sexta-feira, 9 de abril de 2010

Erro Nato

Que errar é humano todos nós já sabemos. Mas, deixar o erro passar em vão, aí sim é desumano. Devemos encarar o erro e aprender com ele, de modo a minimizar as chances dele se repetir. Desde que ganhamos as eleições de 2008, tenho aprendido muito com o erro. Aprendi que as artificialidades estão fadadas ao fracasso e, em se tratando da seara política, qualquer fracasso é muito traumático, alguns com profundas repercussões na qualidade de vida de todo o Município. A lição maior que tirei até o momento, é a de que ninguém constrói um líder. O líder nasce líder. A artificialidade de se colocar um líder inato é desagregadora, politicamente, e dela remanesce pouco benefício à aqueles que se colocaram na posição de liderados, principalmente, ao povo.