Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O que muda com o governo Simone?


Fundamentalmente, pouca coisa muda do governo Teófilo Torres/Moreira para a administração Simone Carvalho/Moreira. Já deu para percebe por quê?
O inelegível Carlos Moreira foi figura central no governo Teófilo Torres, que deu prosseguimento à imensa obsessão daquele grupo político em terceirizar serviços públicos, contratando empreiteiras especialistas em vencer licitações. Durante o governo Teófilo relevantes serviços públicos foram terceirizados, como a varrição de rua, a manutenção das vias (tapa buraco), a manutenção e implantação da sinalização horizontal de trânsito, o Rotativo e até a prerrogativa do DAE em fixar o preço da tarifa da água. E o que se viu foi uma cidade imunda, que, por isso, teve uma das piores epidemias de dengue dos últimos tempos, esburacada, mal sinalizada, um Rotativo caro e com ruas adjacentes vazias e três aumentos da conta da água em menos de 12 meses. E todos esses serviços muito mais caros ao contribuinte, pois neles está embutido o lucro de empreiteiro, coisa que não existe na Administração Pública. Paga-se mais, por menos.
Com Simone, que, inclusive já foi cassada e governa por força de liminar, essa tendência não deve se inverter, até porque a própria prefeita tem suas empresas. Teófilo foi muito influenciado por Carlos Moreira, mas não era de arregaçar as mangas. Por isso encerrou o mandato com 13,5 milhões em caixa. Não foi economia, foi falta de projeto para empregar tais recursos.
Já Simone não será apenas influenciada por Carlos Moreira, mas sim, comandada, diretamente, pelo ex-prefeito. Atuará sempre como sua pré-posta política dentro de seu projeto pessoal de poder. 
Assim, o que se pode esperar do mandato de Simone, dure o quanto durar, é mais contratação de empreiteiras, mais populismo, mais demagogia e coisas do tipo do pretenso e interditado hospital Santa Madalena ou do inacabado matadouro municipal.