sábado, 29 de janeiro de 2011

Imprudência e Tragédia no Anel Rodoviário


A exemplo do que vem acontecendo na famigerada Br-381, a tragédia ocorrida ontem no Anel Rodoviário de Belo Horizonte demonstra o quanto são inconscientes e inconseqüentes os motoristas que trafegam pelas rodovias do país. Não há como negar: a imprudência e a imperícia, com que muitos conduzem seus veículos, revelam a péssima formação do motorista brasileiro. E mais uma vez, esbarramos no tema “Educação”. Vivemos as conseqüências de uma escola afastada das demandas cívicas, que mal consegue alfabetizar o educando, produzindo uma nova categoria de cidadão: o analfabeto funcional. Por certo, as matérias cognitivas, exigidas nos vestibulares (matemática, português, historia, geografia, física e química), são imprescindíveis para a formação do aluno. Mas, se pretendemos nos tornar uma nação, realmente, civilizada, livre das barbaridades, freqüentemente, vistas em nossas estradas, por exemplo, devemos ter em mente que uma das funções precípuas da escola é a de produzir cidadãos conscientes, aptos a responder às demandas cívicas da sociedade. Trânsito seguro é uma questão de cidadania e, em assim sendo, deveria ser lecionado nas escolas, como ocorre em todas as nações desenvolvidas do mundo. Mas, incompreensivelmente, não é isso que se tem visto em nossas escolas. O país do futuro que nunca chega vem, historicamente, se recusando em transformar seu povo em cidadãos e o resultado são gerações inteiras dos chamados analfabetos funcionais, que lêem, mas não conseguem interpretar; que escrevem, mas não dissertam. E portanto, não conseguem criar consciência através dos métodos educativos usuais( não podem fazer uso efetivo de livros, computadores e etc). Parecem adolescentes que nunca chegarão à maturidade. Muito provavelmente, o motorista que dirigia, à 120 KM/h, a carreta de 40 toneladas que protagonizou o terrível acidente de ontem deve ser um desses filhos deste Brasil de sub-cidadania e incivilidade.

Vídeo Relatando a Qualidade da Educação Prestada em Monlevade e Sabará pelo Grupo Belgo Mineira, na Década de 40.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Preservação do Património Histórico Cultural

O sempre interessante caderno “Variedades” da edição do Jornal A Notícia de hoje, trouxe um matéria intitulada “Passado Sempre Presente”, abordando a necessidade de se preservar a memória e a história de nosso Município. O assunto me parece muito pertinente neste momento, em que parte da Vila Operária corre o risco de desaparecer, diante da necessidade de ampliação do pátio ferroviário da Vale, que é usado pela ArcelorMittal para escoar parte de sua produção. É hora de se cobrar mais transparência e informação das empresas envolvidas, a fim de que os tristes e irremediáveis erros do passado não se repitam. O que ainda me chamou a atenção na matéria foi a afirmativa de que João Monlevade possui, segundo li, quatro bens culturais e patrimoniais tombados: o Hotel Cassino, a Imagem de Santana, o Conjunto Paisagístico do Centro de Educação Ambiental e a Guarda de Marujos de Nossa Senhora do Rosário. No entanto, existem outros além desses. A Lei Orgânica do Município, em seu artigo 170 e incisos, declara como monumentos artísticos e históricos, tombados para fim de preservação, o conjunto arquitetônico e paisagístico da Igreja São José Operário; o conjunto arquitetônico original da Fazenda Solar; o conjunto arquitetônico do antigo Colégio Estadual, na Praça Ayres Quaresma; a fachada original do Bloco Administrativo do Hospital Margarida; o prédio do antigo Hotel Monlevade; o prédio do antigo Hotel Siderúrgica e o prédio da Escola Santana.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

BBC-Human Planet: Simplesmente Fantástico

381: Por que Tanta Omissão

Já pensei muito sobre onde estaria a raiz desta cultura de irresponsabilidade que afeta com tanta força o Estado brasileiro, seja em relação ao drama da BR-381 ou a outras tragédias que se repetem no mar de omissão e negligência, no qual as autoridades constituídas estão mergulhadas. A conclusão que cheguei está na Ditadura Militar. Durante a Ditadura, a classe política brasileira foi forçada a entregar a administração efetiva do país aos militares. Assim, durante os vinte anos do regime de exceção, criou-se uma geração de políticos afastada da administração direta do país. Com o fim da ditadura, esta mesma classe política voltou ao governo do país. No entanto, já estava inserida numa cultura avessa às questões administrativas da nação, o que parece permanecer até os dias atuais.

