Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Lula Fez o que Podia Ser Feito

Em oito anos de mandato, o Presidente Lula não fez nem metade do que deveria ser feito neste país. Ainda falta muito. Mas, foi extremamente vitorioso em fazer tudo aquilo que se podia ser feito. Não podemos nos esquecer que na última vez em que um governo(João Goulart) tentou realizar o que deveria ser feito – as reformas agrária, educacional, tributária, administrativa, política e urbana - a elite brasileira, considerada uma das mais reacionárias e conservadoras do mundo, empreendeu um golpe militar (1964) que mergulhou o país numa terrível ditadura, da qual ainda amargamos sérios efeitos.

Crescimento Econômico do Governo Lula

Sem dúvida nenhuma, as maiores realizações do Governo Lula foram duas: viabilizar o país em termos macro-econômicos e possibilitar às grandes massas o acesso às riquezas nacionais. E nestes setores, Lula conseguiu feitos históricos. Foi Lula e não Fernando Henrique ou Itamar Franco quem conseguiu aliar estabilidade monetária e crescimento econômico. O Plano Real, elaborado por FHC não foi tão bem sucedido como muitos imaginam. Na verdade, ele quase levou o país à bancarrota, a exemplo do que ocorreu com a Argentina em 2002.

A Verdade Sobre o Plano Real

O principal pilar previsto no Plano Real (Medida Provisória nº 434/94) era a âncora cambial, que impunha uma paridade monetária de 1 dólar = 1 real. Disso todo mundo se lembra. Contudo, para manter a paridade dólar/real era necessário fixar os juros básicos da economia (SELIC) em valores muito altos, a fim de se atrair dólares para o mercado interno. Até que ocorreu a crise asiática, em 1997, e a moratória Rússia, em 1998, gerando desconfiança e, consequentemente, uma fuga de dólares dos mercados emergentes, entre eles o Brasil, e o governo foi obrigado a desvalorizar o real, acabando com a paridade monetária. Neste período, a taxa de juros básicos da economia chegou a inacreditáveis 45% ao ano, a maior do mundo, disparadamente. A Argentina passou pelo mesmo processo, mas o populismo peronista não permitiu a desvalorização de sua moeda e los hermanos quebraram, em 2002. Assim, tecnicamente, o Plano Real se desfez em 1998, quando o seu maior pilar, a paridade dólar/real, foi abolida. Hoje o que existe é a moeda real, o plano já era, apesar de ter sido um importante passo para a estabilização monetária do país.

O Crédito e o Acesso à Riqueza

O acesso às riquezas produzidas em um país está, diretamente, ligado ao acesso que sua população tem do dinheiro. Com FHC isto não ocorria, pois, como foi dito acima, era necessário a fixação de juros altíssimos para viabilizar a paridade 1 dólar/1 real. Foi a partir do governo Lula, com a abertura de novos mercados para os produtos nacionais, que foi possível baixar, gradativamente, a taxa de juros básicos, permitindo ao brasileiro comum o acesso ao crédito. Hoje, os juros SELIC estão em 10,75% ao ano e já chegaram ao inédito patamar de 8,65, durante o governo Lula. Nos Estados Unidos está em menos de 1% e na China 5,31%. Ao invés de atrair dólares por meio de juros altos, o governo Lula optou, corretamente, por constituir reservas cambiais (dólares) através de superávits na balança de comercial. Assim, ao mesmo tempo em que viabilizou o país sob o ponto de vista marco-econômico, Lula permitiu que o brasileiro contraísse crédito, ingressando no mercado de consumo.

O 2º Milagre Brasileiro

Hoje, é possível adquirir a casa própria, o carro novo e etc, tudo através do crédito a médio e longo prazo. Os juros ainda são altos. Mas muito menores que a média histórica brasileira. Situação que, antes de Lula, era inimaginável para a grandíssima parcela da população. Para este ano está previsto um crescimento do PIB nacional da ordem de 7,5%, o que só tem sido possível porque o Governo Lula democratizou o acesso ao dinheiro, através do crédito.É o segundo Milagre Brasileiro.Há também outras questões como dívida pública, responsabilidade fiscal, inflação e etc. Má já escrevi de mais.