso, a Constituição Estadual procurou impedir o uso político dos meios de comunicação de massas, de modo a resguardar o acesso à livre informação, tão indispensável a qualquer democracia. Mas, como é de conhecimento de todos e como foi declarado à Justiça Eleitoral, o deputado Mauri Torres, há vários anos, é proprietário da Rádio Cultura de João Monlevade. E o mais desconcertante, é que a mesma Constituição Estadual que proíbe o deputado de ser proprietário de rádio, também estabelece a perda do mandato (art. 58) para o parlamentar que descumprir tal proibição.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Estava Demorando

Inacreditavelmente, o governo Prandini passou todo o mês de janeiro sem se envolver em nenhuma trapalhada ou polêmica. Pelo menos, nenhuma que tenha chegado à opinião pública. Pois bem, hoje, dia primeiro de fevereiro, leio o Jornal A Notícia e vejo que a Prefeitura do Partido Verde foi autuada pela Polícia Ambiental, por desrespeitar, justamente, a legislação de proteção ao meio ambiente, quando da execução do projeto da Cozinha Comunitária, no bairro Estrela Dalva. Ironia do destino!? E vejo também, que o governo demitiu a médica Silva Bastos Heringer, que, recentemente, perdeu a mãe e os dois filhos num terrível acidente na BR-381, que consternou toda a cidade. Alegando um mal entendido, o governo Prandini até publicou uma nota de esclarecimento, na tentativa de reverter a situação. No entanto, a versão da família da médica esclareceu que houve mesmo a demissão. É muita falta de humanidade.

Prandini Congela o Preço da Passagem

Ao congelar o preço da tarifa do transporte coletivo, finalmente, o governo Prandini apresenta um pouco de bom senso. Aumentar o preço da passagem, diante das fortes dúvidas que revestem a planilha de custo e da anulação do processo licitatório que outorgou à Esncon a prestação do serviço, certamente, configuraria uma irresponsabilidade absurda. Além do mais, enquanto a Enscon não apresentar, matematicamente, o quanto lucra, qualquer aumento se torna inviável, se for realmente balizado pelo interesse público.