PS - Explica, mas não justifica. A Ditadura já era e está na hora de exigirmos os nossos direito, principalmente, o mais básico deles: o direito à vida. É preciso reclamar das autoridades a responsabilidade pelo genocídio que nos afeta a todos, direta e indiretamente.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O Pré-Sal e as Tragédias Climáticas

Recentemente, o Brasil anunciou a descoberta de uma das maiores reservas de petróleo do mundo: as jazidas do Pré-Sal. Também, recentemente, regiões espalhadas por todo o globo têm sofrido com a ocorrência de extremos climáticos, decorrentes, justamente, da queima de combustíveis fósseis, que agravam o processo de aquecimento global. Nosso país, como demonstram os noticiários dos últimos dias, não está imune às destrutivas conseqüências do aquecimento global. A pergunta, então, é a seguinte: a produção de energia através da queima de todo aquele petróleo do Pré-Sal seria viável, sob o ponto de vista ambiental? Acho que não.

CMT Aprova Aumento da Passagem

Ontem, apesar de não entender a planilha de custo e sem conhecer o lucro da Enscon, o Conselho Municipal de Transporte (CMT) aprovou a proposta de reajuste da tarifa do Transporte coletivo do Município. Segundo o CMT, a tarifa social deve passar de R$ 1,00, para R$ 1,10; o Esconcard, de R$ 2,00, deve passar para R$ 2,30 e a tarifa em dinheiro, de R$2,50, deve passar para R$2,80. O nome disso é imperícia. Algo parece estar muito errado no Conselho.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Quanto Lucra a Enscon?

O Conselho Municipal de Transporte (CMT) se reúne hoje para definir o preço da tarifa do transporte coletivo do Município, que nos últimos anos tem se caracterizado como uma das mais caras do país. A planilha de custos da empresa, usada para a composição do preço da passagem, foi considerada por funcionários do SETTRAN e por vários Conselheiros como obsoleta e obscura. A verdade é que um fator essencial para a fixação do preço da passagem é desconhecido e desconsiderado por todos e guardado a sete chaves pela Esncon: seu lucro. É óbvio que o empresário deve lucrar. Do contrário não haveria interesse privado na prestação do serviço. Mas, o lucro deve ser razoável e limitado por um teto, vinculado à taxa de juros Selic (hoje em 10,75% ao ano), que é chamado de Taxa Interna de Retorno (TIR), coisa que não acontece na exploração do transporte público de nossa cidade, apesar de previsão constitucional. E até que demonstrem o contrário, uma tarifa tão cara só pode sugerir um lucro exorbitante. Antes de se discutir o aumento da passagem de ônibus, é preciso se conhecer e discutir o real lucro da Enscon.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Professor Comenta: Nova Sede da Câmara

Também estou na campanha pela não construção da nova sede. Um dos assuntos mais discutidos nos blogs atualmente é a construção do novo legislativo.
Todos os blogs são unânimes em não concordar com um projeto audacioso e muito ABSURDO proposto pelo vereador Pastor Carlinhos. Digo absurdo porque a anos venho lutando juntamente com os outros professores do curso técnico de química para construção um novo laboratório pois o atual será demolido e a área entregue a UFOP.
O assunto é de conhecimento do prefeito e de alguns vereadores que por sua vez NUNCA levantaram cobrança nas reuniões ordinárias. O que nós sabemos é aprenas que um DIA será construído e nada mais. Quando é para construir obras para a educação e saúde, a critérios a serem seguidos, licitações, prazos e muitas vezes só promessas. Mas quando se trata em alimentar o ego dos nossos governantes a ordem é outra.
5 anos de uso e uma nova sede.Alguém sabe quantos anos uma escola demora para ser reformada? Só no laboratório da EMIP desde a sua construção a 19 anos atrás, somente UMA MEIA reforma foi realizada. Devemos todos nós blogueiros e leitores realizar um constante ato de repúdio a todo e qualquer vereador que defender esse projeto absurdo e desnecessário. Se o pastor Carlinhos quer construir uma nova sede tudo bem, mas que ele passe uma "sacolinha" com todos aqueles que concordarem. Assim eu duvido que haverá algum tipo de donativo. Deixo uma sugestão ao nobre vereador se o mesmo não tem propostas para seu mandato: Cobre dos seus colegas projetos decentes, cobre seriedade, faça com que o prefeito realize o que prometeu, fiscalize e governe para o povo, quem sabe assim a sede do legislativo comece a ser mais frequentada e assim precise realmente de mais espaço, pois o que se vê são poucas pessoas presentes nas reuniões e muito ESPAÇO sobrando.
Professor Cláudio - http://sapeandojm.blogspot.com/

