Na disputa do atual provedor do HM contra a AAHM, quem deve deixar o Hospital?

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

PT

Assim que me desliguei do PV, filiei-me no PT, que, naquele momento, passava por um conturbado processo para eleger sua nova diretoria. Nas reuniões que antecederam as eleições internas, percebia-se claramente que um dos objetivos da chapa encabeçada pela Vereadora Dulcinéia era fazer com que o Partido dos Trabalhadores alcançasse junto ao governo Prandini o justo espaço político, na medida da vital importância que teve para a eleição do atual prefeito de Monlevade. Eleita Dulcineia, nada mudou. O partido continua a margem do governo. O absurdo que se diz no gabinete é que governo é governo e partido é partido. Ao contrário do que se fala nas ruas, não é o PT o responsável direto por todas as trapalhadas da atual administração. Com o diz o jargão: a culpa é do Prandini, ou melhor, do Pacto Umbilical. No entanto, ao ser negligente, o PT acaba assumindo certa responsabilidade, neste que até o momento se revelou o pior governo da história monlevadense. Ora, o PT tem dois vereadores na Câmara. É força suficiente para enquadrar o governo e reverter a situação para, pelo menos, fechar o mandato com chave de bronze. Do contrário, também será herdeiro do ostracismo político reservado para Prandini, no futuro.