Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Orçamento/2011: Educação

O Orçamento/2011 do governo Prandini prevê recursos para a Educação Municipal da ordem de R$ 34.336.900,00, ou seja, o mínimo de 25% da receita, conforme preceitua o art. 212 da Constituição. Mas, o mínimo previsto, constitucionalmente, ainda é pouco. Não é por menos que é considerado, literalmente, o mínimo! Países desenvolvidos não investem menos de 8% do PIB em Educação. Com o mínimo constitucional de 25% da receita dos estados e dos municípios e de 18% da receita da União somados, o Brasil não tem alcançado 4,5 % do PIB em investimento na Educação. Ao fixar uma despesa mínima para o setor, Prandini mais uma vez demonstra que a Educação não é prioridade de seu governo e que aquela história de “mudar o que tem que mudar” não passou de um slogan eleitoreiro falacioso, pois sem investimentos maciços em educação de qualidade nada mudará.