Leitor Comenta: Nova Sede da Câmara

Caro Amigo Fernando,
não sou de opinar em questões políticas local, mas, esta notícia me lembrou uma frase sempre dita por minha mãe: "Quem trabalha e mata a fome não rouba o pão de ninguém, mas quem não trabalha e mata a fome sempre rouba o pão de alguém".
É, realmente, um absurdo. Se o Carlos (Pastor Carlinhos) prega os dizeres de Jesus, ele sabe que JESUS NUNCA precisou de um templo ou um local fechado para suas pregações, e é assim que deveria ser nossa vida, pautada em caridade, fraternidade, humanidade, e não ostentações, principalmente, com dinheiro público. "O reino de Deus está dentro de você e ao seu redor, não em prédios de madeira e pedra. Corte um pedaço de madeira e lá estarei, levante uma pedra e me encontrarás." S.T.Há inúmeras coisas que precisam, urgentemente, serem feitas no município, e não o são. Esta construção vai beneficiar o ego de alguns, e não beneficiará o povo.
Abraços.

Marcelinho

Nova Sede da Câmara: Absurdo Total

Em meio a um histórico e caro processo de improvisos no planejamento e na adequação das edificações das repartições públicas do Município - no qual a prefeitura foi acomodada numa construção destinada a ser um Fórum, a delegacia ocupou um prédio de uma escola, a rodoviária cedeu lugar para um Centro de especialidades Médicas, a Polícia se ajeitou no espaço da antiga Câmara e já está de mudança para o imóvel, uma vez, ocupado pelo PA e etc - uma casa, ao contrário, foi construída de forma pensada e planejada para acolher, especificamente, o Poder Legislativo de João Monlevade. Moderno, amplo e funcional, o novo prédio da Câmara foi construído há menos de 5 anos e, segundo seu projeto arquitetônico, comportaria, facilmente, a estrutura demandada por 15 vereadores. Agora, seu presidente recém empossado, meu amigo Pastor Carlinhos, vem a público colocar sua pretensão de construir uma nova sede para o Legislativo, no valor de R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais), dizendo que a atual apresenta problemas, aparentemente, irremediáveis como infiltrações, vazamentos, tubulações insuficientes, lâmpadas que não acendem, além de espaço insuficiente. Ora, se existem tais problemas, a responsabilidade de resolvê-los é da empresa que construiu e da Mesa Diretora que recebeu a obra, apesar das supostas irregularidades na elaboração ou na execução do projeto. Afinal, a sede foi erigida com o dinheiro do povo, o que muitos parecem se esquecer. A construção de uma nova sede não se justifica, enquanto não se demonstrar, tecnicamente e de forma imparcial, a inviabilidade da atual. E se isso acontecer, alguém vai ter que prestar conta do ocorrido: uma sede com vida útil de apenas 5 anos é, simplesmente, uma absurdo total.

sábado, 22 de janeiro de 2011

História das Minas de Ouro e Diamante: A Descoberta do Ouro Preto

No final do sec. XVII, as riquíssimas minas do Ribeirão do Carmo (atual Marina) já haviam sido descobertas. Ordens da Coroa Portuguesa determinavam a Artur de Sá (governador da Capitania do Rio de Janeiro) que subisse em pessoa ao sertão, a fim estabelecer novas minas e de auentar a produção das já descobertas. Em 1697, Artur de Sá ruma à Capitania de São Paulo, em busca de provisões e de aparelhamento para a expedição para qual fora designado. Já em Taubaté, em meio ao turbilhão migratório que se seguia para as Minas, fervilhava, de boca em boca, a notícia do descobrimento de um granito misterioso, escuro, cor de aço, de tamanhos variados e forma arredondada, que, imediatamente, chamou a atenção do governador carioca.



