quinta-feira, 20 de maio de 2010

Settran


Espero que com o novo chefe do Settran, José Eustáquio, o departamento passe a abordar o Transito de Monlevade de maneiras mais efetivas, baseadas na técnica e no conhecimento específico. Porque, o que se viu até o momento foi muito amadorismo, muito improviso e muito achismo e muita falta de bom senso. Veja como exemplo a Linha Azul. Ela nada mais faz do que dificultar o acesso ao centro de quem está nos bairros e vice versa. No entanto quem vem ao centro não vem por mero capricho e sim por necessidade. Como se pode dificultar uma necessidade? A impressão que tenho é que a Linha Azul tem contribuído bastante para embaraçar ainda mais o nosso já tão caótico trânsito. Gostaria que a Prefeitura apresentasse os relatórios técnicos contendo os dados do trânsito, antes e depois da implementação da Linha azul, para apagar minha impressão. Somente através de um resultado positivo da análise comparativa destes dois relatórios é que se pode afirmar que houve melhoras. E se eles não existem é porque a Prefeitura está no caminho errado e a minha impressão, como a de muitos, é a que fica. Transito não é lugar para amadorismos e improvisos. Veja ainda quanto bom senso falta no setor.

Como se não bastasse a falta de espaço nas vias do Município, o Settran agora adquiriu a mania de afunilar as avenidas com tambores amarelos. Imagino que os tambores devem ser para sinalizar alguma coisa. Más estão, efetivamente, dificultando o trânsito. É premissa que a sinalização deve facilitar o trânsito e não o contrário. Além do mais, o uso de tambores para sinalização é amadorismo e não está autorizado pela legislação de trânsito. Mas, as outras cidades os usam. Se eu cair no buraco, você..... E ainda, colocar os tambores quase no meio da rua é falta de bom senso. Se os $ 120.000.000,00 do orçamento da Prefeitura não são suficientes para a aquisição da sinalização adequada, que, pelo menos, se coloque os tambores no canto da avenida.