quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Zé Fernando Aparecido

Hoje, escrevi aqui no Monlewood um texto sobre a vergonhosa e injusta política dos Royalties da Mineração. O deputado e candidato de Prandini ao governo de Minas, José Fernando Aparecido (PV) foi um que já levantou a bandeira dos Royalties. Mas, pelo que já pude acompanhar pela propaganda eleitoral na televisão, Zé Fernando não parece estar mais preocupado com as compensações pela exploração das riquezas minerais de Minas. Aliás, a campanha do pevista na TV tem se revestido de uma atmosfera pedante de dar dó. Ou seja, sua campanha tem se resumido em apresentar personalidades, como Marina Silva e Gilberto Gil, que pedem voto para um candidato calado que, ao final, faz cara de que não é com ele ou que não sabe o que está acontecendo. Como um aspirante ao mais alto cargo do governo de Minas faz a opção por fechar a boca na propaganda eleitoral de um instrumento tão poderoso como a televisão? A impressão que passa é que Zé Fernando lançou sua candidatura apenas para negociar cargos em troca de apoio, num eventual segundo turno. E ao que parece, a impressão se confirmou. Segundo matéria do Jornal Estado de Minas, de 12/09/2010, os tucanos negociaram, com consentimento de Zé Fernando, a entrada da totalidade da bancada estadual e federal verde na campanha de Anastasia. Ao todo, são 10 parlamentares – três federais e sete estaduais. O acordo foi sacramentado antes do feriado da Independência pelo próprio Anastasia, durante café da manhã no Palácio das Mangabeiras, com a presença maciça dos parlamentares da legenda. Em suma, os 1 % de eleitores que apoiavam a candidatura do PV ao governo do estado estão agora no mato sem cachorro. Ou melhor, no mato com Anastásia. Este tipo de manobra, quando realizada no segundo turno, faz parte do pragmatismo da política. Más, antecipada ao primeiro turno, representa uma deslealdade enorme para com a base partidária. A traição política a seus apoiadores parece ser mesmo uma sina do Partido Verde, seja na esfera estadual ou municipal.