O primeiro descobridor destes granitos foi um mulato que, juntamente, com alguns paulistas, esteve no sertão para capturar e escravizar índios. Chegando à encostas do Rio Tripuí, nas imediações do Pico do Itacolomi (atual cidade de Ouro Preto), desceu ao fundo do vale para matar a sede no curso d'água e passando uma cuia pela margem do rio, percebeu que alguns granitos cor de aço ficaram depositados no fundo do recipiente.
Sem saber do que se tratava e nem mesmo seus companheiros, tratou o descobridor de levar consigo um porção daquelas pepitas escuras, que tinha conseguido tão facilmente. Chegando a Taubaté, indagaram: que casta de metal era aquele? Artur de Sá, intrigado com o enigmático achado, mandou que lhe trouxessem uma daquelas amostras para análise. Sem pestanejar, pegou uma das pepitas e a levou à boca, trincando-a com os dentes. Naquele momento, revelou-se que por debaixo de uma fina capa escura escondia-se o etal precioso: tratava-se de ouro puro, do legendário Ouro Preto. Mais tarde, a ciência viria a explicar tal fenômeno: a presença de ferro e de ouro no leito do Rio Tripuí, somada ao PH característico de suas águas, possibilitou a ocorrência de um processo natural de galvanização, que, durante milhares de anos, revestiu as pepitas de ouro de uma fina e escura camada de óxido de ferro.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Um Amigo Moreirista

Hoje, um amigo meu, professor, moreirista que só ele e até seguidor deste blog, me confidenciou que Prandini pretenderia enviar aqueles caminhões e tratores novos da prefeitura para ajudar na reconstrução de Petrópolis e que depois, se lançaria candidato a vereador por lá. Depois de rir bastante, pensei: que maldade!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Prandini Sinaliza Recomposição com Ex-aliados

Muitos não conseguem entender, sob o ponto de vista político, a debandada em massa de aliados, ocorrida nestes dois primeiros anos de governo Prandini. Afinal, foi um movimento inédito na história política do Município. Nunca antes, um prefeito havia se voltado contra tantos apoiadores. Na verdade, a debandada se caracteriza como um do pilares do Pacto Umbilical, aquele modelo de governo adotado pelo atual prefeito, no qual o assessor de governo e de comunicação, Emerson Duarte, toma, exclusivamente, as decisões político-administrativas, e Prandini, automaticamente, assina embaixo. Nota-se que a grandíssima maioria dos aliados que deixaram o governo era composta por pessoas politizadas e interessadas em executar um novo projeto político para o Município, ou seja, o projeto democrático e participativo que Prandini prometera cumprir, caso eleito. No entanto, como é flagrante, o projeto prometido não tem sido cumprido e, ao contrário, o que se viu foi a enorme concentração do poder de decisão nas mãos de Emerson Duarte. Diante de tal situação, os aliados politizados passaram, por razoes óbvias, a divergir do modelo adotado (Pacto Umbilical), cobrando a efetiva participação dos partidos e das bases nas decisões de governo. E o que aconteceu? Em nome da manutenção do Pacto Umbilical, um por um foi se afastando ou sendo afastado do governo. Agora, a 18 meses do início da campanha eleitoral de 2012, depois de amargar uma vergonhosa votação para seu candidato a deputado estadual (Agostiho Patrus, com apenas 525 votos) Prandini dá sinais claros de que pretende recompor sua base, chamando de volta os ex-aliados, ao mesmo tempo em que o principal fator de fragmentação de seus apoiadores, o Pacto Umbilical, se vê, incoerentemente, fortalecido, na medida em que o assessor passou a acumular ainda mais poder, assumindo também a comunicação da Prefeitura. É uma receita repetida de muita farinha e nenhum fermento.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Proposta aos Blogueiros

Penso que seria interessante que os blogueiros da cidade se organizassem através de uma associação. Assim, seria mais fácil arranjar nossas idéias, planejar nossas ações e poderíamos até mesmo mover ações judiciais, caso necessário. É a proposta que faço e que deixo para a análise dos demais colegas. Já estou até vendo: ABMON (Associação dos Blogueiros de João Monlevade). Que beleza!!!

Cartel dos Postos de Combustíveis: Caso para o Procon

Acabo de ler no Drops de Sanidade um texto externando a indignação do colega Célio Lima a respeito do alto preço da gasolina em Monlevave. A verdade é que, há muito tempo, pairam fortes suspeitas de que o setor tem se organizado na forma de um cartel. Já passou da hora do PROCON monlevadense agir. Afinal cabe à instituição a defesa dos interesses do consumidor.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Leitor Comenta: Verba de Gabinete dos Vereadores

Boa tarde Fernando, Muito pertinente a sua colocação sobre a verba de gabinete. Nossos nobres vereadores estão precisando mesmo é de uma EXCELENTE assessoria para que se evitem erros tão absurdos como foi observado na aprovação do código tributário. Apesar de não concordar com assessoria pois eles foram eleitos pelo povo que pensava que esses eleitos fossem competentes para tal cargo, mas como ainda há muitos despreparados o melhor caminho é a assessoria técnica. Essa verba de gabinete e a nova construção da sede são assuntos para uma câmara que acha que não tem nada para se discutir. Lanço uma pergunta:Sou professor e será que alguns deles já estudaram os absurdos que estão sendo colocados no nosso plano de carreiras? Atenciosamente; Cláudio Magno blog sapeando por aí http://sapeandojm.blogspot.com/

Verba de Gabinete dos Vereadores

Recentemente, uma pesquisa de opinião atribuiu uma vergonhosa nota 4 aos vereadores de nosso Município. Mal tomou posse a nova Mesa Diretora da Câmara e temas polêmicos já estão sendo levantados pelo Legislativo monlevadense. Um deles é, sem dúvida, a pretensão de se instituir a famigerada verba de gabinete entre os edis. Talvez fosse muito melhor para a Câmara pensar num aparelhamento técnico, destinado a assessorar e a embasar as comissões temáticas da casa, de forma a se evitar imbróglios como no caso do Novo Código Tributário, que somente depois de aprovado evidenciou suas conseqüências técnicas negativas. Mas, voltando à vaca fria... E a prestação de contas da verba de gabinete, vai ser feita pela internet, caso aprovada?

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Recordar é Viver: Plano de Governo de Prandini


Hoje, inauguro a coluna “Recordar é Viver”, destinada a relembrar à sociedade monlevadense das promessas de campanha do atual prefeito de João Monlevade, proporcionando ao cidadão em geral subsídios para uma avaliação realista do desempenho político-administrativo de um governo que já ultrapassou a metade de seu mandato. Ao longo do tempo, cada tema e respectivos itens presentes na plataforma de governo de Prandini serão, devidamente, abordados e analisados. O tema de hoje é “Saúde”(páginas 8 e 9 do caderno de promessas de campanha de Prandini) e a proposta abordada, a seguinte:

-Colocar em funcionamento o Hospital Municipal transformando-o gradativamente em Hospital Universitário, em parceria com a Ufop. Atuaremos para a implantação do curso de medicina no campus Monlevade.



A imagem acima retrata a situação atual daquele que se tornaria o Hospital Universitário de João Monlevade, abrigando o curso de medicina em parceria com a Ufop, segundo as promessas de campanha de Prandini. Sem entrar no mérito da viabilidade de se contar no Município com dois hospitais em funcionamento, o fato é que a promessa dizia Hospital Municipal e, hoje, vemos que o prometido deu lugar a um Centro de Especialidades Médicas inacabado, incerto e subutilizado. Parece que ainda há muito trabalho a ser feito para que o Hospital Universitário e o Curso de Medicina se tornem uma realidade.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A Pedido do Célio Lima

4.ª DRPC de luto

Solicito aos colegas blogueiros que ajudem na divulgação do luto em que se encontra a 4.ª Delegacia Regional de Polícia Civil de João Monlevade, em virtude do falecimento do Investigador André, ocorrido na noite de ontem. Ele estava retornando de serviço em Belo Horizonte e faleceu na BR 381, em um acidente próximo à Ponte Coronel.
As pessoas que possuem atendimentos agendados ou que precisem dos serviços inerentes devem telefonar para os números 3851-2450 (Baú) ou 3852-1166 (Mulheres) para obter esclarecimentos mais aprofundados.
Tomo a liberdade de solicitar ainda, a quem tenha os contatos mais estreitos, o necessário apoio da mídia de João Monlevade para divulgação, a fim de que a população não venha a ser muito prejudicada por nosso momento difícil. Obrigado a todos.

Texto publicado, ontem, no blog Drops de Sanidade.

Reforma Urgente no CMT.

Por estar, diretamente, associado à liberdade de locomoção e ao direito constitucional de ir e vir, o serviço público do transporte coletivo afigura-se como um dos mais importantes do Município. Muitas das vezes, para que o cidadão se valha de serviços essenciais como os de saúde e educação, antes porém, se faz necessário pegar um ônibus, o que fortalece ainda mais a importância do transporte público de passageiros. Em João Monlevade, o Conselho Municipal de Trânsito (CMT) é o órgão competente para debater e apreciar as questões relativas ao transporte coletivo, munido, inclusive, da prerrogativa de assessorar o prefeito quanto à fixação do preço da passagem. Sabemos que o serviço prestado pelos conselheiros do CMT é voluntário e que, via de regra, a boa fé norteia os trabalhos. No entanto, muito ainda precisa ser feito. A inexistência de um Código de Ética específico para o CMT faz com que alguns conselheiros estabeleçam relações de cunho pessoal com a empresa prestadora do serviço, a Esncon, quando que na verdade, a relação deveria ser apenas institucional, fulcrada no interesse público, ou seja, no interesse do usuário. Não raro, a empresa promove churrascos para certos conselheiros, oferece presentes, garrafas de vinhos e outras benesses, como emprego, por exemplo. Quem freqüenta as reuniões do CMT pode sentir de perto o quanto a Enscon detêm certos conselheiros nas mãos, usando de seu assédio econômico. Más, toda regra tem exceção. Apesar de, numericamente, minoritários, também existem aquelas conselheiras e conselheiros obstinados em servir a comunidade,que não se curvam a interesses que não sejam os dos usuários do transporte coletivo de João Monlevade. É necessária uma reforma urgente no CMT.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Por que a Passagem é Tão Cara?

Recentemente, a justiça anulou a licitação que concedeu à Enscon o direito de exploração do serviço público de transporte coletivo em João Monlevade. Na Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público da Comarca restou por comprovado o direcionamento ilícito do processo licitatório, resultando na violação do caráter competitivo da concorrência pública. Em outras palavras, a licitação foi realizada nos moldes exatos dos interesses da Enscon, em flagrante detrimento do interesse público, impedindo ou dificultando a participação de outras empresas no certame. O resultado disso foi a falta de concorrência na escolha da empresa prestadora do serviço, o que tem refletido, diretamente, na majoração do preço da tarifa, pois sem concorrência, os preços sobem. Outro fator que também pesa no bolso do usuário foi o fato da licitação ter se caracterizado somente pelo tipo “melhor técnica”, ou seja, buscou-se apenas escolher a empresa mais apta a prestar o serviço, sem levar em conta o preço da passagem, situação que, novamente, revela a violação do interesse público, pois tende a exacerbar o lucro do empresário. Por força do Princípio Legal da Modicidade das Tarifas, o tipo adequado de licitação, neste caso, seria o de “melhor preço e melhor técnica”. Assim, não só venceria a empresa mais capaz de prestar o serviço, como também a que, simultaneamente, oferecesse o menor preço da tarifa. Como se vê, o absurdo preço da tarifa do transporte coletivo de nossa cidade, mais caro até do que a de cidades como Juiz de Fora, pode ser, inicialmente, explicado pela maculação do processo licitatório, vencido pela Enscon, mas já anulado pela Justiça.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Vila Operária em Risco

Foi veiculado pelo Jornal A Notícia desta última terça feira que a Mineradora Vale pretende ampliar seu pátio ferroviário em João Monlevade, a fim de atender ao projeto de expansão da produção da ArcelorMittal. Ainda segundo a reportagem, as obras de ampliação do pátio ferroviário demandarão a demolição de inúmeras casas localizadas nos bairros Centro Industrial e Santa Cruz. É o progresso que bate a nossa porta? De certa forma, sim. No entanto, não se pode admitir um progresso que não venha acompanhado da preservação da história e da memória de um povo. Ocorre que aquelas casinhas tão pitorescas compõem o projeto da primeira Vila Operária planejada no Brasil e guardam consigo muito da historia de uma era memorável de pioneirismo e trabalho de nossa gente, além do grande valor arquitetônico. Destruí-las não pode ser uma opção. Provavelmente, a Vale procurará executar a obra da forma mais barata possível para seus acionistas, o que já acende por si só o sinal amarelo. É um momento que inspira diálogo, transparência das empresas envolvidas (Vale e ArcelorMittal) e a mobilização dos poderes constituídos e de toda a comunidade.

Reunião do CMT

Amanhã, o Conselho Municipal de Trânsito (CMT) se reunirá para discutir o aumento do preço da tarifa do transporte coletivo de João Monlevade, que tem, “inexplicavelmente”, se caracterizado como uma das mais caras do país: R$ 2,00,no cartão e R$ 2,50, à vista na roleta, compondo uma média de R$ 2,25. Compare, no quadro abaixo, os valores da tarifa do transporte coletivo de passageiros, atualizados em outubro de 2010 e praticados nas principais cidades do Brasil(clique na imagem para dimensioná-la à leitura):



Fonte: Associação Nacional de Transportes Públicos

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Prandini no PT ?

Tenho ouvido e recebido comentários recorrentes de que Prandini pretenderia se desligar de seu partido, o PV, e se filiar ao Partido dos Trabalhadores. Sem querer entrar no mérito político da questão, posso dizer que tal manobra seria, juridicamente, muito difícil e arriscada. Alguns Tribunais Eleitorais já têm firmando o entendimento de que ocupantes de cargos eletivos majoritários (prefeitos, governadores e presidente da República) devem se submeter à fidelidade partidária, assim como ocorre com os parlamentares em geral. Foi o que aconteceu com o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, que teve seu mandato cassado pelo TRE/DF, após ter se desfiliado do DEM, sem justa causa.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

381: Segue a Carnificina

No último sábado, estive em Belo Horizonte. O que significa que tive de enfrentar mais uma vez e à contra gosto a BR 381, a Rodovia da Morte. Ao passar por São Gonçalo do Rio Abaixo, por volta das nove horas da manhã, deparei-me com uma cena de atropelamento da qual nunca me esquecerei. Em meio a uma grande aglomeração de curiosos, a Polícia Federal já havia fechado a pista no sentido Vitória e sobre ela jazia um corpo, completamente, separado ao meio e oculto por dois lençóis brancos. Visão pior estava por vir: bem ao lado daquela triste e terrível circunstância, protegido por cones de sinalização, repousava sobre o asfalto um fígado humano. Pra mim chega! A situação convoca a todos a reagir. Temos que nos unir, estudar medidas emergenciais e fechar a rodovia quantas vezes forem necessárias, até que sejamos atendidos. Em outros municípios já existem movimentos desta natureza. Devemos nos aliar e agir de forma coordenada. Peço licença aos amigos blogueiros para colocar este tema na discussão do próximo encontro do dia 16, no Floresta Clube. Basta!!

Prefeito ou Sindicalista?

Semana passada, Prandini deu mais uma mostra de quanto está perdido e confuso, enquanto ocupante da chefia do Executivo municipal. Numa de suas andanças pela cidade, ao passar pela portaria da Usina, o prefeito aproveitou para apresentar, publicamente, seu incondicional apoio a grevistas que realizavam um piquete no local. Por mais justa e necessária que seja a greve, espera-se que um prefeito governe para todos: trabalhadores, empresários e quaisquer outros seguimentos da sociedade monlevadense. Algum assessor deveria saber disso. E não é com atitudes oportunistas e desesperadas como essa que o prefeito vai conseguir reverter seu baixíssimo índice de popularidade. A saída é se investir, de uma vez por todas, no cargo para qual fora eleito, passando a agir como tal.

Ano Novo: Governo Velho

As esperanças de mudança e renovação, próprias de um ano novo que se inicia, definitivamente, não atingiram o governo municipal. Muito pelo contrário. Prandini começou 2011 exonerando aliados e concedendo ainda mais poder a seu assessor de governo que, agora, passa a responder também pela assessoria de comunicação, acumulando as duas funções. Em outras palavras, Prandini inicia o ano, fortalecendo os elementos responsáveis pelo absoluto fracasso político-administrativo de até então.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Daniela Perdigão é Exonerada por Prandini

Integrante vital do batalhão de frente da campana de Prandini, a professora e profissional de marketing Daniela Perdigão foi exonerada, ontem, de seu cargo na administração municipal. Pelo jeito, a política suicida de massacre aos aliados alcançou 2011 com fôlego. Tudo como antes no quartel de Abrantes.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011